Panthera leo fossilis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaPanthera fossilis ou Panthera leo fossilis ou Panthera spelaea fossilis
Ocorrência: Pleistoceno Médio 0.7 Ma
Réplica do esqueleto de um Panthera fossilis

Réplica do esqueleto de um Panthera fossilis
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Felidae
Género: Panthera
Espécie: P. leo ou P. spelaea ou P. fossilis
Subespécie: P. l. fossilis ou P. s. fossilis
Nome trinomial
Panthera leo fossilis ou Panthera spelaea fossilis
(Reichenau, 1906)
Sinónimos
  • Panthera leo wurmi Freudenberg, 1914

Panthera leo fossilis, Panthera spelaea fossilis ou Panthera fossilis é um táxon extinto do gênero Panthera, do Pleistoceno Médio da Europa, considerado por alguns pesquisadores como uma subespécie e por outros como uma espécie distinta.

Nomenclatura e taxonomia[editar | editar código-fonte]

O táxon foi descrito por Wilhelm von Reichenau em 1906 como Felis leo fossilis, a partir de restos fósseis do Pleistoceno Médio encontrados em Mauer, na Alemanha.[1] Em 1969, Schutt recombinou a subespécie para Panthera leo fossilis. [2] Em 1974, Hemmer em sua revisão sobre o leão com base em características dentárias e da mandíbula, manteve-o como uma subespécie do leão moderno.[3] Este arranjo taxonômico proposto por Hemmer foi seguido por vários autores desde então.[4] Entretanto, alguns pesquisadores, através de análises morfológicas, o consideram como uma espécie distinta.[5] , enquanto outros o consideram como uma subespécie do Panthera spelaea.[6] [7] [8]

O táxon fossilis é considerado o ancestral do Panthera spelaea que o substitui durante o Pleistoceno Superior (a cerca de 300 000 anos atrás), sendo então considerado como uma cronoespécie ou paleoespécie.

Registro fóssil[editar | editar código-fonte]

O registro mais antigo do táxon está datado em 700 000 anos e provém da localidade de Isérnia La Pineta no sul da Itália, um sítio paleontológico do Pleistoceno Médio.[9]

Muitos fragmentos ósseos são conhecidos de Mosbach na Alemanha, uma pequena vila pertencente a cidade de Wiesbaden. Um crânio quase completo foi encontrado em Mauer, perto de Heidelberg, Alemanha. Os sedimentos indicam que estes leões eram 550 000 anos mais antigos que o hominídeo primitivo Homo heidelbergensis.

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

O táxon é restrito a Europa, sendo registrado em diversos sítios paleontológicos na Polônia, Alemanha, República Tcheca, Áustria, Hungria, Moldova, Grécia, Itália, Bélgica, Espanha, França e Inglaterra.

Características[editar | editar código-fonte]

Rádio atribuído como Panthera leo cf. fossilis do sítio paleontológico de Ambrona (Soria, Espanha).

Com um comprimento máximo de cabeça e corpo de 2,40 metros, o que é de cerca de meio metro a mais do que os leões africanos de hoje, Panthera leo fossilis foi quase tão grande como o leão-americano a partir do Pleistoceno Superior.

Referências

  1. REICHENAU, W. (1906): Beitrage zur näheren Kenntniss der Carnivoren aus den Sanden von Mauer und Mosbach. — Abhandlungen Grossheryoglichen Hessischen Geologischen ÍMndesanstalt, 4: 189.
  2. SCHUTT, G.. (1969). "Untersuchungen am Gebiss von Panthera leo fossilis (REICHENAU, 1906) und Panthera leo spelaea (GOLDFUSS, 1810)". Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie Abhandlungen 134 (2): 192-220 pp..
  3. HEMMER, H.. (1974). "Untersuchungen zur stammesgeschichte der Pantherkatzen (Pantherinae) III. Zur artgeschichte des Lowen Panthera leo (Linnaeus 1758)". Veroff. Zool. Staatssamml. Munchen 17: 167–280 pp..
  4. BURGER, J.; ROSENDAHL, W.; LOREILLE, O.; HEMMER, H.; ERIKSSON, T.; GÖTHERSTRÖM, A.; HILLER, J.; COLLINS, M.J.; WESS, T.; ALT, K.W.. (2004). "Molecular phylogeny of the extinct cave lion Panthera leo spelaea". Molecular Phylogenetics and Evolution 30 (3): 841–49 pp.. DOI:10.1016/j.ympev.2003.07.020.
  5. SOTNIKOVA, M.; NIKOLSKIY, P.. (2006). "Systematic position of the cave lion Panthera spelaea (Goldfuss) based on cranial and dental characters". Quaternary International 142–143: 218–228 pp.. DOI:10.1016/j.quaint.2005.03.019.
  6. BARYSHNIKOV, G.; BOESKOROV, G.. (2001). "The Pleistocene cave lion Panthera spelaea (Carnivora, Felidae) from Yakutia, Russia". Cranium 18: 7–24 pp..
  7. BARYCKA, E.. (2008). "Middle and Late Pleistoicene Felidae and Hyaenidae of Poland". Fauna Poloniae: 1-228 pp..
  8. MARCISZAK, A.; STEFANIAK, K.. (2010). "Two forms of cave lion: Middle Pleistocene Panthera spelaea fossilis REICHENAU, 1906 and Upper Pleistocene Panthera spelaea spelaea GOLDFUSS, 1810 from the Bi´snik Cave, Poland". Neues Jahrbuch für Geologie und Paläontologie Abhandlungen 258: 339–351 pp..
  9. SALA, B.. (1990). "Panthera leo fossilis (v. Reich., 1906) (Felidae) de Isernia la Pineta (Pléistocène moyen inférieur d'Italie)". Geobios 23 (2): 189–194 pp.. DOI:10.1016/S0016-6995(06)80051-3.

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Ernst Probst:Deutschland in der Urzeit. Orbis Verlag, 1999. ISBN 3-572-01057-8
  • J. Burger:filogenia molecular do extinto caverna leão Panthera leo spelea, de 2003. pdf.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Panthera leo fossilis
Portal A Wikipédia possui o
Portal de Extinção