Países Baixos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nederland
Países Baixos
Bandeira dos Países Baixos
Brasão de armas
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Ik zal handhaven" (neerlandês)
Je maintiendrai (francês)
("Eu manterei")
Hino nacional: Het Wilhelmus
Gentílico: neerlandês ou holandês[1]

Localização dos {{{nome_pt}}}

Localização dos Países Baixos (em vermelho)
No continente europeu (em cinza)
Na União Europeia (em branco)
BES islands location map.svg
Localização dos Países Baixos Caribenhos (em verde) no Caribe (em cinza).
Capital Amesterdão¹ PT
Amsterdã BR
51° 55’ N 5° 34’ E
Cidade mais populosa Amesterdão
Língua oficial Neerlandês²
Governo Monarquia constitucional
 - Monarca Guilherme Alexandre[2]
 - Primeiro-ministro Mark Rutte
 - Vice-primeiro-ministro Lodewijk Asscher
Independência da Espanha 
 - Declarada 26 de julho de 1581 (433 anos
 - Reconhecida 30 de janeiro de 1648 (366 anos
Entrada na UE 25 de março de 1957 (membro co-fundador)
Área  
 - Total 41 528 km² (131.º)
 - Água (%) 18,41
 Fronteira Alemanha e Bélgica
População  
 - Estimativa de 2014 16 819 595[3] hab. (63.º)
 - Censo 2013 16 779 575 hab. 
 - Densidade 405,6 hab./km² (23.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2011
 - Total US$ 876,895 bilhões *[4]  (21.º)
 - Per capita US$ 40 764[4]  (8.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2011
 - Total US$ 983,293 bilhões *[4]  (16.º)
 - Per capita US$ 47 172[4]  (9.º)
IDH (2013) 0,915 (4.º) – muito elevado[5]
Gini (2009) 30,9
Moeda Euro3 (EUR)
Fuso horário CET (UTC+1)
 - Verão (DST) CEST (UTC+2)
Clima Temperado Marítimo ou Temperado Oceânico
Org. internacionais ONU (OMC), UE
Cód. ISO NLD
Cód. Internet .nl4
Cód. telef. +31
Website governamental www.regering.nl

Mapa dos {{{nome_pt}}}

1. A Haia é a sede do governo.
2. Frísio na Frísia
Limburgio no Limburgo
Baixo saxão na Groninga, Frísia, Drente, Overijssel, e Guéldria são línguas oficialmente reconhecidas e protegidas como minoritárias pela União Europeia.
3. Antes de 2002: Florim neerlandês (Nederlandse gulden).
4. O domínio de topo .eu também é utilizado, compartilhado com outros Estados-membros da União Europeia.

Países Baixos (em neerlandês: Nederland, literalmente "país baixo") é uma nação constituinte do Reino dos Países Baixos localizada na Europa ocidental. O país é uma monarquia constitucional parlamentar democrática banhada pelo mar do Norte a norte e a oeste, que faz fronteira com a Bélgica a sul e com a Alemanha a leste. A capital é Amesterdão (português europeu) ou Amsterdã (português brasileiro) e a sede do governo é Haia. Os Países Baixos são frequentemente chamados de Holanda, o que é tecnicamente impreciso, já que as Holandas do Norte e do Sul são duas de suas doze províncias. O gentílico holandês é o normalmente utilizado para se referir ao povo, à língua e a qualquer coisa que pertença aos Países Baixos, embora mantenha a ambiguidade. Neerlandês é o gentílico não-ambíguo, alternativo.

Geograficamente, os Países Baixos são um país de baixa altitude, com cerca de 27% de sua área e 60% de sua população situados abaixo do nível do mar.[6] [7] Uma significativa parte de seu território foi obtida através da recuperação e preservação de terras através de um elaborado sistema de pôlderes e diques. Grande parte dos Países Baixos é formada por um grande delta, o delta do Reno e Mosa.

Os Países Baixos são um país densamente povoado que é conhecido por seus moinhos de vento, tulipas, tamancos, cerâmica de Delft, queijo gouda, artistas visuais, bicicletas e, além disso, pelos valores tradicionais e virtudes civis, tais como a sua tolerância social, tendo se tornado conhecido por sua política liberal em relação à homossexualidade, drogas, prostituição, eutanásia e aborto. É um dos países com melhor qualidade de vida do mundo, fator pelo qual possuí um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano da Europa e do mundo, segmentado em sua forte política de assistência social e direitos considerados essenciais, como educação, saúde e segurança de qualidade, garantidos em nível máximo a seus habitantes. O país possui uma das economias capitalistas mais livres do mundo — 15ª posição entre 177 países de acordo com o Índice de Liberdade Econômica em 2014.[8]

Entre outras afiliações, o país é membro fundador da União Europeia (UE), da OTAN, da OCDE, da OMC e assinou o Protocolo de Quioto. Junto com a Bélgica e com Luxemburgo, o país constitui a União Económica do Benelux. O país é palco de cinco tribunais internacionais: a Corte Permanente de Arbitragem, o Tribunal Internacional de Justiça, o Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia, o Tribunal Penal Internacional e o Tribunal Especial para o Líbano. Os quatro primeiros estão situados em Haia assim como a sede da agência da UE de informação criminal, a Europol. Isto levou a cidade a ser apelidada de "capital judiciária do mundo".[9]

História[editar | editar código-fonte]

Pré-História, Roma e Idade Média[editar | editar código-fonte]

Mapa das Dezessete Províncias (1477).

Os Países Baixos têm sido habitados desde a última glaciação; os vestígios mais antigos encontrados têm uma antiguidade de 100 000 anos, quando o país possuía um clima de tundra com uma vegetação muito escassa. Seus primeiros povoadores eram caçadores-coletores.[10] Ao final da Era do Gelo a área passou a ser habitada por vários grupos paleolíticos. Um destes grupos fabricava inclusive canoas (6 500 a.C.)[11] A agricultura chegou por volta do ano de 5000 a.C. porém somente foi praticada nas planícies do extremo sul do país (Limburgo do Sul). Os coletores-caçadores da cultura Swifterbant estiveram presentes a partir de 5 600 a.C.[12] Eles desenvolveram uma sociedade agrícola entre 4 300-4 000 a.C.[13] [14] Os primeiros restos notáveis da Pré-História foram os dólmens que foram encontrados na província de Drente, e foram provavelmente construídos pelas pessoas pertencentes à cultura de Funnelbeaker entre 4 100 e 3 200 a.C.[15]

A primeira evidência do uso de rodas está datada em torno de 2 400 a.C., e provavelmente está relacionada com a cultura Bellbeaker (Klokbeker cultuur).[16] Esta cultura também demonstrou algumas experiências com o uso do cobre. A Idade do Bronze provavelmente começou ao redor de 2 000 a.C. como é o caso da tumba do "Ferreiro de Wageningen".[17] Depois desta descoberta, mais objetos da Idade do Bronze apareceram, como em Epe, Drouwen e principalmente em Drente, que devido a grande quantidade de objetos encontrados como contas de estanho, colares etc. indica-nos que era um centro comercial na época. A riqueza dos Países Baixos na Idade do Ferro pode ser vista na "Tumba do rei de Oss" (datada de 500 a.C.), ali um verdadeiro rei foi enterrado com alguns de seus objetos, como uma espada de ferro com inscritos em ouro, no que é a maior tumba da Europa Ocidental, com 53 metros de largura.[18] Na época da chegada dos romanos, os Países Baixos se encontravam habitados por várias tribos germânicas que haviam se assentado provavelmente em 600 a.C., tal como os frísios. Tribos celtas assentaram-se ao sul.

No século I a.C., os romanos conquistaram a parte sul do país, onde criaram a província da Germânia Inferior. Os romanos foram os primeiros a construir cidades no país, como Utrecht, Nimega e Maastricht. Na época da ocupação romana, que se mantém até ao século IV, a região dos Países Baixos era povoada por tribos célticas e germânicas. Os Saxões estabelecem-se a leste dos futuros Países Baixos e os Francos ocuparam os territórios meridionais.

A cristianização só se completa no final do século VIII, com a submissão destes povos a Carlos Magno. A administração carolíngia permite o desenvolvimento da atividade económica, enquanto nasce uma indústria têxtil.

Habsburgos, república, dominação francesa e reino[editar | editar código-fonte]

Um dia comum no Século de Ouro dos Países Baixos retratado por Jan Steen.

No reinado de Carlos V imperador do Sacro Império e rei da Espanha, a região era parte das Dezessete Províncias dos Países Baixos, abrangendo a maior parte do que hoje é a Bélgica. À proclamação da independência (União de Utrecht, 1579; abjuração da soberania espanhola, 1581), no reinado de Filipe II, seguiu-se a guerra de independência. A assinatura, sob Filipe IV, do Tratado de Münster pôs fim à Guerra dos Oitenta Anos. O império espanhol reconheceu a República Holandesa dos Países Baixos Unidos, governados pela casa de Orange-Nassau e os Estados Generais, que anteriormente foram uma província do império espanhol. Os Países Baixos tornaram-se assim a primeira nação europeia a assumir uma forma de governo republicana.

Ainda que o novo Estado exercesse autonomia apenas sobre as províncias do norte, a República das Sete Províncias Unidas dos Países Baixos desenvolveu-se e tornou-se uma das mais importantes potências navais e econômicas do século XVII. Neste período, conhecido como o Século de Ouro, os Países Baixos estenderam suas redes comerciais por todo o planeta, estabelecendo colônias em lugares tão distantes quanto Java e o nordeste brasileiro (Brasil neerlandês).

Eclipsada pela ascensão britânica durante o século XVIII, a região foi mais tarde incorporada ao império francês sob Napoleão Bonaparte. Após o Congresso de Viena (1815), o Reino Unido dos Países Baixos foi criado, incluindo os atuais Bélgica e Luxemburgo. A Bélgica conseguiu sua independência em 1830; o Luxemburgo, que seguia regras sucessórias distintas, seguiu seu próprio caminho após a morte do rei Guilherme III. Já no século XIX, os Países Baixos industrializaram-se mais lentamente do que os países vizinhos.

Reino dos Países Baixos[editar | editar código-fonte]

Nova Amsterdã em 1664, antes de ser trocada com a Grã-Bretanha pelo Suriname. Sob o domínio britânico tornou-se conhecida como Nova York.

Guilherme I dos Países Baixos, filho do último rei, Guilherme V, Príncipe de Orange, voltou para os Países Baixos em 1813 e tornou-se príncipe soberano da nação. Em 16 de março de 1815, o príncipe soberano tornou-se rei do país. Em 1815, o Congresso de Viena formou o Reino Unido dos Países Baixos, unindo os Países Baixos com a Bélgica com o objetivo de criar um país forte na fronteira norte da França. Além disso, Guilherme V tornou-se herdeiro do Grão-Duque do Luxemburgo. O Congresso de Viena deu Luxemburgo a Guilherme como propriedade particular, em troca de suas possessões alemãs: Ducado de Nassau, Siegen, Hadamar e Diez. A Bélgica rebelou-se e conquistou a independência em 1830, enquanto a união pessoal entre Luxemburgo e os Países Baixos foi rompida em 1890, quando o rei Guilherme III dos Países Baixos morreu sem herdeiros masculinos vivos. As leis de ascendência impediram que a sua filha, a rainha Guilhermina, se tornasse a Grã-Duquesa seguinte. Portanto, o trono de Luxemburgo passou da Casa de Orange-Nassau para a Casa de Nassau-Weilburg, um ramo da Casa de Nassau.

Um mapa anacrónico do Império Colonial Holandês. Verde claro: territórios administrados por ou provenientes de territórios administrados pela Companhia Holandesa das Índias Orientais; verde escuro: territórios da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais.

A maior colônia holandesa no exterior foi a Colônia do Cabo. Criada por Jan van Riebeeck em nome da Companhia Holandesa das Índias Orientais na Cidade do Cabo em 1652. O Príncipe de Orange, concordou com a ocupação e controle da Colônia do Cabo pelos britânica, em 1788. A Holanda também possuía várias outras colônias, mas a colonização holandesa nestas terras foi limitada. As mais notáveis foram as Índias Orientais Holandesas (atual Indonésia) e a Colônia do Suriname (hoje o Suriname). Estas "colônias" foram primeiro administradas pela Companhia Holandesa das Índias Orientais e pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, ambas empresas coletivas privadas. Três séculos mais tarde essas empresas começaram a ter problemas financeiros e os territórios em que operavam foram assumidos pelo governo holandês (em 1815 e 1791, respectivamente). Só então essas áreas se tornaram colônias oficiais.

Durante o período colonial, a Holanda envolveu-se fortemente no comércio de escravos. Os plantadores holandeses dependiam muito de escravos africanos para cultivar café, cacau, cana-de-açúcar e plantações de algodão ao longo dos rios. O tratamento dado aos escravos por seus proprietários era notoriamente ruim e muitos deles fugiam das plantações. A escravidão foi abolida pela Holanda na Guiana Holandesa e Curaçao e Dependências em 1863, mas os escravos não foram totalmente libertos até 1873, depois de um período obrigatório de transição de 10 anos, durante os quais eles eram obrigados a trabalhar nas plantações por um salário mínimo e o estado sancionado de tortura. Assim que se tornaram verdadeiramente livres, a maioria dos escravos abandonou as plantações onde eles tinham sofrido por várias gerações em favor da cidade de Paramaribo.

Durante o século XIX, a Holanda demorou para se industrializar em comparação aos países vizinhos, principalmente por causa da grande complexidade envolvida na modernização da sua infra-estrutura, composta em grande parte por cursos de água, e a grande resistência da sua indústria em relação a energia eólica.

Guerras mundiais[editar | editar código-fonte]

Roterdã em ruínas após os ataques aéreos alemães em 1940, durante a Segunda Guerra Mundial.

Embora tenham se mantido neutros durante a Primeira Guerra Mundial, os Países Baixos foram fortemente envolvidos na guerra.[19] Alfred von Schlieffen tinha originalmente planejado invadir os Países Baixos, enquanto avançava pela França, no Plano Schlieffen original. Isso foi alterado por Helmuth von Moltke, o Jovem, a fim de manter a neutralidade neerlandesa. Mais tarde, durante a guerra, a neutralidade neerlandesa provou ser essencial para a sobrevivência alemã, até o bloqueio integrado pelos Estados Unidos e Grã-Bretanha em 1916, quando a importação de mercadorias através dos Países Baixos já não era possível. No entanto, os neerlandeses foram capazes de manterem-se neutros durante a guerra usando a sua diplomacia e sua capacidade de negociar.[19]

O país pretendia permanecer neutro durante a Segunda Guerra Mundial, embora planos de contingência, envolvendo os exércitos da Bélgica, França e Reino Unido, tenham sido elaborados em caso de agressão alemã. Apesar desta neutralidade, a Alemanha nazista invadiu a Holanda em 10 de maio de 1940 como parte de sua campanha contra as forças aliadas. Forças francesas no sul e navios britânicos a oeste vieram ajudar, mas recuaram rapidamente, evacuando muitos civis e vários milhares de prisioneiros de guerra alemães. O país foi invadido em apenas cinco dias. Apenas após (mas não por conta disso) do Bombardeio de Roterdã, o exército holandês se rendeu em 14 de maio de 1940, apesar de uma força holandesa e francesa controlar a parte ocidental da Zelândia algum tempo após a rendição. O reino continuou na guerra através do Império Colonial Holandês; o governo no exílio residia em Londres.

Durante a ocupação, mais de 100 000 judeus holandeses[20] foram presos e levados para campos de concentração nazistas na Alemanha, na Polônia ocupada e na Tchecoslováquia ocupada pelos alemães. No momento em que estes campos foram libertados, apenas 876 judeus holandeses estavam vivos. Os trabalhadores holandeses eram recrutados para o trabalho forçado em fábricas alemãs, os civis eram mortos em represália por ataques a soldados alemães e a área rural foi saqueada por comida para os soldados alemães na Holanda e para o embarque para a Alemanha. Embora milhares de holandeses tenham arriscado suas vidas por esconder os judeus dos alemães, como contado em O Refúgio Secreto por Corrie ten Boom e em The Heart Has Reasons de Mark Klempner,[21] houve também holandeses que colaboraram com as forças de ocupação na caça aos judeus escondidos.[22]

Período contemporâneo[editar | editar código-fonte]

Os Países Baixos são um dos membros fundadores do Benelux, que mais tarde deu origem a União Europeia. Na imagem, a bandeira europeia.

Depois da guerra, a economia holandesa prosperou deixando para trás uma era de neutralidade política e estreitou laços como países vizinhos. A Holanda foi um dos membros fundadores do grupo Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo), um dos 12 membros fundadores da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e estava entre os seis países membros fundadores da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que mais tarde iria evoluir para a Comunidade Econômica Europeia (CEE) até a União Europeia (UE).

Os anos de 1960 e 1970 foram um momento de mudança social e cultural tão grande, como um rápido ontzuiling (literalmente: despilarização), termo que descreve a decadência das velhas divisões ao longo de classes e linhas religiosas. Jovens e estudantes em particular, rejeitaram os costumes tradicionais e impulsionaram uma forte mudança em temas como os direitos das mulheres, a sexualidade, o desarmamento e as questões ambientais. Atualmente, os Países Baixos são classificados como um país liberal, considerando a sua política de drogas e a legalização da eutanásia. Em 1 de abril de 2001, o país se tornou o primeiro do mundo a reconhecer o casamento homossexual.[23]

Em 10 de outubro de 2010, as Antilhas Holandesas, um antigo país do Reino dos Países Baixos no Caribe, foi dissolvida. Referendos foram realizadas em cada ilha das Antilhas entre junho de 2000 e abril de 2005, para determinar o seu estatuto futuro. Como resultado, as ilhas de Bonaire, Santo Eustáquio e Saba alcançaram laços mais estreitos com os Países Baixos. Isto levou à incorporação destas três ilhas ao país como municípios especiais sobre a dissolução das Antilhas Holandesas. Os municípios especiais são conhecidos coletivamente como Países Baixos Caribenhos.[24]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite dos Países Baixos.

Um aspecto notável do país é o fato de ser extremamente plano. Aproximadamente metade do território fica a menos de 1 metro acima do nível do mar, e boa parte das terras estão de fato abaixo do nível do mar. O ponto mais baixo, Nieuwerkerk aan den IJssel, perto de Roterdão, localiza-se a um nível de 6,76 m abaixo do nível do mar. O ponto mais alto, Vaalserberg, na fronteira sudeste, localiza-se a uma altitude de 321 m. Muitas áreas baixas estão protegidas por diques e barragens. Partes dos Países Baixos, inclusive quase toda a moderna província da Flevolândia, foram conquistadas ao mar – estas áreas são conhecidas como pôlderes.[25]

O país é cheio de canais e o transporte fluvial torna-se um dos principais meios de exportação e importação. A localização geográfica dos Países Baixos é bastante favorável em relação à Europa. Do aeroporto de Schiphol, em Amsterdã, é possível chegar a Berlim, Londres ou Paris em apenas uma hora de voo. O país é dividido em duas partes principais pelos rios Reno (Rijn), Waal e Mosa (Maas). Há muitos dialetos falados a norte e sul desses grandes rios. Os ventos predominantes no país são de sudoeste, o que causa um clima marítimo moderado, com verões agradáveis e invernos suaves.

Inundações[editar | editar código-fonte]

Ao longo dos séculos, o litoral holandês mudou consideravelmente como resultado da intervenção humana e de desastres naturais. O mais notável em termos de perda de terra foi a tempestade 1134, que criou o arquipélago da Zelândia, no sudoeste. Em 14 de dezembro de 1287, a inundação de Santa Lúcia afetou os Países Baixos e a Alemanha, matando mais de 50 mil pessoas em uma das inundações mais destrutivas já registradas na história.[26] A última enchente importante nos Países Baixos ocorreu no início de fevereiro de 1953, quando uma grande tempestade causou o colapso de vários diques no sudoeste do país. Mais de 1.800 pessoas morreram afogadas nas inundações que se seguiram. O governo neerlandês decidiu posteriormente em um programa de larga escala de obras públicas (o "Projeto Delta") para proteger o país contra futuras enchentes catastróficas. O projeto levou mais de 30 anos para ser concluído e considerado pela Sociedade Americana de Engenheiros Civis uma das sete maravilhas do mundo moderno.[27]

Um pôlder 5,53 metros abaixo do nível do mar.

A gravidade dos desastres foi parcialmente impulsionada através da influência humana. As pessoas tinham drenado o relativamente alto pântano para usá-lo como fazendas. A drenagem fez com que a fértil turfa fosse comprimida e o nível do solo diminuiu, quando tentaram reduzir o nível de água para compensar a queda no nível do solo, fazendo com que a turfa subjacente fosse ainda mais comprimida. Devido ao alagamento, a agricultura tornou-se uma atividade difícil, o que incentivou o comércio exterior, a consequência disso foi um maior envolvimento dos holandeses nos temas mundiais desde o início do século XIV/XV. O problema permanece insolúvel até hoje. Além disso, até ao século XIX, a turfa seca era extraída e utilizada como combustível, aumentando ainda mais o problema.[28]

Em 1932, o Afsluitdijk (em português: dique de fechamento) foi concluído, bloqueando o Zuiderzee (mar do Sul) do mar do Norte, criando assim o IJsselmeer (Rio Issel). Essas construções tornaram-se parte das Obras Zuiderzee, uma grande obra em que quatro pôlders, totalizando 2.500 quilômetros quadrados, foram subtraídos do mar.[29] [30] Além disso, os Países Baixos são um dos países que podem mais sofrer com as mudanças climáticas. Não só pelo aumento do nível do mar, mas também porque os padrões climáticos irregulares podem causar o transbordamento de rios.[31] [32] [33]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Holandeses vestidos de laranja para celebrar o Dia da Rainha em Amsterdã.

Os Países Baixos têm uma população estimada em 16 742 993 (agosto de 2012).[34] É o 11º país mais populoso da Europa e o 61º país mais populoso do mundo. Entre 1900 e 1950, a população do país quase dobrou, de 5,1 para 10,0 milhões de pessoas. De 1950 a 2000, a população aumentou de 10,0 para 15,9 milhões de pessoas, mas a taxa de crescimento da população foi menor do que a dos 50 anos anteriores.[35]

A taxa de fertilidade nos Países Baixos é de 1,82 filhos por mulher (em 2011), que é alta em comparação com muitos outros países europeus, mas abaixo da taxa de 2,1 filhos por mulher necessária para a reposição natural da população. A expectativa de vida no país é alta, de 83,08 anos para as meninas recém-nascidas e de 78,84 para os meninos (2012). O país tem uma taxa de migração anual de 2,55 migrantes por mil habitantes.

A maioria da população dos Países Baixos é etnicamente holandesa (ou neerlandesa). Uma estimativa de 2005 mostrou que 80,9% da população se considera holandesa, 2,4% indonésia, 2,4% alemã, 2,2% turca, 2,0% surinamesa, 1,9% marroquina, 0,8% das Antilhas e de Aruba, e 7,4% de outras etnias.[36] Os holandeses são as pessoas mais altas do mundo, com uma altura média de 1,81 metros para adultos do sexo masculino e de 1,67 metros para mulheres adultas, em 2009.[37] As pessoas do sul são, em média, cerca de 2 cm mais baixas que as do norte.

Os holandeses ou descendentes de holandeses também são encontrados em comunidades de imigrantes ao redor do mundo, principalmente no Canadá, Austrália, África do Sul e Estados Unidos. De acordo com o censo de 2006 dos Estados Unidos, mais de 5 milhões de americanos declararam ascendência holandesa total ou parcial ascendência holandesa.[38] Há cerca de 3 milhões de descendentes de holandeses chamados africâneres vivendo na África do Sul.[39] Em 1940, havia 290.000 europeus e eurasiáticos na Indonésia,[40] mas a maioria já deixou o país.[41] De acordo com o Eurostat, em 2010, havia 1,8 milhão de residentes estrangeiros nos Países Baixos, o que corresponde a 11,1% da população total. Destes, 1,4 milhões (8,5%) nasceram fora da União Europeia (UE) e 0,428 milhões (2,6%) nasceram em outro Estado-membro da UE.[42]

Os Países Baixos são o 30.º país mais densamente povoado do mundo, com 395 hab./km, ou 484 habitantes por quilômetro quadrado se apenas a área terrestre for contada. É o oitavo país mais densamente povoado da Europa, com uma densidade populacional de 393 hab./km². A maior aglomeração urbana do país designa-se Randstad e localiza-se no oeste, englobando as quatro maiores cidades: Amsterdã, na província da Holanda do Norte, Roterdã e Haia, na província da Holanda do Sul, e Utrecht, na província de Utrecht. A Randstad tem uma população de 7 milhões de habitantes e é a sexta maior área metropolitana da Europa.

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Há duas línguas oficiais, ambas germânicas, o neerlandês, usada pela maioria da população, e o frísio; esta só se usa na província setentrional da Frísia, chamada de Fryslân na língua local. Além destas, vários dialetos do baixo-saxão são usados em boa parte do norte e leste, sem reconhecimento oficial.

Nas fronteiras meridionais, os idiomas têm variedades baixo-frâncicas e alemãs, sendo possível que sua melhor classificação seja, em vez de holandês, flamengo ocidental ou alemão.

Religião[editar | editar código-fonte]

Religião nos Países Baixos (2010)
Cristianismo
  
64,0%
Agnosticismo
  
25,7%
Islamismo
  
6,16%
Ateísmo
  
1,75%
Budismo
  
1,21%
Outros
  
1,19%

Os Países Baixos são um dos países mais secularizados do Oeste europeu, com 39% de sua população filiada a alguma religião. Ainda assim, menos de vinte por cento frequenta regularmente suas respectivas igrejas.[44] A minoria praticante de alguma religião se divide principalmente entre o catolicismo (18%), mais forte ao sul dos grandes rios e o protestantismo, ao norte (15%). A maior parte destes protestantes pertence à Igreja Reformada Neerlandesa.

De acordo com a pesquisa da Eurobarômetro de 2005, 34% dos cidadãos neerlandeses responderam que acreditam existir algum deus, 37% respondeu que acreditam que exista algum tipo de força e 27% que não acreditam que exista nenhum tipo de força superior, deus ou nada espiritual.[45]

Em 1950, a maioria dos cidadãos neerlandeses se declaravam cristãos, sendo que, dos 13 000 000 de habitantes na época, um total de 7 261 000 pertencia às diversas denominações Protestantes, 3 703 000 à Igreja Católica Romana e 1 641 000 sem religião conhecida.

Entretanto, as escolas cristãs ainda são financiadas pelo governo e por outros três partidos políticos presentes no parlamento neerlandês (CDA, ChristianUnion e SGP), que têm suas políticas internas baseadas na crença cristã.

Política[editar | editar código-fonte]

Os Países Baixos têm sido uma monarquia constitucional desde 1815 e uma democracia parlamentar desde 1848. A política e governança neerlandesas são caracterizadas pelo esforço em alcançar um amplo consenso sobre questões importantes dentro tanto da comunidade política quanto da sociedade como um todo. Em 2008, a revista The Economist classificou os Países Baixos como o décimo país mais democrático do mundo.

O monarca é o chefe de Estado. O cargo é ocupado desde 30 de abril de 2013 pelo rei Guilherme Alexandre após a abdicação de sua mãe a então rainha Beatriz. Constitucionalmente, a posição é equipada com poderes políticos limitados. O monarca pode exercer alguma influência durante a formação de um novo gabinete, onde serve como árbitro neutro entre os partidos políticos. Além disso, o rei tem o direito de ser informado e consultado. Dependendo da personalidade e das qualidades do rei e dos ministros, o rei pode ter influência além do poder concedido pela Constituição.

O complexo Binnenhof é o centro da política neerlandesa, onde se localiza os Estados Gerais dos Países Baixos.

Na prática, o poder executivo é formado pelo Conselho de Ministros dos Países Baixos. O gabinete é composto geralmente por 13-16 ministros e um número variável de secretários de Estado. Um a três ministros são ministros sem pasta. O chefe de governo é o primeiro-ministro dos Países Baixos, que muitas vezes é o líder do maior partido da coalizão. Na verdade, esse tem sido sempre o caso desde 1973. O primeiro-ministro é um primus inter pares, ou seja, ele não tem poderes explícitos além dos dos outros ministros. Atualmente, o primeiro-ministro é Mark Rutte.

Embora historicamente a política externa neerlandesa tenha sido caracterizada pela neutralidade, desde a Segunda Guerra Mundial, os Países Baixos tornaram-se membros de um grande número de organizações internacionais, sendo as principais a OTAN, a ONU e a UE.

Os Países Baixos têm uma longa tradição de tolerância social. No século XVIII, mesmo com a Igreja Reformada Holandesa sendo a religião oficial do estado, o catolicismo e o judaísmo eram tolerados. No final do século XIX, essa tradição neerlandesa de tolerância religiosa foi transformada em um sistema de pilarização, em que os grupos religiosos coexistiam separadamente e apenas interagiam a nível de governo. Essa tradição de tolerância está ligada a políticas sobre drogas recreacionais, prostituição, direitos LGBT, eutanásia e aborto, que estão entre as mais liberais do mundo.

Divisões administrativas[editar | editar código-fonte]

Os Países Baixos estão divididos em 12 regiões administrativas, também chamadas províncias; cada uma tem à sua frente um governador, que é chamado "Comissário do Rei" ou "Comissário da Rainha". Todas as províncias, por sua vez, subdividem-se em municípios (gemeenten), que são 403.

Os Países Baixos possuem três territórios autônomos no Caribe. São as ilhas de Aruba, St. Maarten e Curaçao. Possuem também três municípios (ilhas) com status especial também no Caribe: Bonaire, Saba e Santo Eustáquio. Essas ilhas pertenciam às antigas Antilhas Neerlandesas dissolvidas em 2010.[46] Os três territórios são independentes no que se refere a assuntos internos, mas submetidos ao controle central exercido pelo Reino dos Países Baixos em questões de defesa e assistência mútua.

Províncias dos Países Baixos

Bandeira Província Capital Maior cidade Área[47]
(km²)
População[48]
1/1/2010
Densidade
(por km²)
North Brabant-Flag.svg Brabante do Norte 's-Hertogenbosch Eindhoven 4.916 2.444.158 497
Flag Drenthe.svg Drenthe Assen Assen 2.641 490.981 186
Flevolandflag.svg Flevolândia Lelystad Almere 1.417 387.881 274
Frisian flag.svg Frísia Leeuwarden Leeuwarden 3.341 646.305 193
Gelderland-Flag.svg Guéldria Arnhem Nijmegen 4.971 1.998.936 402
Flag Groningen.svg Groninga Groninga Groninga 2.333 576.668 247
Flag North-Holland, Netherlands.svg Holanda do Norte Haarlem Amsterdã 2.671 2.669.084 999
Flag Zuid-Holland.svg Holanda do Sul Haia Roterdã 2.814 3.505.611 1.246
NL-LimburgVlag.svg Limburgo Maastricht Maastricht 2.150 1.122.701 522
Flag of Overijssel.svg Overissel Zwolle Enschede 3,325 1.130.345 340
Utrecht (province)-Flag.svg Utrecht Utrecht Utrecht 1.385 1.220.910 882
Flag of Zeeland.svg Zelândia Middelburg Middelburg 1.787 381.409 213
Total 33.751 16.574.989 491
Vista do porto de Willemstad, em Curaçao, no Caribe.

Municípios especiais dos Países Baixos

Bandeira Nome Capital Maior cidade Área[49]
(km²)
População[50]
31/12/2010
Densidade
(por km²)
Bonaire Bonaire Kralendijk Kralendijk 294 15.666 53
Flag of Sint Eustatius.svg Santo Eustáquio Oranjestad Oranjestad 21 3.543 169
Saba Saba The Bottom The Bottom 13 1.824 140
Total 328 21.133 64

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro Zuidas em Amsterdã.

Os Países Baixos têm uma economia muito forte e têm desempenhado um papel especial na economia europeia durante muitos séculos. Desde o século XVI, o transporte, a pesca, o comércio e os bancos têm sido importantes setores da economia neerlandesa. O país é umas das dez maiores nações exportadoras. Gêneros alimentícios formam o maior setor da indústria do país. Outras grandes indústrias incluem produtos químicos, metalurgia, máquinas, elétrica, de mercadorias e turismo. Exemplos incluem (Unilever, Heineken), serviços financeiros (ING), produtos químicos (DSM), refino de petróleo (Shell) e máquinas elétricas (Philips, ASML).

Os Países Baixos têm a 16.ª maior economia do mundo e o sétimo maior PIB (nominal) per capita. Entre 1998 e 2000, obteve um crescimento econômico anual do PIB de, em média, quatro por cento, bem acima da média europeia. O crescimento diminuiu consideravelmente entre 2001-2005, com o abrandamento econômico mundial, mas acelerou para 4,1% no terceiro trimestre de 2007. A inflação é de 1,3% e o desemprego está em quatro por cento da força de trabalho. Pelos padrões do Eurostat, o desemprego nos Países Baixos é de 4,1% (abril 2010), a mais baixa taxa de todos os estados membros da União Europeia.[51] Os Países Baixos também têm um coeficiente de Gini (que mede a desigualdade social) relativamente baixo: 0,326. Apesar de estar sétimo lugar em PIB per capita, a UNICEF classificou o país no primeiro lugar em bem-estar infantil.[52] No Índice de Liberdade Econômica, os Países Baixos são a 13.ª economia capitalista de livre mercado entre os 157 países pesquisados.

Porto de Roterdã, o mais movimentado do mundo entre 1962 e 1983.
Os Países Baixos adotaram o euro em 1999. É um dos dezessete países que compõem a Zona Euro.

Amsterdã é a capital financeira e empresarial dos Países Baixos.[53] A Bolsa de Amsterdã (AEX), parte da Euronext, é a mais antiga bolsa de valores do mundo e é uma das maiores da Europa. Está situada perto da praça Dam, no centro da cidade. Como membro fundador do euro, os Países Baixos substituíram (para fins contabilísticos) a sua antiga moeda, o "Gulden" (florim), em 1 de janeiro de 1999, juntamente com os quinze outros países que adotaram o euro.

A localização dos Países Baixos facilita o acesso aos grandes mercados do Reino Unido e da Alemanha, sendo o porto de Roterdã o maior porto da Europa. Outras partes importantes da economia são: comércio internacional (o colonialismo neerlandês começou com uma cooperativa empresas privadas, como a Companhia Holandesa das Índias Orientais), bancos e transportes. Amsterdã é o quinto destino turístico mais movimentado da Europa, com mais de 4,2 milhões de visitantes internacionais.[54]

O país continua a ser uma das nações europeias líderes em atração de investimento direto estrangeiro e é um dos cinco maiores investidores nos Estados Unidos. A economia neerlandesa experimentou uma desaceleração em 2005, mas em 2006 recuperou para o mais rápido ritmo de crescimento em seis anos, graças ao aumento das exportações e ao forte investimento. O ritmo de crescimento do emprego atingiu o ponto mais alto em 10 anos em 2007. O país foi passou da 11ª posição no Índice de Competitividade Global para a 9.ª posição em 2007.[55]

Um dos maiores campos de gás natural do mundo está situado perto de Slochteren. A exploração desta área resultou em uma receita total de 159 bilhões de euros desde meados dos anos 1970. Com pouco mais de metade das reservas esgotadas e com o aumento contínuo dos preços do petróleo, as receitas mais próximas décadas devem ser menores.[56]

Um setor agrícola altamente mecanizado emprega 4% da força de trabalho do país, mas fornece grandes excedentes para a indústria de processamento de alimentos e para a exportação. Os Países Baixos são o terceiro país em valor de suas exportações agrícolas, atrás dos Estados Unidos e da França, sendo que as exportações lucram cerca de 55 bilhões de dólares anualmente. Uma parcela significativa das exportações agrícolas neerlandesas são derivadas de plantas, flores e bulbos recém-colhidos, sendo que o país responde por dois terços do total de exportações desses produtos no mundo. O país também exporta um quarto de todas as exportações mundiais de tomate. A Holanda também exporta um quinze avos de maçãs do mundo.[57]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Os Países Baixos em uma única imagem: o tráfego denso, geografia plana, um grande pôlder (Grote Polder), um canal, moinhos de vento (velhos e novos) e flores.

Os Países Baixos têm tido muitos pintores renomados ao longo dos séculos. Durante o século XVII, quando a república neerlandesa era bem próspera, houve o surgimento de grandes artistas e aquela época ficou conhecida como a era dos mestres neerlandeses, entre eles: Rembrandt van Rijn, Johannes Vermeer, Jan Steen e Jacob van Ruysdael. Grandes pintores dos séculos XIX e XX foram Vincent van Gogh e Piet Mondriaan. M.C. Escher é um artista gráfico também muito conhecido por suas obras. Willem de Kooning nasceu e se aperfeiçoou em Roterdão, embora tenha conquistado sua fama sendo conhecido como um artista estadunidense. Um outro mestre dos Países Baixos é Han van Meegeren.

Na filosofia, o país deu ao Renascimento Erasmo de Roterdão; mais tarde, a tolerância religiosa permitiu que os talentos de Baruch de Espinoza e René Descartes florescessem.

Tamancos neerlandeses de madeira: um dos símbolos do país

Na Idade de Ouro do século XVII, a literatura neerlandesa também floresceu, com Joost van den Vondel e P. C. Hooft como os nomes mais famosos. No século XIX, Multatuli descreveu o mau tratamento dos nativos na Indonésia uma das colônias neerlandesas. Autores importantes do último século incluem Harry Mulisch, Jan Wolkers, Simon Vestdijk, Cees Nooteboom, Gerard van het Reve e Willem Frederik Hermans. O Diário de Anne Frank também foi escrito nos Países Baixos.

Réplicas de prédios neerlandeses encontram-se na Vila Holandesa, em Nagasaki, Japão. Uma Vila Holandesa similar está sendo construída em Shenyang, na República Popular da China.

Os moinhos de vento, as tulipas, os tamancos de madeira, o queijo (especialmente Edam e Gouda) e a cerâmica de Delft estão entre os principais itens relacionados à cultura dos Países Baixos.

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Data Nome em português Nome local Observações
1 de janeiro Dia de Ano-Novo Nieuwjaar  
março/abril Páscoa Pasen Nos Países Baixos, celebram-se a sexta-feira e segunda-feira de Páscoa.
27 de abril Dia do Rei Koningsdag Celebra o dia de aniversário do rei[58] , sendo antecipado para o dia anterior se coincidir com um domingo (em 2014 o feriado será a 26 de abril). Instaurado originalmente em 31 de agosto de 1885 como o Dia da Princesa ("Prinsessedag") Guilhermina foi posteriormente alterado para Dia da Rainha (Koninginnedag). De 1948 até 2013 era celebrado a 30 de abril, data do aniversário da rainha, e depois rainha-mãe, Juliana, tendo sido mantido pela rainha Beatriz (1980-2013).
4 de maio Lembrança dos mortos Dodenherdenking Este dia é dedicado à memória dos que morreram durante a Segunda Guerra Mundial.
O significado deste feriado tem se expandido, já que também se rememoram as pessoas mortas em missões das Nações Unidas.
5 de maio Dia da Libertação Bevrijdingsdag Celebração da capitulação alemã na Segunda Guerra Mundial. Feriado nacional só cada cinco anos. Feriado local em Wageningen, cidade onde foi assinada a capitulação.
Quarenta dias após a Páscoa Dia da Ascensão Hemelvaartsdag  
Sete semanas após a Páscoa Pentecostes Pinksteren Os neerlandeses celebram dois dias de Pentecostes.
5 de dezembro Noite de São Nicolau Sinterklaas As pessoas trocam presentes nesse dia
25 de dezembro,
26 de dezembro
Natal Kerstmis Os neerlandeses celebram dois dias de Natal:
o primeiro (Eerste Kerstdag) e o segundo (Tweede Kerstdag). Diferente de muitos povos ocidentais, nesses dias não se trocam presentes (apenas no dia de Sinterklaas), focando mais no verdadeiro sentido natalino.

Ver também[editar | editar código-fonte]

32em

  1. "H", Dicionário de Gentílicos e Topónimos, Portal da Língua Portuguesa, http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?action=gentilicos&act=list&letter=h .
  2. "Rainha da Holanda abdica do trono em favor do filho", Bom dia Brasil (Globo), http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/videos/t/edicoes/v/rainha-da-holanda-abdica-do-trono-em-favor-do-filho/2373268/ .
  3. Population and population dynamics; month, quarter and year (em inglês). Statistics Netherlands (28 de maio de 2014). Página visitada em 18 de junho de 2014.
  4. a b c d Netherlands. Fundo Monetário Internacional (FMI). Página visitada em 6 de maio de 2011.
  5. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Página visitada em 24 de julho de 2014.
  6. The Netherlands: The land » Relief. Encyclopædia Britannica. Página visitada em 2008-08-25.
  7. Rosenberg, Matt. Polders and Dykes of the Netherlands. About.com: Geography. Página visitada em 2008-08-23.
  8. Netherlands, Índice de Liberdade Econômica
  9. van Krieken, Peter J.; David McKay. The Hague: Legal Capital of the World. [S.l.]: Cambridge University Press, 2005. ISBN 9067041858, specifically, "In the 1990s, during his term as United Nations Secretary-General, Boutros Boutros-Ghali started calling The Hague the world's legal capital"
  10. Historia de los Países Bajos, holandalatina.com, consultado a 24 de novembro de 2009
  11. Wrecks & shipfinds of Western & inland Europe, ABC
  12. L. P. Louwe Kooijmans - Trijntje van de Betuweroute, Jachtkampen uit de Steentijd te Hardinxveld-Giessendam, 1998, Spiegel Historiael 33, blz. 423-428,[1]
  13. [2] L. P. Louwe Kooijmans - Trijntje van de Betuweroute, Jachtkampen uit de Steentijd te Hardinxveld-Giessendam, 1998, Spiegel Historiael 33, p.428
  14. Prehistoric agricultural field found in Swifterbant, 4300-4000 BC
  15. Dólmenes en Holanda, un curioso fenómeno, sobreholanda.com, consultado a 26 de novembro de 2009
  16. Encyclopedia of Indo-European Culture, editada por J. P. Mallory e Douglas Q. Adams, publicada en 1997 por Fitzroy Dearborn, p.93
  17. Images about the Late Dutch Bronze Age, versatel.nl, consultado a 26 de novembro de 2009
  18. Dutch pre-Roman Iron Age, versatel.nl, consultado a 26 de novembro de 2009
  19. a b Abbenhuis, Maartje M. A Arte de Ficar Neutro. Amsterdam: Amsterdam UP, 2006.
  20. 93 trains. kampwesterbork.nl
  21. Klempner, Mark. The Heart Has Reasons: Holocaust Rescuers and Their Stories of Courage. Cleveland: The Pilgrim Press, 2006, pp. 15–17 ISBN 0-8298-1699-2.
  22. Klempner, Mark. The Heart Has Reasons: Holocaust Rescuers and Their Stories of Courage. Cleveland: The Pilgrim Press, 2006, p. 5 ISBN 0-8298-1699-2.
  23. "Same-sex marriage around the world", CBC News, 26 de maio de 2009. Página visitada em 6 de outubro de 2009.
  24. Netherlands Antilles to cease to exist as a country. Nrc.nl (1 de janeiro de 2009). Página visitada em 10-10-2010.
  25. Welschen, Ad (2000–5) (em en), Dutch Society and Culture, Universiteit van Amsterdam: International School for Humanities and Social Studies ISHSS .
  26. "Zuiderzee floods (Netherlands history)" (em en), Britannica (online ed.), http://www.britannica.com/EBchecked/topic/1485002/Zuiderzee-floods .
  27. (em en) Seven Wonders, Asce, 2010-07-19, http://www.asce.org/Content.aspx?id=2147487305, visitado em 21 ago 2012 .
  28. Duplessis, Robert S (1997) (em en), Transitions to Capitalism in Early Modern Europe .
  29. Kerngegevens gemeente Wieringermeer (em nl). SDU. Página visitada em 21 January 2008. Cópia arquivada em 6 January 2008.
  30. Kerngegevens procincie Flevoland (em nl). SDU. Página visitada em 21 January 2008. Cópia arquivada em 26 December 2007.
  31. Nickerson, Colin. "Netherlands relinquishes some of itself to the waters", Boston Globe, 5 December 2005. Página visitada em 10 October 2007. (em en)
  32. Olsthoorn, A.A.; Richard S.J. Tol. (February 2001). "Floods, flood management and climate change in The Netherlands". Institute for Environmental Studies. Institute for Environmental Studies, Vrije Universiteit.
  33. Tol, Richard S. J.; Nicolien van der Grijp, Alexander A. Olsthoorn, Peter E. van der Werff. (2003). "Adapting to Climate: A Case Study on Riverine Flood Risks in the Netherlands". Risk Analysis 23 (3): 575–583. DOI:10.1111/1539-6924.00338. PMID 12836850.
  34. (em inglês) CBS – Population counter – Extra, Statistics Netherlands, http://www.cbs.nl/en-GB/menu/themas/bevolking/cijfers/extra/bevolkingsteller.htm .
  35. (em inglês) CBS Statline – Population; history, Statistics Netherlands, http://statline.cbs.nl/StatWeb/publication/?DM=SLEN&PA=37556ENG&D1=0-44,53-60&D2=1,11,21,31,41,51,61,71,81,91,101&LA=EN&VW=T, visitado em 8 March 2009 .
  36. Demografie van de allochtonen in Nederland (PDF) (em nl). Centraal Bureau voor de Statistiek (2005). Página visitada em 2 July 2011.
  37. Reported health and lifestyle (em en). Centraal Bureau voor de Statistiek. Página visitada em 12 August 2012.
  38. Census 2006 ACS Ancestry estimates (em en). American FactFinder. United States Census Bureau. Página visitada em 29 April 2010.
  39. South Africa – Afrikaans Speakers. Library of Congress.
  40. (em en) (PDF) A Hidden Language – Dutch in Indonesia, University of California, Berkeley: Institute of European Studies, http://repositories.cdlib.org/cgi/viewcontent.cgi?article=1077&context=ies .
  41. (em en) (PDF) Dutch colonialism, migration and cultural heritage, Royal Netherlands Institute of Southeast Asia and Caribbean Studies, http://www.kitlv.nl/pdf_documents/asia-migrations.pdf .
  42. Vasileva, Katya (2011), "6.5% of the EU population are foreigners and 9.4% are born abroad" (em en) (PDF), Eurostat, Statistics in focus (União Europeia) 34, http://epp.eurostat.ec.europa.eu/cache/ITY_OFFPUB/KS-SF-11-034/EN/KS-SF-11-034-EN.PDF .
  43. GeoNames - Maiore cidades dos Países Baixos. Acessado em 12 de novembro de 2012.
  44. Becker, Jos; de Hart, Joep (em neerlandês), Sociaal en Cultureel Planbureau, Godsdienstige veranderingen in Nederland .
  45. (PDF) Eurobarômetro nos Valores Sociais, Científicos e Tecnológicos de 2005, EU, http://ec.europa.eu/public_opinion/archives/ebs/ebs_225_report_en.pdf .
  46. Reuters. Antilhas Holandesas são dissolvidas; dois novos países criados. Yahoo! Notícias. Página visitada em 11/10/2010.
  47. Regionale Kerncijfers Nederland (em nl). Statistics Netherlands (2007). Página visitada em 13 October 2007.
  48. Bevolking; geslacht, leeftijd, burgerlijke staat en regio, 1 januari (em nl). Statistics Netherlands (2010). Página visitada em 11 October 2010.
  49. Statistical Info: Area and Climate (em en). Central Bureau of Statistics (2010). Página visitada em 201-12-13.
  50. Bevolkingsontwikkeling Caribisch Nederland; geboorte, sterfte, migratie (em nl). Central Bureau of Statistics (2012). Página visitada em 13 December 2012.
  51. Eurostat unemployment rates November 2007 (PDF) (em en). União Europeia. Página visitada em 2008-01-07.
  52. Child Poverty Report Study (PDF) (em en). UNICEF.
  53. Amsterdam – Economische Zaken (em nl). Página visitada em 22 May 2008. Cópia arquivada em 5 December 2008.
  54. (em nl) Amsterdam en de wereld: Toerisme en congreswezen, NL: amsterdam, arquivado do original em 2009 Feb 15, http://web.archive.org/web/20090215160103/http://www.ez.amsterdam.nl/page.php?page=9&menu=27 .
  55. Economic development (em en). Holland trade (18 June 2008). Página visitada em 27 January 2010.[ligação inativa]
  56. "Aardgas als smeerolie". Andere Tijden. VPRO. 15 de janeiro de 2006.
  57. Netherlands: Agricultural situation (em en). USDA Foreign Agriculture Service. Página visitada em 20 de junho de 2007.
  58. The Royal Family (em inglês). Government Information Service (RVD). Página visitada em 1 de maio de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias