PacWest Racing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

PacWest Racing foi uma equipe norte-americana de automobilismo que disputou provas da extinta CART (Champ Car) entre 1993 e 2001 (em 2002 foi vendida e passou a se chamar PWR Championship Racing). Notabilizou-se, principalmente, por trazer em seus carros os patrocínios da Hollywood e da Motorola.

Fundada por Bruce McCaw, fez sua estreia na categoria nas 500 Milhas de Indianápolis de 1993, com o teuto-americano Dominic Dobson, que terminaria a temporada em trigésimo-nono lugar, sem marcar pontos.

Em 1994, disputaria a primeira temporada completa, novamente com Dobson e Scott Sharp (que seria um dos dois pilotos campeões da IndyCar Series - então IRL - em 1996). Os primeiros pontos vieram no GP de Surfer's Paradise, e o primeiro pódio veio na etapa de Toronto, com Dobson em terceiro lugar. No ano seguinte, Dobson é dispensado pela PacWest e, para seu lugar, é contratado Maurício Gugelmin. Danny Sullivan seria, até o GP de Michigan, companheiro de equipe do brasileiro, quando ele se despediria das pistas após acidente na mesma prova, e o argentino Juan Manuel Fangio II seria contratado como novo piloto. Dobson retornaria apenas na Indy 500, mas fracassou na tentativa de se classificar e encerraria definitivamente sua carreira de piloto.

A partir de 1996 (com um intervalo de duas provas dispitadas pelo italiano Teo Fabi e oito em 1999, disputadas por Roberto Moreno), a PacWest formou sua principal dupla de pilotos, composta por Gugelmin e pelo inglês Mark Blundell, que conquistaria a primeira vitória do time de Bruce McCaw na CART no ano seguinte, no GP de Portland, quando ele e os brasileiros Gil de Ferran e Raul Boesel cruzaram a linha de chegada praticamente juntos. Gugelmin conquistaria sua única vitória na etapa de Vancouver, também em 1997. A terceira vitória veio com Blundell, nas 500 Milhas de Fontana - prova onde Gugelmin marcaria a pole-position com a marca de 240.942 mph (387.759 km), uma das maiores já vistas no automobilismo.

A parceria Gugelmin-Blundell encerraria-se em 2000, com o brasileiro em décimo-sétimo lugar (39 pontos), e o inglês em vigésimo-primeiro, com 18. Maurício, aos 38 anos, disputaria mais uma temporada, agora com Scott Dixon (atualmente na IndyCar) como seu novo companheiro de time, que conquistaria a quarta e última vitória do time, em Nazareth. Superado pelo novato neozelandês e abalado pela morte de um de seus filhos, Gugelmin anunciaria sua aposentadoria ao final da temporada. Em 2002, Dixon permaneceria por mais quatro provas, ao lado do espanhol Oriol Servià, até ser contratado pela Chip Ganassi Racing. Com a saída dos dois pilotos, a equipe (rebatizada de "PWR Championship Racing") encerraria suas atividades.

Pilotos[editar | editar código-fonte]