Pantalassa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Pantalassa, o oceano azul rodeando Pangaea

Pantalassa (do grego, pan + talasso, que significa "todos os mares"), também conhecido como Panthalassa ou Oceano Pantalássico, era o vasto oceano global que rodeava o supercontinente Pangeia, durante as eras do Paleozóico e início do Mesozóico. Incluía o primitivo Oceano Pacífico, a norte e oeste, e o Mar de Tétis a sudeste. Tornou-se no actual Oceano Pacífico após o fecho da bacia do Mar de Tétis e a fragmentação de Pangeia, factor que levou à criação das bacias dos oceanos Atlântico, Árctico e Índico. A Pantalassa é por vezes denominada por Paleo-Pacífico ("velho Pacífico"), devido ao facto deste oceano ter evoluído a partir deste último.

Formação[editar | editar código-fonte]

Há cerca de 900 milhões de anos atrás, formou-se uma junção tripla à medida que o supercontinente Rodínia começou a sua fragmentação através do aparecimento de riftes. Entre cerca de 800 e 700 milhões de anos atrás, este supercontinente separou-se em dois. Este foi um importante evento de deriva continental por rift, uma vez que abriu o Oceano Pantalássico a oeste da Laurentia, um continente antigo que viria a dar origem à América do Norte.

Na zona oeste de Laurentia, episódios tectónicos que precederam esta separação, produziram riftes falhados que albergaram grandes bacias sedimentares. Mirovia, o oceano global que rodeava Rodínia, começou a encolher devido à expansão dos oceanos Pan-Africano e Pantalássico. Entre 650 e 550 milhões de anos, outro supercontinente encontrava-se em formação, a Pannotia, cuja forma lembrava um "V". Dentro deste "V" emergia a Pantalassa, enquanto no exterior deste situava-se o Oceano Pan-Africano e as remanescências de Mirovia.

Actualmente, a maior parte da crosta e bacia oceânica da Pantalassa subduziu sob a placa norte-americana e a placa euroasiática. As reminiscências da placa oceânica de Pantalassa podem ser observadas na placa Juan de Fuca, placa de Gorda, placa de Cocos e placa de Nazca, tendo as quatro feito parte da antiga placa de Fallaron.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]