Panônia Prima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Provincia Pannonia Prima
Província Panônia Prima
Província do(a) Império Romano

296427
Location of Panônia Prima
Diocese da Panônia, mostrando as quatro províncias panônias, ca. 400
Capital: Savaria
Governador: Praeses
Período : Antiguidade Tardia
 -  Separada da Panônia Superior 296 d.C.
 -  Anexada pelos hunos 427 d.C.
 -  Abolida oficialmente 533 d.C.

Panônia Prima ou Panônia I foi uma província romana tardia criada em 296 durante a reforma administrativa do imperador Diocleciano (r. 284-305). Ela antes era parte da província da Panônia Superior e a transição para a nova configuração completou-se no reinado de Constantino1 . De acordo com a Notitia Dignitatum, a Panônia Prima era governada por um praeses.

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Panônia Prima incluía partes da moderna Hungria, Áustria, Croácia, Eslovênia e Eslováquia. A capital era a cidade de Savaria (moderna Szombathely), uma cidade fundada durante o reinado de Cláudio e localizada numa importante encruzilhada entre a Rota do Âmbar, que ligava a Itália com a região da Hungria, e uma outra estrada que ligava Tréveris e Sírmio2 . Outras importantes cidades da região eram Vindobona (Viena) e Scarbantia (Sopron)3 . A cidade de Sírmio, na Panônia Secunda, era também a capital da Diocese da Panônia, que incluía além das quatro províncias panônias, a Dalmácia e a Nórica4 .

As outras três províncias panônias eram a Panônia Sávia (que também fora parte da Panônia Superior) e as duas subdivisões da Panônia Inferior, a Panônia Secunda e a Panônia Valéria. A Panônia Prima fazia fronteira para o oeste com os Alpes, que se estendem do Danúbio até o Adriático, na Nórica5 . Ao norte estava o Danúbio e no sul, o rio Drava. No oriente, estava separada da Valéria por uma linha norte-sul desenhada arbitrariamente e que tangenciava a ponta oriental do lacus Pelso (Lago Balaton)6 . Na outra ponta estava o forte de Valcum (moderna Fenékpuszta), perto da estrada que ligava Sírmio e Sabaria, um poderoso centro da latifundia imperial da época de Constantino. A única fronteira externa da Panônia Prima era o Danúbio, que era facilmente defensável; por isso, haviam ali poucos fortes7 .

Declínio e queda[editar | editar código-fonte]

O imperador Graciano (r. 367-383) iniciou uma política de assentamento de tribos hunas como federados na Panônia8 e, a partir de 375, o dinheiro romano deixou de circular em toda a Panônia ao norte do Drava, incluindo a Panônia Prima, o que indica que a influência romana já havia desaparecido completamente na região na época. Os federados, juntamente com os bárbaros visigodos e hunos, passaram a atacar a região e a situação na Panônia foi descrita por Claudiano como um "cerco contínuo" em 399. A Panônia Prima resistiu sob o comando de Generido, mas acabou no final sendo assimilada ao território huno em 427. Roma jamais retomaria o controle desta região, que, todavia, permaneceu como uma permaneceu como uma província romana nominalmente até a Batalha de Mons Lactarius, quando caiu o Reino Ostrogodo em 5539 .

Referências

  1. Mocsy, A: "Pannonia and Upper Moesia", pp. 272-3. Boston: Routledge and Kegan Paul Ltd., 1974
  2. Poczy, K: "Pannonian Cities", in "The Archaeology of Roman Pannonia", eds. Radan, G.T.B. and A. Lengyel, p. 243. Budapest: Akadémiai Kiadó, 1980.
  3. Mocsy, A: "Pannonia and Upper Moesia", fig. 59. Boston: Routledge and Kegan Paul Ltd., 1974
  4. Barkoczi, L: "History of Pannonia", in "The Archaeology of Roman Pannonia", eds. Radan, G.T.B. and A. Lengyel, p. 109. Budapest: Akadémiai Kiadó, 1980.
  5. Geografia, Estrabão, VII 5.3
  6. Mocsy, A: "Pannonia and Upper Moesia", fig. 59. Boston: Routledge and Kegan Paul Ltd., 1974
  7. Mocsy, A: "Pannonia and Upper Moesia", pp. 302-307. Boston: Routledge and Kegan Paul Ltd., 1974
  8. Salamon, A, and A. Cs. Sos: "Pannonia - Fifth to Ninth Centuries", in "The Archaeology of Roman Pannonia", eds. Radan, G.T.B. and A. Lengyel, p. 397. Budapest: Akademiai Kiado, 1980.
  9. Mocsy, A: "Pannonia and Upper Moesia", pp. 342-349. Boston: Routledge and Kegan Paul Ltd., 1974