Papa Leão VIII

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Março de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Leão VIII
132º papa
Nascimento Roma, Itália,
915
Eleição 6 de Dezembro de 963
Fim do pontificado 1 de Março de 965 (50 anos)
Antecessor Bento V
Sucessor João XIII
Listas dos papas: cronológica · alfabética

Papa da Igreja Cristã Romana (963964) nascido em Roma, eleito como um antipapa por Oton I, depois de várias disputas com o predecessor João XII e com seu sucessor Bento V[1] . Era leigo, ao ser escolhido em 6 de dezembro (963). Seu papado se deu numa época em que o novo imperador alemão estava ansioso para se apoderar da Itália e do papado. Em Roma, o papa de número 132, João XII, aceitou uma aliança com o imperador Oto I em que no futuro nenhum papa seria consagrado sem a presença dos enviados do imperador..Porém quando Oto saiu da cidade, João uniu-se aos nacionalistas feudais, para expulsar os alemães da Itália. O imperador, revoltado, retornou a Roma e depôs do trono o papa João XII, sob a acusação de vários crimes e colocou seu sucessor no trono de São Pedro (963) governando como um antipapa, pois o legítimo papa João XII (955-963), apesar do mau caráter, ainda estava vivo. Também não caiu nas graças dos romanos por ter servido de instrumento aos interesses do imperador germânico. Na realidade tanto ele como seu antecessor foram papas legitimados pelas circunstâncias. Realmente este antipapa mostrou-se reconhecido ao imperador. Por exemplo, por decreto promulgado em concílio, concedeu-lhe e a seus sucessores, o direito de nomear o papa, bispos e arcebispos, punindo com a excomunhão quem se opusesse a esse decreto. Em outra medida, proibiu aos leigos de entrarem no presbitério durante as funções solenes. Com a súbita morte de João, este poderoso antipapa governou a Igreja ainda mais um ano, totalizando dois anos de pontificado, até ser deposto por forças franco-suíças leais ao legítimo papa e os italianos elegeram Bento V (964), homem virtuoso e de reconhecida capacidade para o cargo. O imperador voltou a Roma, invadiu a cidade, mandou Bento V para o exílio e recolocou sua criatura no trono, mas ele morreu logo depois. O imperador reconheceu a autoridade pontifícia de Bento V, sob pressão dos francos e romanos, porém o restante do pontificado deste não duraria mais que poucos dias. O imperador, com base no decreto forçado de João XII, colocou no trono João XIII (965-972).

A legitimidade do seu pontificado é questionada.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Papa Leão VIII. Ufcq.edu.br.


Precedido por
Bento V
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

132.º
Sucedido por
João XIII


Ícone de esboço Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.