Arquitetura paisagista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Paisagista)
Ir para: navegação, pesquisa
Os espaços livres urbanos são um dos principais campos de trabalho da Arquitetura da Paisagem.

Arquitetura paisagista é a arte e técnica de promover o projeto, planejamento, gestão e preservação de espaços livres, urbanos ou não, de forma a processar micro e macro- paisagens.

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Visto que a abordagem do problema do design da paisagem é similar ao encarado na arquitetura, considera-se que a paisagem é um elemento a ser construído, tanto quanto os edifícios e o ambiente urbano: dessa forma, a arquitetura da paisagem (ou paisagismo) não é mais encarada como uma simples extensão da arquitetura. E sim um campo de estudos próprio. Que em diversos países do mundo possuem uma graduação específica na formação deste profissional.

Originalmente relacionado apenas ao desenho de jardins e praças, considerando apenas os aspectos estéticos e cênicos do projeto de um lugar, o paisagismo ao longo do tempo foi abarcando escalas e propostas maiores, chegando a se confundir com o desenho urbano e incorporando as variáveis sócio-econômicas relativas aos problemas em questão.

Enquanto profissão, a arquitetura paisagista abrange um conjunto de disciplinas relacionadas ao projeto arquitetônico, ao planejamento regional e urbano, à preservação do meio ambiente natural e construído e do patrimônio histórico, ao planejamento de sistemas de lazer e recreação e sinteticamente ao planejamento espacial.

A arquitetura da paisagem é, uma arte assim como a própria arquitetura, um campo multidisciplinar, envolvendo a matemática, as ciências naturais e sociais, a engenharia, as artes, a tecnologia, a política, etc. Apesar de ser normalmente associado à jardinagem pelo público leigo, a arquitectura paisagista envolve todos os possíveis elementos constituintes da paisagem ecologica, sejam eles naturais ou não.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil a Arquitetura da Paisagem ainda é encarada por muitos como uma extensão da arquitetura e urbanismo, uma disciplina de forma mais ampla. Que frisa apenas a leitura superficial do desenho arquitetônico da paisagem. O estudo da paisagem vem se tornando cada vez mais importante em diversas áreas como a própria arquitetura, a geografia, a sociologia, por uma análise comportamental do homem. Também vem sendo discutido de forma mais enfática na Agronomia, Engenharia Florestal, Biologia, por um reconhecimento maior da importância das massas verdes em meio urbano e a promoção de medidas Sustentáveis.

Apesar de há décadas existirem associações de Arquitetos Paisagistas no Brasil, só existe uma graduação específica em Paisagismo. O curso da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) de Bacharel em Paisagismo, criado em 1972 e reconhecido em 1979, com duração de quatro anos em período integral. Por determinação do Ministério da Educação tal profissional deverá fazer parte do Sistema CONFEA/CREA.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal a profissão é regulamentada. Existem cinco escolas de Arquitetura da Paisagem devidamente reconhecidas, são elas: Instituto Superior de Agronomia (em Lisboa), Universidade de Évora, Universidade do Algarve, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, e Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. A Lei nº 31/2009 de 3 de Julho, reconhece e estabelece a qualificação profissional exigível aos técnicos responsáveis pela elaboração e subscrição de projetos, pela fiscalização, e direção de obras (revogando o DL nº 73/1973 de 28 de Fevereiro).

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, a profissão de Arquiteto Paisagista é regulada pelos estados, apenas um, Vermont, ainda esta em processo de regulamentação. Uma pessoa que quer ser arquiteto paisagista, deve buscar uma das 68 instituições reconhecidas que oferecem o curso de graduação em Arquitetura da Paisagem. Após; há geralmente um exame de admissão sobre a prática profissional, e uma entrevista com um membro sênior do conselho. As licenças são supervisionadas em nível estadual e nacional, pelo Council of Landscape Architectural Registration Boards (CLARB). A Arquitetura da Paisagem tem sido relatada como uma das profissões de maior crescimento pelo Serviço de Estatísticas do Trabalho dos EUA (o Bureau). E foi listada no News and World Report's como um dos melhores empregos para se ter, nos anos de: 2006, 2007, 2008, 2009 e 2010. A associação comercial nacional para arquitetos paisagistas americanos é a Sociedade Americana de Arquitetos Paisagistas. O salário médio anual dos profissionais em arquitetura da paisagem nos EUA é de US $71.000.

Canadá[editar | editar código-fonte]

No Canadá, a arquitetura da paisagem é regulada por organizações provinciais. Sob a liderança nacional da Associação de Arquitetos Paisagistas do Canadá (Canadian Society of Landscape Architects). Em algumas províncias, incluindo Quebec, Ontário e Colúmbia Britânica, os membros da ACPA estão condicionados á uma série de exames complementares da ordem. E todos deverão ser graduados em Arquitetura da Paisagem em uma das 5 instituições canadenses ou internacionais reconhecidas pela CSLA.

Nova Zelândia[editar | editar código-fonte]

A Nova Zelândia Instituto de Arquitetos Paisagistas (Nzila), é o órgão regulamentador da profissional para Arquitetos Paisagistas no país. Na Nova Zelândia todos graduados em Arquitetura da Paisagem, nas instituições reconhecidas pela Nzila, poderão possuir o registro. Hoje, o país possui três instituições que formam profissionais na área. Em abril de 2013, a Nova Zelândia, será a anfitriã do Congresso Mundial da Federação Internacional de Arquitetos Paisagistas (IFLA), em Auckland, Nova Zelândia.


Austrália[editar | editar código-fonte]

Na Austrália, o Instituto Australiano de Arquitetos Paisagistas (AILA) é quem rege a profissão. Ele prevê o reconhecimento legal, profissional, para arquitetos paisagistas. Ao longo dos oito estados e territórios da Austrália, há uma combinação de requisitos para arquitetos paisagistas serem registrados. Nem sempre é necessário ser registrado junto a AILA, mas todos deveram estar graduados em Arquitetura da Paisagem. Qualquer regulamentação é de base estadual. O sistema AILA de reconhecimento profissional possui suas bases regionais, supervisionada pelo Escritório Nacional da AILA. A maioria das empresas e os órgãos públicos exigem do profissional o registro junto a AILA como parte do pré-requisito para contratação. Para se candidatar a AILA, o candidato geralmente precisa satisfazer uma série de pré-requisitos, incluindo: • Graduação em Arquitetura da Paisagem em uma das 9 universidade credenciada. • Um mínimo de 12 meses de orientação acadêmica (como uma iniciação científica). • Dois anos de prática comprovados junto a AILA. • Avaliação oral. • Entrevista com um membro sênior. O reconhecimento profissional inclui o compromisso de continuar o desenvolvimento profissional. Arquitetos Paisagistas, reconhecidos pela AILA, são obrigados a apresentar relatórios anuais sobre seu desenvolvimento profissional contínuo.

Reino Unido[editar | editar código-fonte]

A profissão é reconhecida, e o Landscape Institute (LI), é o orgão que credencia os profissionais formados em Arquitetura da Paisagem a atuar no mercado, e as instituições que fornecem a Graduação. Atualmente existem quinze credenciadas no Reino Unido. O Instituto conta com mais de 3000 (três mil) profissionais afiliados. O Instituto auxilia aos membros, promove a profissão, informa e orienta ao público, e a indústria, sobre os conhecimentos específicos oferecidos pelo Arquiteto Paisagista, possui diversos projetos juntos aos estudantes para direciona-los e educa-los junto ao mercado. Em 2008, a LI lançou uma campanha incentivo a profissão, intitulado "Eu quero ser um arquiteto paisagista". Para incentivar o estudo da Arquitetura da Paisagem. A campanha visa aumentar a visibilidade da arquitetura da paisagem e destacar o seu papel valioso na construção de comunidades sustentáveis, o combate a mudança climática, e vários temas importantes.


Na França[editar | editar código-fonte]

A profissão é reconhecida pelo estado da mesma forma que o arquiteto urbanista ou agrimensor através da graduação em Arquitetura da Paisagem. Quatro centros de formação possuem o curso na França, a mais antiga é a Escola Nacional de Paisagem.


República da Irlanda[editar | editar código-fonte]

O Instituto Irlandês de Paisagismo (ILI) é um órgão afiliado à Federação Europeia para Arquitetura Paisagista (ELFA) e a IFLA. O ILI foi formado em 1993 para mesclar as disciplinas de arquitetura da paisagem e horticultura. Ele continua a promover a profissão de seu credenciamento do programa de graduação em Dublin, a certificação do desenvolvimento profissional contínuo (CPD) para arquitetos paisagistas, a admissão se dá através de exames de prática profissional. O ILI é um instituto membro do Fórum Urbano, que contam com representantes do corpo profissional envolvidos nas áreas de, engenharia, topografia, arquitetura de edificações, planeamento urbano e arquitetura da paisagem. A profissão ganhou status e números, devido ao boom da construção da década passada e a criação de novo padrão de projeto no país. Ainda não há registro do título na Irlanda, mas há uma consciência crescente da profissão. Os arquitetos paisagistas Irlandeses atuam em diversas áreas, como: construções de grandes condomínios particulares, órgãos públicos de infraestrutura, transporte, secretarias de preservação ambiental, campus institucionais, centros de tratamentos de saúde, indústria, parques, instalações de jogo, rodovia, ferrovia, ciclovias, corredores verdes, complexos de varejo, residências (incluindo os planos para a reintegração das propriedades abandonada), a melhoria de pequenos vilarejos, estudo para a promoção da acessibilidade, restauração do cemitério, parques eólicos, sistemas de drenagem, ecossistemas sensíveis, zonas húmidas, zonas costeiras. Eles também são significativamente empregados na preparação, revisão de relatórios de impacto ambiental, de avaliação da paisagem, propostas de design urbano.


Itália[editar | editar código-fonte]

Na Itália a AIAPP (Associação Italiana de Arquitetura Paisagista) é o órgão regulamentador. Desde 1950, é membro de ELFA e IFLA. A AIAPP está em processo de contestação á nova lei que deu direitos aos Arquitetos (não especializados) o novo título de edificador, paisagista, urbanista, e restaurador, sem qualquer especialização nestas áreas. A existência de AIAPP tem sido totalmente ignorada; apesar de seu reconhecimento internacional. Na Itália, como no Brasil, existem vários profissões não habilitados atuando na arquitetura da paisagem.


Universidades que Possuem a Graduação[editar | editar código-fonte]

BRASIL

CANADA

PORTUGAL

EUA

Arquitetos paisagistas[editar | editar código-fonte]

Arquitetos paisagistas de Portugal[editar | editar código-fonte]

Arquitetos paisagistas do Brasil[editar | editar código-fonte]

| style="width: 33.33%; text-align: left; vertical-align: top;" |

Referências

  1. a b c d Forte de Sacavém acolhe espólio de arquitectos paisagistas pioneiros. Público.pt (2006-01-20). Página visitada em 2008-10-15.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arquitetura paisagista
  • MACEDO, Sílvio Soares; Quadro do Paisagismo no Brasil; São Paulo:Edusp, 1999
  • MANN, William A.; Landscape Architecture - An illustrated history in timelines, site plans and biography; Nova Iorque: John Willey and Sons, inc. 1993

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]