Parábola Vinho Novo em Odres Velhos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Homem carregando um odre Niko Pirosmani.

A parábola do Vinho Novo em Odres Velhos é um par de parábolas contadas por Jesus no Novo Testamento, encontradas em Mateus 9:14-17, Marcos 2:18-22 e Lucas 5:33-39. Uma versão das parábolas também aparece no gnóstico Evangelho de Tomé.1

Narrativa[editar | editar código-fonte]

No Evangelho de Mateus, a parábola é contada assim:

«Depois o procuraram os discípulos de João, e lhe perguntaram: Por que é que nós e os fariseus jejuamos, mas teus discípulos não jejuam? Respondeu-lhes Jesus: Podem, porventura, estar tristes os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles? Porém dias virão, em que lhes será tirado o noivo, e nesses dias jejuarão. Ninguém põe remendo de pano novo em vestido velho; porque o remendo tira parte do vestido, e fica maior a rotura. Nem se põe vinho novo em odres velhos; de outro modo arrebentam os odres, e derrama-se o vinho, e estragam-se os odres. Mas vinho novo é posto em odres novos, e ambos se conservam.» (Mateus 9:14-17)

Em Marcos:

«(Ora os discípulos de João e os fariseus estavam jejuando.) Eles vieram perguntar-lhe: Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, mas os teus não jejuam? Respondeu-lhes Jesus: Podem, porventura, jejuar os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles? Durante o tempo que têm consigo o noivo, não podem jejuar. Dias, porém, virão, em que lhes será tirado o noivo, nesses dias jejuarão. Ninguém cose remendo de pano novo em vestido velho; de outra forma o remendo novo tira parte do velho, e torna-se maior a rotura. Ninguém põe vinho novo em odres velhos; de outra forma o vinho fará arrebentar os odres, e perder-se-á o vinho, e também os odres. Pelo contrário vinho novo é posto em odres novos.» (Marcos 2:18-22)

Por fim, no Evangelho de Lucas:

«Disseram-lhe eles: Os discípulos de João jejuam freqüentemente, e fazem orações; assim também os dos fariseus, mas os teus comem e bebem. Jesus disse-lhes: Podeis fazer jejuar os convidados para o casamento, enquanto o noivo está com eles? Dias, porém, virão, dias em que lhes será tirado o noivo, nesses dias hão de jejuar. Propôs-lhes também uma parábola: Ninguém tira remendo de vestido novo e o põe em vestido velho; de outra forma rasgará o novo, e o remendo do novo não condirá com o velho. Outrossim ninguém põe vinho novo em odres velhos; de outra forma o vinho novo arrebentará os odres, e ele se derramará, e estragar-se-ão os odres. Pelo contrário vinho novo deve ser posto em odres novos. Ninguém que já bebeu vinho velho, quer o novo; porque diz: O velho é bom.» (Lucas 5:33-39)

Interpretação[editar | editar código-fonte]

Um odre de vinho.

O episódio anterior a este é o Chamado de Mateus como discípulo de Jesus. E a parábola dos odres parece ser parte de uma discussão em um banquete realizado por seu novo discípulo (Lucas 5:29).2

As metáforas nas duas parábolas foram retiradas da cultura da época.3 Pano novo ainda não tinha encolhido com as lavagens, de modo que o uso de pano novo em roupa velha, causaria o rompimento da roupa velha pois o pano novo vai encolher quando for lavado.4 Do mesmo modo, odres velhos tinham sido "esticados até ao limite" 4 e tornado-se frágeis 3 com o vinho fermentado que havia dentro deles, usando-os novamente, portanto, arriscaria estourá-los.4

Uma das interpretações das duas parábolas diz respeito à relação entre "o ensinamento de Jesus e do judaísmo tradicional.3

Segundo alguns intérpretes, Jesus e "seu novo ensinamento contra o velho caminho dos fariseus e dos escribas".2 No segundo século, Marcião , fundador do marcionismo, usou a passagem para justificar a total separação entre a "religião que Jesus e Paulo defendiam" das Escrituras hebraicas, uma ruptura completa do cristianismo em relação ao judaísmo, principalmente em relação ao Antigo Testamento5

Outros intérpretes vêem Lucas como demonstrando as raízes do cristianismo no judaísmo,2 , dizendo que "Jesus trouxe algo de novo, e os rituais e tradições do judaísmo oficial não poderiam contê-lo".6

Em seu comentário sobre Mateus, Marcos e Lucas, Calvino afirma que os odres velhos e o vestido velho representam os discípulos de Jesus, e o vinho novo e o pano novo representam a prática do jejum duas vezes por semana dos discípulos de João. Assim, o jejum seria oneroso para os novos discípulos e seria mais do que podiam suportar7 .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Evangelho de Tomé: Lamb translation and Patterson/Meyer translation. (Em inglês 02/06/2011)
  2. a b c Joel B. Green, The Gospel of Luke, Eerdmans, 1997, ISBN 0802823157, pp. 248-250. (Em inglês 02/06/2011)
  3. a b c James R. Edwards, The Gospel According to Mark, Eerdmans, 2002, ISBN 0851117783, pp. 91-92. (Em inglês 02/06/2011)
  4. a b c Craig S. Keener, A Commentary on the Gospel of Matthew, Eerdmans, 1999, ISBN 0802838219, pp. 300-301. (Em inglês 02/06/2011)
  5. Joseph B. Tyson, Marcion and Luke-Acts: A defining struggle, University of South Carolina Press, 2006, ISBN 1570036500, p. 32 (Em inglês 02/06/2011).
  6. R. T. France, The Gospel According to Matthew: An introduction and commentary, Eerdmans, 1985, ISBN 0802800637, p. 169. (Em inglês 02/06/2011)
  7. Calvino {comentário, Volume XVI, Baker Grand Rapids, 1981, p. 408