Países bolivarianos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Países Bolivarianos)
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa destacando os Países Bolivarianos.

Os países bolivarianos são seis países latino-americanos que conquistaram sua independência após as façanhas revolucionárias e militares que promoveram a independência, concebida e executada por Simón Bolívar, "El Libertador". Essas repúblicas são os atuais territórios da Bolívia, Colômbia, Equador, Panamá, Peru e Venezuela, cobrindo uma área total de aproximadamente 4.769.486 km² e uma população de cerca de 110.502.000 pessoas.

Os vínculos entre estas nações foram estabelecidos por meio de alianças econômicas e tratados internacionais como a Comunidade Andina, que desde 1939 reuniu esses países com exceção do Panamá e da Venezuela que já não mais pertence ao bloco.[1] De igual forma existem organizações culturais e desportivas tais como a Organização Desportiva Bolivariana, que desde 1938 organiza a cada cuatro anos os Jogos Bolivarianos.[2]

Nos primeiros anos do século XXI, o conceito de "países bolivarianos" reaparece como uma tentativa de reinterpretar a idéia original de unidade política, territorial e econômica gerada por Simón Bolívar, com o surgimento de grandes blocos econômicos e a necessidade de melhor competir neste cenário econômico global, o precedente do uso de elementos histórico comuns foi a iniciativa de várias organizações políticas, económicas e desportivas do tipo sub-regional, que basearam o seu discurso sobre o chamado "pensamento bolivariano". Nos últimos anos, o polêmico presidente da Venezuela, Hugo Rafael Chávez Frías tem repetidamente invocado a necessária reunião territorial sul-americana sob a visão bolivariana, sendo apoiado na Bolívia e no Equador, mas não em outras repúblicas que, embora compartilhem do ideário bolivariano, discordam da ótica do presidente venezuelano em que o socialismo revolucionário é essencial para a unidade.

O termo "países bolivarianos" também possui um eco econômico e mesmo geopolítica, por exemplo, o governo estadunidense trata esses países andinos como uma entidade de caráter andino (incluindo o Chile, que é uma nação andina não-bolivariana), a multinacional suíça de alimentos Nestlé também inclui os antigos países da Grã-Colômbia: Colômbia, Equador e Venezuela na região "bolivariana"[3] e até para a organização supranacional Comunidade Andina de Nações inclui a maioria dos países bolivarianos.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]