Pac-Man (Atari 2600)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Hyju (D C) há 12 dias atrás. (Recarregar)

Pac-Man
Desenvolvedora Atari[1]
Publicadora(s) Atari[1]
Designer Tod Frye[1]
Plataforma(s) Atari 2600
Data(s) de lançamento Março de 1982[2] [3]
Gênero(s) Labirinto
Modos de jogo Um jogador
Dois jogadores alternados
Mídia Cartucho[1]
Controles Atari Joystick[1]

Pac-Man é um jogo eletrônico desenvolvido e publicado pela Atari[1] em Março de 1982, para a plataforma Atari Video Computer System (posteriormente reconhecido como Atari 2600)[1] , baseado no famoso fliperama homônimo da Namco. O sucesso do fliperama Pac-Man rendeu muitas versões ainda para o Atari 2600 (como "Ms. Pac-Man", e "Jr. Pac-Man", além de outros não relacionados mas que seguiam o mesmo estilo), e posteriormente para diversos outros consoles e para o computador. Assim como no fliperama, na versão de Pac-Man para o Atari 2600 você comanda a personagem titular do jogo com o joystick. O objetivo continua sendo atravessar os corredores do labirinto consumindo todos os biscoitos, sempre esquivando dos fantasmas.

O jogo foi programado por Tod Frye, a quem a Atari deu um prazo limitado de tempo para a conclusão do jogo. As diferenças técnicas entre o console do Atari 2600 e o hardware do fliperama - particularmente a quantidade de memória disponível - acarretaram complicados desafios à Frye. Dada a popularidade da propriedade, a Atari produziu 12 milhões de cópias do jogo, estimando um elevado número de vendas.

O jogo vendeu 7 milhões de cópias, se tornando o jogo mais vendido do Atari 2600, assim como o jogo de console mais vendido da história até a época[4] . Apesar disto tudo, o jogo foi largamente criticado, incluindo principalmente as diferenças audio-visuais entre o jogo de console e o fliperama. Assim, o jogo teve devoluções em largas quantidades. Inicialmente, Pac-Man impulsionou a presença da indústria de jogos eletrônicos no mercado do varejo, mas desde então tem sido citado como um fator contribuinte para o crash dos videogames norte-americanos de 1983[5] . Posteriormente ao Pac-Man de Atari 2600, foram fabricados outros títulos da série para o Atari 2600.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Pac-Man é uma versão do fliperama original, lançado pela Namco em 1980, apresentando jogabilidade semelhante. O jogador utiliza o joystick para comandar o protagonista circular e amarelo, que inicia cada jogo no centro de um labirinto. O objetivo é comer os biscoitos espalhados pelos corredores do labirinto, movendo o Pac-Man sobre eles, evitando esbarrar com algum dos quatro fantasmas. Cada vez que Pac-Man entra em contato com um fantasma, ele morre, perde uma vida e reaparece no centro do labirinto. Quando Pac-Man perder todas as suas vidas, o jogo termina. Quatro biscoitos, localizados cada um em um canto do labirinto, são maiores do que os outros e fazem o personagem ser invulnerável por alguns segundos. Durante este tempo, Pac-Man pode comer os fantasmas para adquirir pontos adicionais, após o qual os fantasmas revivem. Também são atribuídos pontos extras quando o Pac-Man come itens especiais que ocasionalmente aparecem. Uma vez que todos os biscoitos são coletados, o nível é concluído e o jogador passa ao próximo estágio. Algumas diferenças entre o jogo original incluem um formato diferente de labirinto e os itens do jogo - tais como biscoitos, vitaminas e pílulas de energia - diferem de seus correspondentes do jogo original, em nome e aparência, mas ainda servem as mesmas funções[3] [6] .

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No final da década de 70, a Atari adquiriu os direitos necessários para fabricar versões domésticas dos jogos de arcade da Namco. Devido ao sucesso do Pac-Man nos Estados Unidos, a Atari decidiu fazer uma versão doméstica para seu Atari 2600. A companhia acreditava que o jogo seria algo fácil de ser programado, já que o sucesso do jogo baseava-se mais na jogabilidade, do que nos gráficos do mesmo. O desenvolvimento total levou 5 meses, sendo que o projeto foi iniciado no final de 1981 e terminou em Março de 1982. Até este momento, a Atari estimou que o número de jogadores ativos de videogame era algo em torno de 10 milhões de jogadores, assim, a Atari decidiu-se por produzir 12 milhões de cartuchos do jogo, já que acreditava que cada proprietário de um Atari 2600 compraria o jogo. A Atari também estimou que o jogo estimularia a venda de 2 milhões de consoles, alcançando neste processo um lucro de 500 milhões de dólares americanos.

A programação do jogo foi conduzida por Tod Frye, que completou sua tarefa em seis semanas. O jogo utilizava um cartucho de 4KB, escolhido por ser mais barato que o de 8KB, disponível na época. Após a compra dos direitos pela Atari, Frye começou a trabalhar em um protótipo. A Atari queria que o jogo fosse lançado na temporada de natal de 1981, porém o desenvolvimento foi atrasado devido as diferenças técnicas entre o hardware do fliperama original e o hardware mais humilde do console doméstico. As placas do fliperama original tinham quatro vezes mais memória de somente leitura (ROM, em inglês: read-only memory), juntamente com 2KB de memória de acesso aleatório (RAM, em inglês: random-access memory) para operações de vídeo e geral. Estas memórias eram utilizadas para guardar e mudar os diferentes sprites do jogo. Ao contrário, o Atari 2600 tinha apenas 128B de RAM (1/16 da placa do fliperama) dedicados ao funcionamento, e nada de memória dedicado ao vídeo. Além disso, o microprocessador CPU Zilog Z80 utilizado pelo fliperama original era três vezes mais rápido que o processador MOS Technology 6507 usado pelo Atari 2600.

Com uma memória tão limitada, Frye simplificou os labirintos utilizando bordas mais foscas e simplificando os desenhos dos labirintos. Os pontos, que eram redondos e brancos no jogo original, se tornaram figuras retangulares e marrons no Atari 2600. Esta mudança ocorreu para salvar recursos (memória) para o redesenhamento das paredes. Para obter o efeito dos pontos desaparecendo quando Pac-Man os come, o console redesenha o labirinto e os pontos, excluindo aqueles que já foram comidos. Os sprites de Pac-Man, tais como os pontos e o labirinto, aparecem em todos as vezes que a tela é redesenhada, enquanto os fantasmas aparecem por intervalos. Quatro fantasmas se revezam para aparecer na tela, e somente um aparece na tela por vez, o que cria um efeito de cintilação. Este efeito se aproveita da leve fosforescência dos monitores CRT e do conceito de persistência da visão, que resulta na aparição da imagem do fantasma se aproximando e cintilando, enquanto ele apenas reveza sua aparição nos quadros com outros fantasmas.

Ao ver o jogo, o diretor de marketing Frank Ballouz revelou a Ray Kassar, o presidente e CEO da Atari, que apesar de se sentir entusiasmado com o jogo, não o jogaria. No entanto, sua opinião foi ignorada. Para ajudar as vendas do jogo, a Atari anunciou que agora detinha a licença da franquia. A Atari anunciou o jogo em jornais e catálogos, descrevendo-o como "um pouco diferente do original". Além disto, tomou medidas legais contra empresas que fabricavam clones do jogo, por exemplo, a Atari processou a Philips pelo jogo Munchkin, fortemente baseado em Pac-Man, lançado em 1981 para o Magnavox Odyssey², ganhando o processo a seu favor e consequentemente proibindo a venda de mais destes cartuchos do jogo. Muitos varejistas aguardaram o lançamento do jogo da Atari. A J. C. Penney foi a primeira loja que emitiu anúncios na televisão nacional para ajudar a promoção do jogo.

Recepção[editar | editar código-fonte]

A expectativa pelo jogo era muito elevada. O analista do banco Goldman Sachs, Richard Simon, preveu uma venda de 9 milhões de unidades durante 1982, gerando um lucro de 200 milhões de dólares. Após seu lançamento, Pac-Man se tornou um sucesso comercial, alcançando a venda de 7 milhões de unidades e se tornando o jogo mais vendido para Atari 2600. Em menos de um mês, foram vendidos cerca de 1 milhão de unidades, ajudados em parte pela extensa campanha publicitária da Atari, que custou 1,5 milhões de dólares. No entanto, o número de vendas por mês declinou rapidamente, e no verão (nos EUA) de 1982, as prateleiras e estantes do jogo já começavam a acumular cópias não vendidas, em parte pelo número de devoluções. Muitos dos que compraram o jogo devolveram-no, o que deixou a Atari com mais de 5 milhões de cópias sem vender somadas as cópias que sofreram devoluções. Em 2004, os cartuchos do jogo se tornaram peças de colecionador - sendo as versões vendidas para a Sears ainda mais raras - e adquiriram um preço muito elevado.

Críticos avaliaram negativamente a versão para Atari 2600 em comparação a versão original, criticando o aspecto audiovisual e o modo de jogo. Em 1983, o analista Danny Goodman, da Creative Computing Video & Arcade Games comentou que o jogo falhou em tentar copiar o original. Ao contrário, afirmou que esta crítica era injusta porque o hardware do console não podia simular com perfeição softwares feitos para um hardware mais potente, como o do arcade. Goodman também afirmou que o jogo por si só já é desafiante, e que teria sido realmente um sucesso caso os fãs não esperassem uma versão tão fiel ao arcade. Em 1998, a Next Generation Magazine qualificou o jogo como "a pior conversão de um jogo de todos os tempos". Em 2006, Craig Harris, da IGN realizou declarações semelhantes e listou o jogo como uma das piores conversões de um jogo, citando sua má qualidade visual e suas diferenças com o original. Outro editor da IGN, Levi Buchanan, descreveu-o como uma "conversão desastrosa", citando a palheta de cores utilizada e o efeito de cintilação dos fantasmas. Skyler Miller, da Allgame, afirmou que apesar de ser uma péssima conversão, era encantador, apesar das diferenças e falhas.

Impacto e legado[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g AtariAge - Atari 2600 - Pac-Man (em inglês). Visitado em 8 de Fevereiro de 2013.
  2. Staff. (1982-04-05). "Pac-Man Fever". Time. Time Inc..
  3. a b Goodman, Danny. (Spring 1983). "Pac-Mania". Creative Computing Video & Arcade Games 1 (1).
  4. (May 1982) "The A-Maze-ing World of Gobble Games". Electronic Games 1 (3): 62–63 [63].
  5. "Only Four More Days Until Atari National Pac-Man Day", March 30, 1982. Página visitada em 2009-07-23.
  6. Miller, Skyler. Pac-Man - Overview Allgame. Visitado em 2009-07-16.


Ícone de esboço Este artigo sobre jogos eletrônicos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.