Lophopsittacus mauritianus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Papagaio-de-bico-largo)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaLophopsittacus mauritianus
Lophopsittacus.mauritianus.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EX pt.svg
Extinta  (1680) (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Psittaciformes
Família: Psittacidae
Género: Lophopsittacus
Espécie: L. mauritianus
Nome binomial
Lophopsittacus mauritianus
(Owen, 1866)

O papagaio-de-bico-largo (Lophopsittacus mauritianus) é uma espécie extinta de ave da família Psittacidae. Nativa da ilha Maurícia, foi extinta no século XVII. A espécie nunca foi documentada em vida por cientistas e é conhecida apenas de desenhos feitos pelos primeiros exploradores a chegar às ilhas, e de ossos.

O papagaio-de-bico-largo tinha uma cauda longa e asas atrofiadas que muito provavelmente impediam o voo. A sua plumagem era azul-acinzentada e tinha uma crista na cabeça. Uma espécie semelhante, o papagaio-cinzento-das-maurícias (Lophopsittacus bensoni), de menores dimensões e plumagem cinzenta, igualmente extinto e identificado apenas através de alguns ossos, corresponderá provavelmente às fêmeas do papagaio-de-bico-largo, tratando-se de uma manifestação de dimorfismo sexual.

A característica mais distintiva desta espécie é o seu bico, muito largo mas relativamente frágil, adaptado para esmagar a polpa de frutos de grandes dimensões e engolindo o fruto todo incluindo o caroço. Tendo em conta estas estruturas morfológicas, é provável que tenha sido o papagaio-de-bico-largo, e não o dodó, o responsável pela propagação do tambalacoque (ou árvore-dodó).

A extinção do papagaio-de-bico-largo está associada à colonização do seu habitat pelo Homem e espécies invasoras como porcos, cães e ratos. Como não voava e provavelmente nidificava ao nível do chão, os adultos, juvenis e ovos transformaram-se numa presa fácil. O kakapo representa a última espécie de papagaio com estas características e encontra-se em perigo crítico de extinção por motivos semelhantes.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

As descrições mais antigas conhecidas do papagaio-de-bico-largo foram fornecidas por viajantes holandeses durante a Segunda Expedição Holandesa à Indonésia, liderada pelo almirante Jacob van Neck, em 1598. Eles aparecem em relatórios publicados em 1601, que também contém a primeira ilustração da ave, juntamente com o primeiro desenho de um dodô. Os marinheiros holandeses que visitaram a ilha Maurício se referiam aos papagaio-de-bico-largo separadamente de outros papagaios, chamando-os de Indische ravens ("corvos da Índia") sem o acompanhamento de descrições úteis, o que causou confusão quando seus diários de bordo foram estudados.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O papagaio-de-bico-largo possuía uma distintiva crista frontal de penas. Saliências do crânio indicam que esta crista era firmemente aderida, e que a ave, ao contrário das cacatuas, não podia movê-la para baixo ou para cima. O desenho do Gelderland feito em 1601 foi examinado em 2003 por Hume, que comparou o acabamento da tinta com o lápis do esboço subjacente e descobriu que este último apresentava vários detalhes adicionais. O esboço do lápis mostra a crista como um tufo de penas arredondadas associadas à frente da cabeça, na base do bico, e mostra penas longas primárias secretas, grandes penas secundárias, e uma cauda ligeiramente bifurcada. Medidas de subfósseis conhecidos em 1893 mostram que a mandíbula media 65 a 78 mm de comprimento, 65 milímetros de largura, o fêmur tinha 58 a 63 mm de comprimento, a tíbia 88 a 99 mm, e o metatarso 35 mm. Ao contrário de outros papagaios das ilhas Mascarenhas, o papagaio-de-bico-largo tinha um crânio achatado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BirdLife International (2012). Lophopsittacus mauritianus (em Inglês). IUCN 2014. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2014 Versão 2. Página visitada em 16 de novembro de 2014.