Pan-eslavismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira do movimento pan-eslavo proposta na convenção em Praga em 1848.

O pan-eslavismo foi um movimento político e sociocultural do século XIX, que buscava a união de todos os povos eslavos. Procurava também um antecedente comum das formas variadas dos povos eslavos da Europa, tendo em mente objetivos comuns.

A primeira fase (de 1815 a 1850) começou com um despertar nacional entre os eslovacos, crosãs , cheiros, eslovenos, polácos e sérvios, desenvolvendo neles o sentimento de nacionalidade única e de irmandade entre todos os eslavos. O pan-eslavismo sempre causou um conflito na política russa, sendo por vezes usado pelo Império Russo como instrumento de propaganda.

Por isso, após 1850 houve uma associação do pan-eslavismo com o "perigo russo", pois era considerado pelos europeus como sendo a ideologia da corte czarista. Quando a Alemanha se unificou e se formou a monarquia austro-húngara, os povos eslavos ocidentais se viram dependentes da Rússia.

Com isso, esse movimento acabou tendo características russas, que foi fortalecido pelo jornalista Mikhail Katkov para que o Congresso Pan-eslava fosse em Moscovo, em 1867. Durante dez anos, a teoria pan-eslava foi sendo relembrada principalmente por Nicolai Danilevski entre outros, e que se tornou antiocidental, antigermânico e antiturco, mudando a sua concepção para a qual foi criada.

Em 1905 começou a terceira fase, onde a Rússia retornou ao pan-eslavismo original, após derrotas no Oriente. Vladimir Soloviov fez a doutrina atingir o seu máximo, dando a população da unidade do gênero humano, influenciado pela fé. Com a volta desse nacionalismo exacerbado entre os eslavos fez ressurgir antigas rivalidades levando a crises internacionais. Acabou com isso eliminando o ideal do pan-eslavismo.

Ver também[editar | editar código-fonte]