Palácio de Tau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Catedral de Notre-Dame de Reims, Antiga Abadia de Saint-Remi e Palácio de Tau, Reims *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Palais du Tau, Reims.jpg
Palácio de Tau
País  França
Tipo Cultural
Critérios i, ii, vi
Referência 601
Região** Europa e América do Norte
Coordenadas 49° 15′ N 04° 01′ E
Histórico de inscrição
Inscrição 1991  (15ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

O Palácio de Tau (em francês Palais du Tau) é um palácio arcebispal em Reims, na França. Relaciona-se com os reis da França, cuja coroação tinha lugar nas cercanias da Catedral de Reims. Em conjunto com a Abadia de Saint-Remi e a Catedral de Notre-Dame de Reims foram incluídos como Patrimônio Mundial da UNESCO em 1991.

Uma grande vila galo-romana ainda ocupava o local do palácio nos séculos VI e VII e mais tarde se converteu em um palácio carolíngio. O primeiro documento do palácio data do ano 1131 e é a planta do edifício, que lembra a letra «Τ» (letra Tau, do alfabeto grego). A maior parte do primeiro edifício desapareceu: a parte mais antiga onde se encontra a capela. O edifício foi amplamente reformado em estilo gótico entre 1498 e 1509, e modificado até sua atual aparência barroca entre 1671 e 1710 por Jules Hardouin-Mansart e Robert de Cotte. Foi destruído por um incêndio em 19 de setembro de 1914 e não foi mais reparado até depois da Segunda Guerra Mundial.

Fachada traseira do Palácio de Tau.

Era a residência onde permaneciam os reis em suas coroações. O rei se vestia para a coroação no palácio, antes de ir até a catedral; depois, celebrava-se um banquete no palácio. O primeiro banquete de coroação documentado no palácio foi o de 990 e o último, em 1825. Na salle de Tau («sala de Tau»), onde celebrava-se o banquete real, encontra-se uma enorme chaminé, do Século XV.

Desde 1972 o Palácio de Tau é um museu nacional chamado Musée de l'Œuvre que mostra as esculturas e tapeçarias da catedral e, em duas câmaras, o Tesouro; numerosos relicários e objetos utilizados nas consagrações dos reis da França. Entre estes relicários, podem ser citados o talismã de Carlos Magno, presente do califa de Bagdá Harun al-Rashid. Esta joia, em ouro, esmeralda, pérolas e safiras contendo um espinho da verdadeira cruz de Jesus Cristo, foi encontrada no pescoço do imperador, ao ser exumado em 1166.

Recebe por volta de 100.000 visitantes por ano.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Palácio de Tau