Palden Dorje

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Palden Dorje em meditação (Nepal, 2006).

Palden Dorje, nome budista de Ram Bahadur Bomjon, (Ratanapuri, Nepal, 9 de abril de 1990) é um jovem budista nepalense que vem recebendo milhares de visitantes e a atenção da mídia por estar meditando durante meses seguidos sem, aparentemente, consumir alimentos ou água.

Resumo biográfico[editar | editar código-fonte]

Dorje iniciou a sua meditação em 16 de maio de 2005, desapareceu de sua cidade em 11 de março de 2006, reaparecendo em outra localidade do Nepal em 26 de dezembro de 2006. Desapareceu novamente em 8 de março de 2007. Em 26 de março de 2007, foi encontrado por inspetores da polícia, meditando dentro de um fosso quadrado de sete pés de profundidade, em um outro ponto de Ratanapuri.

Em um documentário produzido pela Discovery Channel, Dorje foi filmado meditando ao lado das raízes de uma imensa árvore por cinco dias consecutivos, tempo que acredita-se que o ser humano é capaz de sobreviver sem consumo de água. Além da Discovery Channel comprovar que ele sequer se moveu durante esse período, especialistas em nutrição ficaram pasmos com o fato de que sua pele não ficou ressecada e que, mesmo estando a no máximo 15 graus Celsius (e talvez abaixo de zero durante a noite), por vezes gotas de suor escorriam pelo seu rosto.

Em 19 de Janeiro de 2006, as suas vestes pegaram fogo espontaneamente, mas nenhum vestígio de queimaduras foi encontrado no seu corpo apesar de prolongados minutos de exposição ao fogo, conforme testemunha um vídeo recolhido pelos seus fiéis em Bara.

Família, infância e monastério[editar | editar código-fonte]

Dorje nasceu de uma família simples de agricultores e foi o terceiro de cinco filhos. Sua mãe conta que durante a gravidez de Bomjon ela se tornou incapaz de comer carne sem adoecer. Seu filho igualmente nunca aceitou a carne e desde pequeno já se ausentava de casa por longos intervalos para meditar. Demonstrava grande felicidade ao ver um lama ou uma pessoa sagrada e meticulosamente imitava-os.

Ainda segundo a narrativa de sua mãe, Palden Dorje sempre levou os seus estudos a sério e raramente brincava com outras crianças, decidindo em vez disso permanecer sozinho. Recusava-se a participar de disputas e foi sempre calmo. Seu passatempo preferido era dedicado à escrituras sagradas e a meditação. Diante desse comportamento, seu pai o enviou para estudar com dois Lamas em sua aldeia. Depois que Ram Bomjon decidiu abraçar uma vida religiosa, ele foi levado para ser educado pelo Guru Som Bahadur Lama que vivia em Sudha.

Palden Dorje foi iniciado junto com um grupo de nove outros estudantes, mas recusou-se a cortar o seu cabelo antes da iniciação, rompendo uma tradição budista. Foi depois desta iniciação que recebeu o nome budista.

Conforme os costumes, os iniciados deveriam meditar durante até um mês em uma caverna. Seu professor Som Bahadur Lama ficou surpreso com a tranquilidade de Palden Dorje ao adaptar-se à situação, requerendo pouco alimento. Depois de concluir a sua educação budista durante dois anos, todos os nove iniciados foram a Lumbini, o lugar de nascimento do Senhor Buda, por turismo.

Palden Dorje foi fortemente influenciado por este lugar e aprofundou ali a sua determinação religiosa. Os outros oito iniciados retornaram, mas ele recusou voltar. Em vez disso, ele foi a Dehradun para aumentar a sua educação religiosa com os Lamas de Dehradun e depois retornou a cidade à beira do lago de Pokhara. Em seguida atravessou um período enfermo e pediu à sua família para evitar álcool e carne, afirmando que isso poderia piorar seu estado. Logo depois, sem estar totalmente recuperado, desapareceu. [1]

Contexto budista[editar | editar código-fonte]

Palden Dorje é membro da comunidade Tamang, cuja maioria pratica o Budismo Vajrayana. [2]

A história de Palden Dorje ganhou popularidade porque em alguns aspectos é parecida com a lenda de Jataka Nidanakatha, sobre a iluminação de Gautama Buda e para alguns dos seus devotos, Ram é a reencarnação de Buda. Contudo, no dia 8 de Novembro de 2005, Dorje surgiu e disse ao público: "Diga ao povo para não me chamar Buda. Não tenho a energia do Buda".

Inédia[editar | editar código-fonte]

Palden Dorje tem surpreendido a muitos pelos longos dias em meditação sem comer ou beber.

As discussões sobre inédia são irrelevantes para muitos no Oriente, pois há inúmeros relatos acerca de renunciantes com a capacidade de meditar ou viver cotidianamente sem alimento ou água. Vários desses casos são relatados por Paramahansa Yogananda, em sua Autobiografia de um Iogue, como o Swami Trailanga, Giri Bala, a freira Teresa Neumann, entre outros. [3]

O escritor americano George Saunders, conta que recebeu com ceticismo as informações que Palden Dorje chegava a ficar meses sem alimento, teria recusado medicamento ao ser mordido duas vezes por serpentes e se curou através da meditação. Então Saunders decidiu visitá-lo e o observou por uma noite. Ao retornar, publicamente externou suas impressões sobre o estado de profunda quietude e indiferença de Palden Dorje, diante do clima que pareceu insuportavelmente frio ao jornalista que trajava roupas aquecidas. [4]

Em Dezembro de 2005, um comitê do governo composto por nove membros, também acompanhou Palden Dorje cuidadosamente durante 48 horas e observou que ele prescindiu de água e alimento. Um registro em vídeo também foi feito deste exame. [5]

Em 2007, o Canal Discovery Channel produziu um documentário intitulado o "Menino com Poderes Divinos". A equipe se posicionou para filmá-lo do lado de fora de uma cerca de arame farpado, colocada por seus seguidores para protegê-lo. Nos primeiros quatro dias, a tentativa de captar a imagem de Palden Dorje resultaram em vão, pois a câmera não encontrava evidência de um corpo na base da árvore onde ele sentava-se durante a contínua gravação. Contudo, em uma segunda tentativa algumas semanas depois, a produção foi capaz de filmar Palden Dorje durante 96 horas, dia e noite, constatando que durante esse tempo ele não recebeu qualquer água ou alimento. Segundo avaliam cientistas no documentário, em pessoas normais esse comportamento resultaria em óbito, motivado por falha renal depois de poucos dias sem beber qualquer líquido. O menino entretanto, não mostrou nenhum sinal da deterioração física clássica causada pela desidratação. Uma inspeção foi realizada pela equipe da Discovery na área em volta da árvore onde o Dorje se sentava e não revelou nenhuma provisão alimentar oculta ou tubos de água. [6]

Pregação pública em 2007[editar | editar código-fonte]

No dia 2 de Agosto de 2007, Palden Dorje dirigiu-se a uma multidão na floresta Hallori no distrito Bara, Nepal do Sul. Um aviso sobre a pregação do menino foi transmitido por uma estação de rádio local, e o comitê também convidou pessoas por telefone. Aproximadamente três mil pessoas reuniram-se no local. [7] [8]

Trecho de seu discurso:

"Estou meditando no desapego deste mundo caótico do oceano da emoção, no nosso desinteresse da raiva e tentação, sem sair do caminho por um só momento, estou renunciando a minha própria ligação à minha vida e a minha casa para sempre, estou trabalhando para salvar todos os seres vivos. Mas neste mundo indisciplinado, a prática da minha vida é reduzida ao mero entretenimento.

Jamais ofereça obstáculos, raiva e descrença, no caminho da missão da minha meditação. Só lhes estou mostrando o caminho; vocês devem buscá-lo em vocês próprios. Quem serei, o que farei, os dias próximos revelarão. A salvação humana, a salvação de todos os seres vivos, e a paz no mundo é o meu objetivo e o meu caminho." “Namo Buda sangaya, Namo Buda sangaya, namo sangaya.”

Pregação Pública em 2008[editar | editar código-fonte]

Um trecho extraído do discurso de Palden Dorje, registrado em vídeo e ocorrido em novembro de 2008: [9]

"Apesar de haver tantas ideologias e religiões, eles estão falando todos sobre a mesma coisa. Os seres humanos são incapazes de ver além das suas religiões e ideologias. Alguns obstinadamente seguem as suas religiões só para descobrir que se arrependem de sua vida inteira. Embora os textos religiosos pareçam ser diferentes, eles personificam as mesmas idéias.

Hoje estamos à procura de um fim à violência e o caminho à bondade amorosa. Ainda assim, isto não é encontrado em lugar algum e hoje pessoas estão assustadas, aterrorizadas e sem paz. Elas são impelidas à agitação devido ao seu materialismo.

Se a geração em guerra pode ser modificada pelo meu caminho de meditação, então o mundo pode ser transformado. Trarei à luz os muitos textos budistas e o caminho de sabedoria pela meditação. A idéia da conexão Maitri entre o eu e o mais alto Eu, mesmo no mundo de hoje, está lentamente enraizando.

O Kali Yuga (era) causou fraqueza e falta de respeito e devoção entre seres humanos. As pessoas esqueceram a conexão entre o si-mesmo e o Eu mais alto, devido à perseguição de prazeres passageiros. Um dia todas as tais inclinações ao prazer temporário e ao materialismo desaparecerão de nossas religiões.

Para liberar todos os seres sensíveis e mostrar o mundo o caminho à paz, falarei a todos os seres humanos e os seguidores espirituais dos ensinos do Dharma sobre a sabedoria e compreensão da conexão Maitri.

Já dediquei a minha vida pelo bem de seres sensíveis indefesos. Que eles possam ser esclarecidos, iluminados, pela presença desta sabedoria que liga todos os seres sensíveis em conjunto. Este Grande Veículo, o Yampa Dharma, não é só para mim. É para a libertação de todos os seres indefesos.

Estive meditando com muita dificuldade, e me tornei professor de todo o Dharma ou o primeiro Dharma de todos, o Srawan Dharma. O primeiro dharma é o Dharma Universal (lei universal). O outro dharma (objetivo de vida) é o voto do Bodhisattva: conduzir todos os seres sensíveis indefesos à libertação. Maitreya Buda é manifesto em centenas de Jimphen Budas (aqueles que manifestam Maitri)

O mundo inteiro e a nossa filosofia vai se modificar e melhorará, no instante em que forem vistos do ponto de vista da meditação. Uma vez que a visão modifica-se, os seres sensíveis não podem ser mais infelizes ou maus. Assim o mundo inteiro pode modificar os seus caminhos. Com a orientação própria, será dado a seres sensíveis indefesos a graça para ganhar a sabedoria do caminho à liberação. Esta é a forma de conhecimento Maitri "não-ser", que liberta e dá poderes milagrosos."

As controvérsias[editar | editar código-fonte]

As controvérsias em torno Ram Bahadur Bomjon são descritos em um site criado por uma de suas vítimas, Marici da Eslováquia.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.