Paimon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Março de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Paymon descrito por Collin de Plancy, do Dictionnaire infernal, na edição de 1863.
Selo de Paimon

Na demonologia, Paimon é um dos Reis do inferno, muito obediente a Lúcifer.[1] Ele tem duzentos (cem para outros autores) legiões de demônios sob a sua regra. Ele tem uma grande voz e ruge assim que ele chega, fala-se deste modo por um tempo, até que o mágico o obriga e então, ele responde claramente as questões que a ele é solicitado. Quando o mágico invoca esse demônio, ele tem de olhar para o noroeste [1] (a oeste para outros autores), pois é onde ele tem a sua casa e, quando Paimon aparece, ele deve ser autorizado a pedir o que ele deseja e ser atendido, a fim de obter o mesmo dele.

Paimon ensina todas as artes, ciências, e coisas secretas;[1] ele pode revelar todos os mistérios da terra, do vento e da água, o que a mente é, e tudo o que o mágico quer saber,[carece de fontes?] dá bons familiares e dignidade e confirma os mesmos.[1] Os homens ligam-se a vontade do mágico.[1]

Se Paimon for citado só, alguma oferta ou sacrifício deve ser feito, e ele irá aceitá-lo; então dois reis chamados Beball (Bebal ou Labal) e Abalam (Abalim) irão ter com ele, juntamente com outros espíritos, muitas vezes, vinte e cinco legiões, mas esses outros espíritos nem sempre vêm, a menos que o mágico faça apelo sobre eles.

Paimon é retratado como um homem com um rosto afeminado (um homem forte com um rosto feminino, de acordo com outros autores),[carece de fontes?] vestindo uma preciosa coroa, montado num dromedário e precedido por músicos.[1] Antes de ele ser freqüentemente um anfitrião dos demônios, com a forma de homem, ele tocava trombetas, pratos, e qualquer outro tipo de instrumentos musicais.

Outras ortografias para Paimon : Paimonia, Paymon.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal do Ocultismo

Referências

  1. a b c d e f Arthur Edward Waite, The Book of Ceremonial Magic (1913), Capítulo IV, PART II: THE COMPLETE GRIMOIRE, Chapter IV: The Mysteries of Goëtic Theurgy according to the Lesser Key of Solomon the King., Demons: I. (Baal) to IX. (Paimon) [em linha]

Fontes[editar | editar código-fonte]