Mamão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Papaeira)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMamão
Árvore e fruto, do livro de  Koehler, Plantas medicinais (1887)

Árvore e fruto, do livro de Koehler, Plantas medicinais (1887)
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Brassicales
Família: Caricaceae
Género: Carica
Espécie: C. papaya
Nome binomial
Carica papaya
L.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Mamão

Mamão, papaia ou ainda ababaia, Amabapaia ou ambapaia[1] é o fruto da planta Carica papaya,a única espécie no gênero Carica da família de plantas Caricaceae. É originária da América tropical, desde o sul do México, passando pelo Panamá, até a costa norte-ocidental da Colômbia.[2]

Carica papaya foi o primeiro fruto transgênico a ter o seu genoma decifrado.[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O mamoeiro é uma árvore de folhas sempre-verde, tronco oco, com até 6 metros de altura. As folhas são palmadas e só aparecem no topo do tronco só ramificando quando o tronco é injuriado. Todas as suas partes possuem látex.[2]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

Existem três tipos de árvore: o mamoeiro hermafrodita, o macho e o fêmea. O mamoeiro hermaforidta possui flores femininas e masculinas, o mamoeiro fêmea possui somente flores femininas e o mamoeiro macho apenas flores masculinas; apenas o mamoeiro hermafrodita e o fêmea são capazes de produzir fruto.[2] Quase todos os pomares de mamão comerciais contêm apenas hermafroditas.[4]

Produção global de mamão tem crescido significativamente nos últimos anos, principalmente como resultado do aumento da produção na Índia.[5]

Na Flórida, o crescimento é geralmente limitado a partes do sul do estado. A planta prefere solo arenoso, bem drenados, a água parada mata a planta dentro de 24 horas.[6]

Em 2004,o Brasil foi substituído pelo México no papel de maior fornecedor de mamão para o mundo, continuando nessa posição em 2005. A produção de mamão gerou no Brasil um faturamento de US$55.361 mihlões, além desses países, outros fornecedores inclui Belize (US$18,7), Malásia (US$14,7), Países Baixos (US$ 14,6) e os Estados Unidos (US$ 11,0).[7] A vantagem do mamão brasileiro no contexto do comércio internacional liga-se a sua disponibilidade durante o ano inteiro, o que lhe garante a possibilidade do fornecimento regular e contínuo.[8]

Em, O Brasil passou a ser o maior produtor de mamão papaia do mundo, porém exportando apenas cerca de 1% da produção.[9]

O resultado para o Brasil é alcançar 6 milhões de toneladas, quase a metade do previsto para toda produção global, enquanto para a Índia, a produção prevista é de 2,5 milhões de toneladas, um pouco mais de 20% do previsto para a produção mundial. Nessas condições, a Nigéria continuará sendo o terceiro maior produtor mundial, com previsão de produção de 951000 toneladas ou 8% do total mundial.[9] :80

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Enciclopédia agrícola brasileira. EdUSP. 1995. p. 15. ISBN 978-85-314-0129-9.
  2. a b c Gil Felippe (2004). Frutas: sabor à primeira dentada. Senac. p. 105. ISBN 978-85-7359-421-8.
  3. Canal UGR, ´Scientists decipher fruit tree genome for the first time, 28/4/2008
  4. C. L. Chia e Richard M. Manshardt, Why Some Papaya Plants Fail to Fruit, Department of Tropical Plant and Soil Sciences, Cooperative Extension Service, outubro de 2001 (em inglês)
  5. An Overview of Global Papaya Production, Trade, and Consumption. Página visitada em 2/7/2014.
  6. Boning, Charles R.. Florida's Best Fruiting Plants: Native and Exotic Trees, Shrubs, and Vines. Sarasota, Florida: Pineapple Press, Inc., 2006. 166–167 p.
  7. Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (2007). Cadeia produtiva de frutas. Bib. Orton IICA / CATIE. pp. 22 – 23. ISBN 978-85-99851-19-7.
  8. Mundo: exportações de mamão papaia,1 principais origens (mil US$, FOB), Radar Comercial – MDIC.
  9. a b Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA, Cadeia Produtiva de Frutas , Vol. 7, p. 67, janeiro 2007, Secretaria de Política Agrícola - SPA, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura - IICA