Palácio de Blaquerna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ruínas do Palácio de Blaquerna

O Palácio de Blaquerna (em grego: τὸ ἐν Βλαχέρναις Παλάτιον) foi uma residência imperial bizantina no subúrbio de Blaquerna, situada na parte noroeste de Constantinopla,[1] no que é atualmente o bairro de Balat. O local onde o palácio se erguia está hoje coberto de construções e, dado ter havido qualquer escavação, as únicas descrições são de fontes literárias.

O palácio foi construído na encosta norte da chamada Sétima Colina da cidade cerca de 500 d.C.. A topografia da colina foi parcialmente alterada, principalmente em períodos posteriores, tendo sido criados uma série de terraços para suportar os vários edifícios que compunham o complexo palaciano.[2] Embora entre os séculox IV e XI a principal residência imperial tenha sido o Grande Palácio, na zona leste da cidade, abaixo do que é hoje a Praça Sultanahmet, o Palácio de Blaquerna foi usado algumas vezes e é referido nos protocolos cerimoniais De Ceremoniis do século X (capítulos I.27, I.34, II.9 e II.12) do imperador Constantino VII (r. 945–959). Nesse tempo incluia várias estruturas: o pavilhão (triklinos) de Anastácio (em grego: Τρίκλινος Ὰναστασιακὸς), nomeado em honra de Anastácio I Dicoro (r. 491–518), o pavilhão do Oceano (Τρίκλινος Ὠκεανός; Okeanos) o pórtico de José ou Iosephiakos (Πόρτικας Ἰωσηφιακὸς) e o pavilhão do Danúbio (Τρίκλινος Δανουβιὸς; Danoubios). O último comunicava com a vizinha Igreja de Santa Maria de Blaquerna através de uma série de escadarias.[1] [3]

No final do século XI, o imperador Aleixo I Comneno (r. 1081–1118) transferiu a sua residência para o palácio e ele e o seu neto Manuel I Comneno (r. 1143–1180) levaram a cabo grandes obras, fortificando o recinto do palácio e erigindo novos edifícios.[3] Manuel é creditado por ter construído uma muralha exterior muito elaborada.[4] e vários edifícios esplendorosos, como o de Irene (batizado em nome da imperatriz Irene da Hungria) e o Polytimos Oikos ("Casa Valiosa"), tendo o complexo pasado a ficar conhecido como "Palácio Novo".[5] A única estrutura desse tempo que ainda perdura é a chamada Prisão de Anemas.[6]

Depois da Quarta Cruzada, os imperadores latinos preferiram instalar-se no Palácio de Bucoleão, mas quando a cidade foi reconquistada pelos paleólogos, estes restauraram o complexo de Blaquerna como a sua residência principal.[7] O Palácio dos Porfirogénitos, datado provavelmente do século XIII é geralmente relacionado com o de Blaquerna apesar de se encontrar situado a sul do complexo principal. É o único exemplo relativamente intacto da arquitetura palaciana bizantina de Istambul.[8]

Notas e referências

  1. a b van Millingen 1899, p. 128
  2. van Millingen 1899, p. 129-130
  3. a b Kazhdan 1991, p. 293
  4. van Millingen 1899, p. 122-123
  5. van Millingen 1899, p. 128-129
  6. van Millingen 1899, p. 131
  7. van Millingen 1899, p. 129
  8. Kazhdan 1991, p. 2021-2022

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Palácio de Blaquerna
  • Blachernae Palace (em inglês). Byzantium 1200. Página visitada em 7 de agosto de 2011