Pacto Áureo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O chamado Pacto Áureo foi um acordo celebrado entre a Federação Espírita Brasileira (FEB) e representantes de várias Federações e Uniões de âmbito estadual, visando unificar o movimento espírita a nível nacional. Foi assinado na sede FEB, na cidade do Rio de Janeiro, a 5 de outubro de 1949. A expressão é atribuída a Artur Lins de Vasconcelos Lopes, um de seus signatários à época.

Como conseqüência, em 1 de janeiro do ano seguinte (1950), foi instituído o Conselho Federativo Nacional da FEB (CFN), com a posse dos seus onze membros pelo presidente da FEB. Em 8 de março desse mesmo ano, o CFN lançou a Proclamação aos Espíritas[1] . Desde então, o CFN exerce a função de dirimir dúvidas, orientando o movimento Espírita e recomendando normas e diretrizes para os Centros Espíritas.

A assinatura do Pacto Áureo foi a base para um entendimento entre as instituições espíritas no país, possibilitando uma nova fase de difusão da Doutrina Espírita, viabilizando a convivência entre as mesmas sem prejuízo da liberdade de pensamento e da ação individuais.

Por outro lado, os seus críticos, à época questionaram o modo pelo qual ele foi apresentado e aprovado - em reunião de dirigentes, "ad referendum" das entidades federativas, sem que tivesse havido uma maior discussão e aprovação pelas bases -, na ocasião em que um Congresso Panamericano reunia as lideranças do movimento espírita na então Capital Federal. Os críticos consideravam que o Pacto Áureo se desviava das propostas originais da doutrina e posteriormente criaram uma dissidência.

Notas

  1. Reformador, 1950, p. 73.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o espiritismo ou sobre um espírita é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.