Paixão (sentimento)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Encontro Apaixonado, de Frederick Goodall

Paixão (do latim tardio passio -onis, derivado de passus, particípio passado de patī «sofrer»[1] ) é um termo aplicado a um sentimento muito forte em relação a uma pessoa, objeto ou tema. A paixão é uma emoção intensa convincente, um entusiasmo ou um desejo sobre qualquer coisa.

O termo também é aplicado com frequência para determinar um vívido interesse ou admiração por um ideal, causa ou atividade. Em suma, é um sentimento de excitação incomum ou de forte emoção. A palavra paixão é utilizada principalmente no contexto de romance ou de desejo sexual, embora, em geral, implique em uma emoção mais profunda ou mais abrangente do que sugere o termo "luxúria".

Conceito[editar | editar código-fonte]

Question book.svg
Esta seção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Março de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Diferenças entre amor e paixão[editar | editar código-fonte]

O sentimento exacerbado entre duas pessoas é um exemplo de uma paixão. A paixão pode ultrapassar barreiras sociais, diferenças de formação, idades e gêneros. A paixão completamente correspondida causa grandiosa felicidade e satisfação ao apaixonado, pelo contrário, qualquer dificuldade para atingir essa plenitude pode trazer grande tristeza pois o apaixonado só se vê feliz ao conseguir o objeto de sua paixão. A paixão é uma patologia amorosa, um superlativo fantasioso da realidade sobre o outro, tendo em vista que o indivíduo apaixonado se funde no outro, ou seja, perde a sua individualidade, que só é resgatada quando na presença do outro. Com o passar do tempo, essa intensidade de fusão vai se esvaindo, tendo em vista que a paixão é uma idealização mítica do outro. Quando o apaixonado começa a perceber que essa idealização, com o passar do tempo, foi equivocada, porquanto o outro não se comportava dentro do perfil de expectativas idealizado miticamente pelo apaixonado, é gerada uma intensa frustração, que passa a ser vivenciada com intensa irritabilidade pelo então apaixonado. Desta forma, o apaixonado vai percebendo o equívoco que cometeu, pela recorrência das frustrações no tocante às suas expectativas fantasiosas pelo outro, objeto da paixão e o processo começa então a regredir, a se inverter, com a paulatina volta e reforço da identidade do ex-apaixonado, que passa a enxergar o outro como ele realmente é, o que, via de regra pode até gerar um sentimento inverso de extrema repulsa, pelos sofrimentos suportados.

Existem pesquisas científicas nesse âmbito, que mostram que a paixão, apesar de intensa e arrebatadora, é um sentimento passageiro. Estima-se que a mesma não dure por mais de quatro anos. Adolescentes estão mais sujeitos a apaixonarem-se, devido ao pouco conhecimento de mundo entre outras coisas, o que não significa que pessoas de maior idade não estejam passíveis de tal sentimento. O que ocorre é que a pessoa adulta, por ter maior conhecimento de mundo, por ter vivenciado maiores experiências, não estará tão sujeita a perder a razão e deixar-se dominar pelo peso do sentimento.

Literatura[editar | editar código-fonte]

São variados os textos literários que abordam o tema. Dentre eles, destacam-se Os sofrimentos do jovem Werther, de Goethe, em que o protagonista Werther, ao ver perdidas todas as esperanças de obter Carlota, beija apaixonadamente as armas em que sua amada tocara e, com elas, acaba com a própria vida. O romance de 1776 provocou uma série de suicídios na Alemanha, entre jovens que, dizia-se, inspiraram-se no personagem devido ao peso do sentimento não correspondido. Outra obra em que a paixão é abordada é Romeu e Julieta, de Shakespeare, onde os dois jovens se apaixonam contra o permitido pelas suas famílias e sem possibilidade de as enfrentar. Sem conseguir desistir daquele relacionamento, o resultado é a falha da tentativa de fuga e o consequente duplo suicídio.

Biologia[editar | editar código-fonte]

Segundo recentes estudos de Donatella Marazziti (2007, Livro Natureza do Amor), a paixão se caracteriza, do ponto de vista biológico, por uma liberação contínua de alguns neurotransmissores como dopamina e noradrenalina. A amígdala cerebelosa tem um papel central neste processo, pois é desta região que emana alguns dos sentimentos mais instintivos. Esta tempestade bioquímica está relacionada com um índice mais baixo de serotonina do que em uma população normal, sendo semelhante ao nível deste neurotransmissor nos portadores de transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), o que explicaria os pensamentos obsessivos da pessoa a qual se está apaixonado. Estes níveis bioquímicos explicam por que a pessoa tende a perder a razão, enquanto em estado de apaixonamento. Este mecanismo é semelhante ao de algumas drogas, como a cocaína, sendo necessário para a perpetuação da espécie, pela atração. Além destes neurotransmissores citados, há a participação de outras substâncias, tais como oxitocina e vasopressina, que estão relacionadas com o amor e as sensações de segurança e calma derivadas deste sentimento¹.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Sílvia Lisboa - A química da Paixão - Jornal Zero Hora, encarte Vida - 20 de outubro de 2007, nº833, Porto Alegre, RS, Brasil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete paixão.