Pandemia de gripe A de 2009

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa por tipo de casos:
H1N1 map.svg
  Mortes
  Casos confirmados
  Casos suspeitos
  Sem suspeitas
Mapa por casos confirmados:
H1N1 map by confirmed cases.svg
  Mais de 50.000 casos
  Mais de 5.000 casos
  Mais de 500 casos
  Mais de 50 casos
  Mais de 5 casos
  Mais de 1 caso
Mapa por mortes confirmadas:
H1N1 map by confirmed deaths.svg
  Sem mortes
  Mais de 1 morte
  Mais de 5 mortes
  Mais de 10 mortes
  Mais de 50 mortes
  Mais de 100 mortes
  Mais de 500 mortes
  Mais de 1000 mortes
  Mais de 5000 mortes

A pandemia de gripe de 2009[1] (inicialmente designada como gripe suína e em abril de 2009 como gripe A) foi um surto global de uma variante de gripe suína cujos primeiros casos ocorreram no México em meados do mês de março de 2009.[2] Veio a espalhar-se pelo mundo, tendo começado pela América do Norte, atingindo pouco tempo depois a Europa e a Oceania. O vírus foi identificado como uma nova cepa do já conhecido Influenza A subtipo H1N1, o mesmo vírus responsável pelo maior número de casos de gripe entre humanos, o que tornou possível também a designação nova gripe A, em oposição à gripe A comum. Ele contém ADN típico de vírus aviários, suínos e humanos, incluindo elementos dos vírus suínos europeus e asiáticos. Os sintomas da doença são o aparecimento repentino de febre, tosse, dor de cabeça intensa, dores musculares e nas articulações, irritação nos olhos e fluxo nasal.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou em 25 de Abril de 2009 que a epidemia é um caso de "emergência na saúde pública internacional", significando que os países em todo o mundo deverão acentuar a vigilância em relação à propagação do vírus.[3] No dia 27 de Abril de 2009, a mesma organização elevou o nível de alerta pandêmico para 4,[4] [5] o que significa que se verifica transmissão pessoa a pessoa, com risco de surtos localizados.[5] Dois dias depois, no dia 29, OMS eleva para 5 o nível de alerta,[6] o que significa que há a transmissão da doença entre pessoas em pelo menos dois países com um risco de pandemia iminente.[7] A escala da OMS vai de 1 a 6.[8] No dia 11 de junho o nível de alerta subiu ao máximo (nível 6) e é decretada a pandemia,[9] visto esta existir em mais de 75 países e em vários continentes.

Em 10 de agosto de 2010, a diretora-geral do organismo da Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan, anunciou o fim da pandemia de gripe A (H1N1). "O mundo não está mais na fase seis de alerta pandémico. Passamos para a fase pós-pandémica", disse a directora-geral do organismo.[10] [11] Chan observou que a pandemia de gripe A (H1N1) poderia ter sido muito pior. Segundo as últimas estatísticas da OMS, o vírus causou a morte de mais de 18 mil pessoas desde o seu aparecimento, em abril de 2009.[12]

Mais de uma em cada cinco pessoas terão sido infectadas com o vírus H1N1 durante a pandemia gripal, embora oficialmente esta tenha causado menos mortes que uma simples gripe sazonal, indica um estudo divulgado em Janeiro de 2013. O estudo, conduzido pelo Imperial College de Londres e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mostra que 20 a 27 por cento das populações analisadas em duas dezenas de países foram infectadas pelo H1N1, o que vem confirmar que o vírus era altamente contagioso[13] .

Designação[editar | editar código-fonte]

Os suinocultores temem um impacto negativo sobre as vendas de carne de porco. O governo egípcio ordenou, por causa da gripe, o sacrifício de todo o rebanho suíno daquele país (estimado em 300 mil cabeças). Por isso se propôs mudar o nome da doença de "gripe suína" para "gripe mexicana" (já que a doença surgiu no México) ou "gripe norte-americana" (já que teria surgido simultaneamente no México e no sul dos Estados Unidos), pois já se comprovou que o consumo de carne suína não transmite a doença.

O Brasil é o quarto maior exportador mundial de carne suína. Ao final de 2008, tinha exportado 1,48 bilhão de dólares (pouco menos de três bilhões de reais) – um aumento de 20% em relação a 2007. Em 28 de abril, a Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), enviou à diretoria geral da Organização Mundial da Saúde, um pedido de mudança da denominação da gripe.[14]

Em 30 de abril, a OMS passou a referir-se à doença como influenza A (H1N1),[15] e a comissária da Saúde da União Europeia, Androulla Vassiliou, em comunicado à imprensa, falou em "nova gripe".[16] "O vírus é cada vez mais humano e cada vez tem menos a ver com o animal", explicou Dick Thomson, porta-voz da instituição.

Designar esta gripe apenas por "Gripe A" é (no entanto) errado, já que a grande maioria das gripes humanas sazonais são do subtipo A do vírus Influenza. É, assim, necessário especificar se se trata de H1N1, H5N1, ou um outro subtipo do Influenzavirus A.

Surgimento[editar | editar código-fonte]

Imagem de microscópio eletrónico de uma coloração negativa de um vírus de gripe H1N1 rearranjado.

A pandemia se iniciou em La Gloria [carece de fontes?], distrito de Perote, a 10 km da criação de porcos das granjas Carroll, subsidiária da Smithfield Foods. O paciente zero foi o menino de 4 anos Edgar Hernandez. Provavelmente seu organismo foi plataforma para a alteração do vírus [carece de fontes?], que se tornou "mais humano". Em dezembro do ano passado já havia sido constatada uma gripe desconhecida que se espalhava rapidamente [carece de fontes?].

Segundo estudo publicado pelo The New England Journal of Medicine e pelo jornal inglês The Independent, a pandemia pode ter resultado de um acidente de pesquisa em algum laboratório, no final dos anos 1970. A gripe suína havia desaparecido entre os humanos, depois de uma pandemia de outra linhagem do vírus, em 1957. Depois disso, o H1N1 não foi detectado até janeiro de 1976, quando ocorreu um novo surto. O vírus pode ter sido reintroduzido acidentalmente por cientistas e causou uma pandemia em 1977, iniciada na Rússia e na China. Por isso cientistas de todo o mundo voltaram a estudar o vírus, com amostras congeladas e armazenadas desde os anos 1950. Depois de 1977, a gripe suína reapareceu anualmente. Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh acreditam que algum dos laboratórios, que possuía a linhagem dos anos 1950, tenha deixado que o vírus acidentalmente escapasse.[17] [18]

Países com casos confirmados[editar | editar código-fonte]

Pandemia[editar | editar código-fonte]

Passageiros do metrô na Cidade do México usando máscaras de proteção em 24 de Abril de 2009.

A OMS aumentou o nível de ameaça da gripe para seis, nível este considerado máximo na escala, indicando uma pandemia..[19] A diretora geral da organização, Margaret Chan, que retornou de forma antecipada a Genebra de uma visita aos EUA para estar à frente do grupo desconhecido de especialistas que estudam se há a necessidade de declarar uma emergência sanitária mundial. "Um novo vírus é o responsável por esses casos no México e nos EUA. Estamos muito preocupados, é uma situação muito grave que deve ser vigiada muito de perto", opinou ela. "A situação está evoluindo muito rapidamente e é imprevisível", acrescentou. Embora a organização ainda não tenha declarada a epidemia como um perigo mundial, Chan declarou que "se trata claramente de um vírus animal transmitido ao homem, e isso tem um potencial pandêmico, porque está infectando as pessoas". No entanto, esclareceu que não é possível dizer por enquanto se haverá epidemia. Ela disse que o comitê de emergência da entidade, reunido em Genebra, "examinará uma série de questões e possivelmente emitirá recomendações temporárias" para resguardar a saúde pública, as quais podem ir desde conselhos para viagens a restrições comerciais. Embora Chan tenha dito que não houve identificação de outros focos da doença fora do México e dos EUA, afirmou que a organização pediu a todos os países para que alertem imediatamente caso registrem casos anormais de pneumonia ou de gripe fora da estação habitual ou dos grupos que costumam ser mais afetados, como crianças e idosos. Chan também desmentiu que muitos trabalhadores do setor de saúde tenham sido contaminados pela doença. "No México, há dois trabalhadores do setor de saúde que contraíram a doença, e nossos especialistas estão estudando, com as autoridades mexicanas, em que circunstâncias isso ocorreu", ressaltou.[carece de fontes?]

O que mais preocupa à OMS e que a faz julgar que pode virar uma enfermidade de risco pandêmico, é que já houve casos em que o vírus foi transmitido de pessoa para pessoa. "Ainda é cedo para dizer se há uma relação" entre este vírus e o da gripe espanhola de 1918, que matou mais de 25 milhões de pessoas. Entretanto, lembrou que "há semelhanças porque, assim como neste caso, os mais afetados são os adultos jovens com boa saúde". Pelo consenso de opiniões dentro da OMS, que foi divulgado posteriormente, refere que o perigo da epidemia mundial reside no fato de que "a maioria das pessoas, especialmente todos aqueles que não têm contato regular com porcos, não estão imunizados frente aos vírus suínos". "Se um vírus suíno estabelece uma transmissão efetiva de humano a humano, pode causar uma pandemia de gripe, cujo impacto é difícil de prever", acrescenta.[carece de fontes?]

Na opinião de Chan numa entrevista coletiva disse que o vírus é sensível ao medicamento fosfato de oseltamivir (o mesmo que foi usado contra a gripe aviária), e assinalou que México e EUA têm reservas suficientes do medicamento.[carece de fontes?]

O centros para controle e prevenção de doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) disseram que foi tarde demais para conter a doença no país pela vacinação, tratando e isolando pessoas. "Há coisas que nós vemos que sugerem que a contaminação não é muito provável", ele disse. Ele declarou que os casos nos EUA e no México provavelmente são o mesmo vírus. "Até agora, os elementos genéticos que analisamos são os mesmos". Mas Besser disse que não está claro por que os vírus causaram tantas mortes no México, se esta é uma doença branda nos EUA.[20]

Tratamentos[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

Pesquisas realizadas têm mostrado que o vírus H1N1 é sensível aos compostos zanamivir (vendido com o nome comercial de Relenza) e oseltamivir (nome comercial: Tamiflu). Tais medicamentos são usados também para combater outras variantes de vírus influenza.[21]

Sempre que estiver em período de tratamento, o indivíduo deve lavar bem as mãos, tossir ou espirrar em seu antebraço (pois as mãos são uma forte fonte de contágio), e usar máscaras cirúrgicas para evitar que o contágio se prolifere (as máscaras em sí, não evitarão o contágio, já que as cepas do vírus são menores do que os micro furos na máscara.[carece de fontes?]

Vacina[editar | editar código-fonte]

A primeira vacina para a nova gripe foi anunciada para o início do outono de 2009 no hemisfério norte.[22] Os laboratórios Novartis[22] e Baxter International[23] foram os primeiros a iniciar a produção em larga escala da vacina, seguidos por outros laboratórios. Países europeus compraram grandes lotes dessas vacinas: a França gastou US$ 1,2 bilhão com 94 milhões de doses de vacinas para a gripe A; a Alemanha adquiriu cerca de 50 milhões de doses; e a Holanda gastou 34 milhões de doses para uma população de apenas 12 milhões de pessoas. Devido à baixa adesão da população desses países à vacinação (que chega a apenas 8% na França), vários países da Europa anunciaram a revenda da vacina no início de 2010. Esse grande gasto dos países europeus com a compra de vacinas contra a gripe suína está causando atrito entre governos e partidos de oposição.[24] Em 10 de agosto de 2010, depois de administração da vacina em vários países, a OMS anunciou o fim do ciclo pandêmico da Gripe A.[25]

A vacina enfrentou grande rejeição por parte da população brasileira e de outros países do mundo. Seus possíveis efeitos colaterais geraram controversa entre a população e os órgãos oficiais de saúde.[26] A suspeita mais grave é a de que a vacina estaria relacionada com a síndrome de Guillain-Barré, uma grave doença que ataca o sistema nervoso central.[27] [28]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Chan, Margaret (2009-06-11). World now at the start of 2009 influenza pandemic (em inglês) Organização Mundial da Saúde. Visitado em 2009-06-23.
  2. Experts probe deadly Mexico flu (em inglês) BBC News (2009-04-24). Visitado em 2009-06-23.
  3. OMS declara gripe suína como 'emergência internacional' (em português) Notícias Yahoo (2009-04-25). Visitado em 2009-06-23.
  4. Barata, Clara (2009-04-27). OMS eleva nível de alerta pandémico da gripe suína (em português) Site Publico.pt. Visitado em 2009-06-23.
  5. a b Martínez, Nurit (2009-04-27). OMS eleva alerta de nivel 3 a 4 en México (em espanhol) El Universal. Visitado em 2009-06-23.
  6. OMS eleva alerta da gripe suína para fase 5 (em português) Último Segundo (2009-04-29). Visitado em 2009-06-23.
  7. Saiba mais sobre a escala de alerta da OMS (em português) Folha Online (2009-04-29). Visitado em 2009-06-23.
  8. Pandemia de gripe suína é iminente; OMS pede diagnóstico veloz (em português) Folha Online (2009-04-29). Visitado em 2009-06-23.
  9. OMS sube alerta al nivel 6 y declara pandemia de nueva influenza (em espanhol) El Universal - Caracas (2009-06-11). Visitado em 2009-06-23.
  10. OMS anuncia fim da pandemia da gripe A Acessado em 10 de agosto 2010
  11. WHO declares end of H1N1 pandemic Acessado 10 de agosto 2010
  12. H1N1 Still A Pandemic, Says WHO Acessado em 10 de agosto 2010.
  13. Um quinto da população mundial teve gripe A.
  14. Operamundi: Criadores de porcos temem prejuízo com gripe suína (página da notícia visitada em 29/04/2009)
  15. EPTV OMS rebatiza a gripe suína para influenza A (H1N1) (página da notícia visitada em 30/04/2009)
  16. EFE, 30 de abril de 2009 UE aprova definição oficial europeia para "nova gripe"
  17. Folha Online, 30 de junho de 2009.Vírus da gripe suína pode ter vazado de laboratório.
  18. Center for Infectious Disease Research and Policy (CIDRAP), University of Minnesota. Experts look for clues in 1918 pandemic virus family tree, por Lisa Schnirring
  19. OMS declara pandemia de gripe suína - O Globo - Página acessada em 26 de Junho de 2009
  20. Centro dos EUA diz ser tarde demais para conter surto de gripe
  21. CDC - Centers for Disease Control and Prevention
  22. a b Vacina contra a gripe A chega no Outono Euronews (12/06/09). Visitado em 04/01/2010.
  23. Vacina contra Gripe A estará disponível em Julho Sapo.pt (16/06/09). Visitado em 04/01/2010.
  24. Sobra de vacina contra a nova gripe causa polêmica na Europa Globo.com (04/01/10). Visitado em 04/01/2010.
  25. OMS diz que ciclo da pandemia da gripe H1N1 chegou ao fim globo.com (10/08/2010). Visitado em 11/08/2010.
  26. Esclarecimentos sobre a vacina contra Influenza H1N1 http://portal.saude.gov.br/.+Visitado em 24/10/2011.
  27. Síndrome de Guillain-Barré associada à vacina do H1N1 Scielo (12/2010). Visitado em 24/10/2011.
  28. Síndrome de Guillain-Barré como efeito adverso à vacinação H1N1 Scielo (03/2011). Visitado em 24/10/2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias