Panônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Panónia)
Ir para: navegação, pesquisa
Provincia Pannonia
Província Panônia
Província do(a) Império Romano

Entre 20 e 102107
 

Location of Panônia
Panônia em destaque
Capital: Salona
Período : Antiguidade Clássica
 -  Território incorporado à província de Ilírico 6-9 d.C.
 -  Separada da província de Ilírico 20-50 d.C.
 -  Repartida entre a Panônia Superior e a Inferior 102-107 d.C.

Panônia (português brasileiro) ou Panónia (português europeu) é o nome de uma antiga província do Império Romano delimitada no norte e no leste pelo Danúbio, a oeste faz fronteira com a Nórica e o norte da Itália, e para o sul, com a Dalmácia e o norte da Mésia.

Em seu território estão hoje a Hungria, a porção oriental da Áustria, o norte da Croácia, o noroeste da Sérvia, a Eslovênia, a porção ocidental da Eslováquia e o norte da Bósnia e Herzegovina.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O acadêmico Julius Pokorny deriva Panônia (Pannonia) do ilírio, da raiz proto-indo-europeia "*pen-" ("pântano, água, úmido"[1] ).

História[editar | editar código-fonte]

Período pré-romano[editar | editar código-fonte]

Os primeiros habitantes desta região cujo nome chegou aos nossos dias foram os panônios (panonii), um grupo de tribos indo-europeias aparentadas dos ilírios. A partir do século IV a.C., a região foi passou a sofrer constantes invasões de povos celtas. Pouco se sabe além disso até 35 a.C., quando seus habitantes, aliados dos dálmatas, foram atacados por Augusto, que conquistou e ocupou Siscia (Sisak). Contudo, a região não foi definitivamente subjugada até 9 a.C., quando todo o território foi incorporado à província de Ilírico, cuja fronteira se estendia até o Danúbio.

Período romano[editar | editar código-fonte]

Em 6 d.C., os panônios, juntamente com os dálmatas e outras tribos ilírias, iniciaram a chamada Grande Revolta Ilíria, mas acabaram sendo derrotados por Tibério e Germânico depois de uma dura campanha de três anos. Depois que a rebelião foi esmagada, em 9 d.C., a província de Ilírico foi abolida e seu território foi dividido entre as novas províncias da Panônia (no norte) e Dalmácia (no sul). A data da divisão é desconhecida, mas certamente ocorreu depois de 20 d.C. e antes de 50. A proximidade com perigosas tribos bárbaras ainda não subjugadas - como os quados e os marcomanos) - exigia a presença de uma grande quantidade de tropas na região (o número chegaria a sete legiões). Além disso, diversas fortalezas foram construídas às margens do Danúbio para impedir que elas cruzassem o rio.

limes sármata de Constantino, a fronteira romana no baixo Danúbio.

Em algum momento entre 102 e 107, entre a primeira e a segunda guerra dácia, Trajano dividiu a província da Panônia em Panônia Superior (porção ocidental, com capital em Carnunto) e Panônia Inferior (porção oriental, com capitais em Aquinco e Sírmio)[2] . De acordo com Ptolemeu, elas eram divididas por uma linha imaginária que ia de Arrabona, no norte, até Servício no sul; posteriormente, ela foi deslocada mais para o oriente. A região toda passou a ser chamada de Panônias (Pannoniae).

A Panônia Superior era governada por um consular (consularis), o mesmo que antes administrava a antiga província unificada, e controlava três legiões. A Panônia Inferior permaneceu a princípio sob o comando de um legado pretoriano e controlava apenas uma legião; posteriormente, Marco Aurélio elevou o posto a consular, mas não alterou a quantidade de legiões. A fronteira do Danúbio foi reforçada ainda com a fundação de duas novas colônias, Élia Múrsia e Élia Aquinco por Adriano.

Durante o reinado de Diocleciano (r. 284–305), uma grande reforma administrativa dividiu a região em quatro:

Diocleciano também separou partes da moderna Eslovênia e incorporou-as na Nórica. Constantino aumentou a província em 324, deslocando suas fronteiras para o oriente e incorporando a ela as planícies que formam hoje a porção oriental da Hungria, o norte da Sérvia e a Romênia ocidental, chegando até o limes que ele acabara de criar, o limes sármata.

Entre os séculos IV e V, uma das dioceses do Império Romano era a Diocese da Panônia, cuja capital era Sirmio e incorporava, além das quatro províncias criadas a partir da Panônia histórica, a Dalmácia, a Nórica Mediterrânea e a Nórica Ripense.

Anos finais[editar | editar código-fonte]

Depois do "Período das Migrações" e da queda do Império Romano do Ocidente em meados do século V, a Panônia foi cedida para os hunos por Teodósio II e, depois da morte de Átila, passou sucessivamente (inteira ou parcialmente) para as mãos dos ostrogodos (456-séc. VI), lombardos (530-568) e gépidas (séc. VI). O Império Bizantino controlou-a por um breve período no século VI depois das campanhas de Justiniano e província bizantina da Panônia, também com capital em Sirmio, foi criada, mas seu território incluía apenas uma pequena parte do sudeste da antiga Panônia.

A região foi novamente invadida na década de 560 pelos ávaros, eslavos, que chegaram na década de 480, mas tornaram-se importantes apenas a partir do século VII, e pelos francos, que criaram a Marca da Panônia no fim do século VIII. Termos como Baixa Panônia (ou "Inferior" ou "Menor") e Alta Panônia (ou "Superior" ou "Maior") foram utilizados no século IX para designar um principado eslavo e uma província franca respectivamente.

Além disso, entre os séculos V e X, a população romanizada da Panônia desenvolveu uma língua românica panônia, principalmente na região do lago Balaton, no oeste da Hungria moderna, onde existia a cultura keszthely. Ambas foram extintas depois da invasão magiar da Panônia.

Economia e outras características[editar | editar código-fonte]

Panônia
Fortificação romana
Fortificação romana
Termas e a villa
Termas e a villa
Anfiteatro
Anfiteatro
Ruínas em Carnunto

A região era uma grande produtora agrícola, especialmente depois que as grandes florestas foram derrubadas por Probo e Galério. Antes disso, madeira era um dos principais produtos de exportação da Panônia. Entre os produtos agrícolas cultivados na região estavam a aveia e a cevada, com a qual os panônios fermentavam um tipo de cerveja chamada sabaea. Videiras e oliveiras, comuns em outras províncias, eram raras. A Panônia era também famosa por seus cães de caça.

Os principais rios que cortavam a região era o Dravo, Savo e o Arrabo, além do Danúbio, para o qual seguem os três anteriores.

O antigo nome da Panônia persiste ainda hoje na denominação Planície Panônia.

Cidades e fortalezas auxiliares[editar | editar código-fonte]

As principais cidades da Panônia eram:

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Radomir Popović, Rano hrišćanstvo u Panoniji, Vojvođanski godišnjak, sveska I, Novi Sad, 1995.
  • Petar Milošević, Arheologija i istorija Sirmijuma, Novi Sad, 2001.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Panônia