Palácio Nymphenburg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fachada do palácio.
O palácio representado em 1701.

O Palácio Nymphenburg (em alemão Schloss Nymphenburg) é um palácio barroco da Alemanha, localizado em Munique. Serviu de residência de Verão aos governantes da Baviera.

História[editar | editar código-fonte]

O Palácio Nymphenburg numa pintura de Canaletto, cerca de 1760.

O palácio foi encomendado a Agostino Barelli, em 1664, pelo casal de Príncipes Eleitores da Baviera, Fernando Maria e Henriqueta Adelaide de Saboia, depois do nascimento do seu filho Maximiliano II Emanuel. O pavilhão central viria a ser concluído em 1675.

Com início em 1701, o herdeiro dos duques soberanos da Baviera, Maximiliano II Emanuel, conduziu uma ampliação sistemática do palácio. Foram acrescentados dois pavilhões, respectivamente a sul e a norte do palácio de Barelli, por Enrico Zucalli e Giovanni Antonio Viscardi. Mais tarde, a secção sul do palácio seria uma vez mais ampliada para formar os estábulos da Corte. Para contrabalançar, foi acrescentada a orangerie a norte. Finalmente, foi erguido um grande círculo com mansões barrocas (o Schlossrondell) pelo filho de Maximiniano II Emanuel, o Sacro Imperador Romano-Germânico, Carlos VII Alberto.

Com o Tratado de Nymphenburg concluido em Julho de 1741, Carlos Alberto aliou-se à França e à Espanha contra a Áustria. Durante muito tempo, o Schloss Nymphenburg serviu de residência de Verão aos governadores da Baviera. O Rei Maximiliano I José morreu no palácio em 1825, e o seu bisneto, o Rei Luís II, nasceu ali em 1845.

Actualmente, o Schloss Nymphenburg está aberto ao público, embora continue a ser casa e chancelaria do chefe da Casa de Wittelsbach, actualmente representada por S.A.R. Franz, Duque da Baviera.

O Palácio[editar | editar código-fonte]

Afresco no tecto da Steinerner Saal.

O Schloss Nymphenburg, juntamente com o seu parque, é actualmente um dos mais famosos lugares de Munique. A Steinerner Saal (Galeria de Pedra), com afrescos no tecto pintados por Johann Baptist Zimmermann e F. Zimmermann, e decorações de François de Cuvilliés, é um sítio impressionante. Servindo de grande galaria, ocupa mais de três andares do pavilhão central do palácio.

Algumas salas ainda exibem a sua decoração barroca original, enquanto outras foram mais tarde redesenhadas em estilo rococó ou neoclássico. A antiga sala de jantar pequena, no pavilhão sul, acolhe actualmente a Galeria de Preciosidades do Rei Luís I da Baviera.

Os estábulos da Corte contêm um dos mais importantes museus de carruagens antigas. Estes coches também desempenharam um papel em eventos históricos - o Coche da Coroação de Paris, por exemplo, foi usado na coroação do Imperador Carlos VII, em 1742. Entre as atracções principais do museu encontram-se as magníficas carruagens e trenós do Rei Luís II. O primeiro andar abriga uma colecção de porcelana de Nymphenburg, cuja fábrica, localizada no complexo do palácio, foi fundada por Maximiliano III José.

O parque[editar | editar código-fonte]

Vista do Monopteros a partir da margem oposta do lago.

O parque de 200 acres (800.000 m²) sofreu várias transformações ao longo dos anos. Inicialmente era um jardim italiano criado em 1671, o qual foi alargado e reorganizado ao estilo francês por Dominique Girard, um pupilo de André Le Nôtre, e finalmente refeito à maneira inglesa, no início do século XIX, por Friedrich Ludwig von Sckell. Von Sckell preservou os elementos principais do jardim barroco, tal como o grande parterre. O parque é atravessado por um grande canal ao longo do eixo principal, o qual conduz do palácio à cascata de mármore, decorada com figuras de deuses gregos em pedra, a oeste. De ambos os lados do canal estão situados dois lagos.

Vista aérea do complexo de Nymphenburg.

O "Dörfchen" foi criado sob Maximiliano III José como Petit hameau (pequena aldeola). O "Salettl" (1799), uma cabana com o seu pequeno jardim nas proximidades da antiga menagerie, servia como atracção para os filhos de Maximiliano IV José.

No interior do parque foram construídos alguns pavilhões:

  • o Pagodenburg (1716-1719) - um pavilhão octogonal de dois andares, com decoração de azulejos de Delft tile decoration no piso inferior e Chinoiserie no superior. Foi construído por Joseph Effner;
  • o Badenburg (1719-1721) - um pavilhão barroco igualmente criado por Joseph Effner, contendo uma grande galeria de banquetes e uns enormes banhos ladrilhados. Algumas das salas foram decordas com vários papéis de parede chineses;
  • a Magdalenenklause - uma falsa ruína para retiro e meditação, erguida entre 1725 e 1728;
  • a Amalienburg - um pavilhão de caça rococó construído entre 1734 e 1739 por François de Cuvilliés para Carlos VII e a sua esposa, Maria Amália. Inclui uma galeria de espelhos e um canil para os cães de caça. O edifício, com a sua decoração, é uma obra prima do rococó europeu;
  • o Monopteros - um templo neoclássico criado por Leo von Klenze. Foi erguido entre 1862 e 1865.

Uma passagem próxima do velho arborium, na parte norte do Grande Parterre, leva ao grande Jardim Botânico de Munique.

O grande parterre do parque de Nymphenburg

Transportes públicos[editar | editar código-fonte]

É possível visitar o palácio apanhando o eléctrico número 17 em direcção a Amalienburgstraße. Esta linha passa pelo centro da cidade, incluindo a Karlsplatz e a estação de caminho-de-ferro principal. De eléctrico, demora cerca de 20 minutos a chegar do centro da cidade ao palácio.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

]
Vista panorâmica do palácio]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Palácio Nymphenburg