Palantír

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Os Palantír são artefatos mágicos do universo ficcional criado por Tolkien. Originalmente eram sete as pedras videntes de Númenor, mas algumas se perderam com o passar dos anos na Terra-Média.

Tais pedras serviam para se comunicar umas com as outras, mas usuários com grande força de vontade podiam "guiar" a visão da pedra para virtualmente qualquer parte do mundo e talvez até do tempo, permitindo vislumbrar fatos distantes no tempo ou no espaço.

Criação e Divisão[editar | editar código-fonte]

Os Palantír foram construídos por Fëanor em Valinor durante as primeiras eras de Arda. Dessas pedras, várias foram dadas aos Númenorianos durante a Segunda Era e sete delas ficaram com Elendil quando este veio para a Terra-Média. Dessas sete, três ficaram no reino do norte (Arnor) com o próprio Elendil e quatro ficaram no reino do sul (Gondor) com seus filhos, Isildur e Anárion.

As Palantíri em Arnor[editar | editar código-fonte]

Um deles ficou nas colinas das torres (a oeste do Condado), outro em Amon Sûl e o último na capital, Annúminas.

As Palantíri em Gondor[editar | editar código-fonte]

Cada um dos irmãos ficou com um palantír em suas respectivas fortalezas, Minas Ithil (posteriormente Minas Morgul) e Minas Anor (posteriormente Minas Tirith), outra ficou na grande capital Osgiliath e a outra no círculo de Isengard, na torre de Orthanc.

Destino das pedras videntes[editar | editar código-fonte]

Das pedras de Arnor, duas naufragaram em Forochel junto do último rei, Arvedui. A pedra das colinas das torres lá permaneceu até ser levada pelos Elfos quando estes partiram para Valinor. Das pedras de Gondor, a de Osgiliath afundou no Anduin, a de Minas Ithil foi capturada por Sauron, a de Minas Tirith levou Denethor a loucura e a de Isengard foi responsável pela comunicação entre Sauron e Saruman, e posteriormente foi jogada por Grima para que atingisse Gandalf. Essa pedra ficou com Aragorn que reclamou por direito seu poder sobre a pedra, e conseguiu com sua força de vontade se revelar a Sauron e antecipar o ataque do Inimigo.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a obra de J. R. R. Tolkien é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.