Parábola do Grão de Mostarda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parábola do Grão de Mostarda.

A Parábola do Grão de Mostarda é uma das menores Parábolas de Jesus. Ele aparece em três dos evangelhos sinóticos do Novo Testamento. As diferenças entre Mateus 13:31-32, Marcos 4:30-32 e Lucas 13:18-19, são pequenas e as três parábolas podem ser derivadas da mesma fonte.[1]

Uma versão da parábola também ocorre no apócrifo Evangelho de Tomé. [2]

Narrativa bíblica[editar | editar código-fonte]

Em Mateus:

«Mais outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda, que um homem tomou e plantou no seu campo; o qual grão é, na verdade, a menor de todas as sementes, mas depois de crescido, é a maior das hortaliças e faz-se árvore, de tal modo que as aves do céu vêm pousar nos seus ramos.» (Mateus 13:31-32)

Em Marcos:

«Ainda disse: A que assemelharemos o reino de Deus, ou com que parábola o representaremos? É como um grão de mostarda, que, quando semeado na terra, embora seja menor que todas as sementes que há na terra, contudo depois de semeado, cresce e se torna a maior de todas as hortaliças, e deita grandes ramos, de tal modo que as aves do céu podem pousar à sua sombra.» (Marcos 4:30-32)

Em Lucas:

«Disse, pois: A que é semelhante o reino de Deus, e a que o compararei? É semelhante a um grão de mostarda, que um homem tomou e plantou na sua horta, e que cresceu e fez-se árvore; e as aves do céu pousaram nos seus ramos.» (Lucas 13:18-19)

Evangelho de Tomé[editar | editar código-fonte]

No Evangelho de Tomé, a narrativa é:

20. Disseram os discípulos a Jesus: Dize-nos, a que se assemelha o Reino do céus? Respondeu-lhes ele: Ele é semelhante a um grão de mostarda, que é menor que todas as sementes; mas, quando cai em terra, que o homem trabalha, produz um broto e se transforma num abrigo para as aves do céu.
 

Interpretação[editar | editar código-fonte]

A planta aqui referida é geralmente considerada como mostarda-branca, uma grande planta anual de até 1,2 metros de altura, mas que cresce, proverbialmente, de uma pequena semente (esta pequenez é também usada para se referir à (Mateus 17:20; Lucas 17:6). De acordo com fontes rabínicas, os judeus não cultivavam a planta em jardins e isso é consistente com a descrição de Mateus, que diz que cresce em um campo. Lucas escreve a parábola com a planta em um jardim em vez de um campo; presume-se que a história foi reformulada para um público fora da Palestina [4] .

I. Howard Marshall escreveu que a parábola "sugere que o crescimento do reino de Deus a partir de um minúsculo começo até o tamanho do mundo inteiro"[4] . A Parábola do Fermento (que nos Evangelhos de Mateus e Lucas é a próxima) compartilham o tema de grande crescimento a partir de pequenos começos. Tal como acontece com na Parábola do Semeador, que em Mateus e Marcos ocorre antes, no mesmo capítulo, o homem semeando representa Jesus[5] e as plantas são o Reino de Deus.

A nidificação de aves pode se referir a textos do Antigo Testamento que enfatizam o alcance universal do império de Deus[6] , como em Daniel 4:12. No entanto,é pouco provável que uma planta da mostarda atraia pássaros nidificando[5] , de modo que "Jesus parece deliberadamente enfatizar a noção de surpreendente extravagância em sua analogia"[6] . Outros escritores têm sugerido que os pássaros representam os gentios que procuram refúgio em Israel[7] [8] ou "pecadores" e os cobradores de impostos com os quais Jesus foi criticado por ter se associado[9] .

Há um elemento "escandaloso e subversivo"[8] nesta parábola, pois o crescimento rápido da mostarda faz dela uma "erva daninha"[8] com "perigosas propriedades ocupacionais"[8] . Plínio, o Velho, em sua "História Natural" (publicada por volta de 78 d.C.) escreve que "mostarda... é extremamente benéfica para a saúde. Ela cresce inteiramente selvagem, embora possa ser aprimorada com o transplante: mas, por outro lado, uma vez que ela foi semeada, é raramente possível tornar o campo livre dela novamente, pois a semente, quando cai, germina imediatamente"[10] .

Ben Witherington escreve que Jesus poderia ter escolhido uma árvore verdadeira para a parábola (e não um arbusto), e que a planta da mostarda demonstra que "Embora o domínio tenha parecido pequeno como uma semente durante o ministério de Jesus, ele iria inexoravelmente crescer até se tornar algo grande e firmemente enraizado, onde alguns encontrariam abrigo e outros achariam detestável e tentariam erradicar"[9] .

A Bíblia de Jerusalém comenta essa Parábola por meio de um Nota de Rodapé[11] [12] a Mateus 13:31-33 que afirma que:

Como o grão de mostarda e o fermento, o Reino tem começo modesto, mas grande e repentino desenvolvimento.

A Edição Pastoral da Bíblia comenta a passagem por meio de um Nota de Rodapé[13] a Marcos 4:30-34, que afirma que:

Diante das estruturas e ações deste mundo, a atividade de Jesus e daqueles que o seguem parece impotente, e mesmo ridícula. Mas ela crescerá, até atingir o mundo inteiro.

A Bíblia do Peregrino comenta essa Parábola por meio de Notas de Rodapé a Mateus 13:31-32, Marcos 4:30-32 e Lucas 13:18-21[14] nas quais observa que:

  1. trata-se de outra Parábola, encontrada no Capítulo 13 do Evangelho segundo Mateus que se utiliza de imagem vegetal;
  2. a Parábola sublinha a desproporção entre o tamanho de uma semente e a planta que resulta dessa diminuta semente;
  3. trata-se de Parábola que tem como objeto o "dinamismo da mensagem evangélica";
  4. a referências aos pássaros que fazem ninhos em seus ramos sugerem a entrada de muitos povos no Reino, pois essa árvore acolhedora seria uma imagem do Reino de Deus;
  5. quando considerada em conjunto com a Parábola do Fermento, observam-se duas parábolas concisas (comparações simples, sem armação narrativa) que contém uma mensagem de paciência e esperança por meio da ilustração do dinamismo do Reinado de Deus e do anúncio da boa notícia, em um contexto no qual: a primeira contém uma alusão hiperbólica ao cedro magnífico referido em Ezequiel 17:22-24.

A Tradução Ecumênica da Bíblia comenta essa Parábola por de Notas de Rodapé[15] a Mateus 13:31-32 e Marcos 4:30-32 nas quais observa que:

  1. a força da parábola está no contraste entre a pequenez da semente e o esplendor dos resultados, que sugerem a força irresistível (expansão incoercível) do Reino de Deus, cujo poder transformador age secretamente por intermédio das ações e dos ensinamentos de Jesus;
  2. trata-se de parábola inspirada em Ezequiel 17:22-24 (ramo cortado que se torna o cedro magnífico), que contém uma mensagem de fé: os modestos gestos de Jesus trarão grandes resultados[16] ;
  3. há um exagero ao dizer que a semente de mostarda é a menor de todas as sementes;
  4. embora a mostardeira seja uma hortaliça que pode atingir um certo tamanho, dizer que ela se torna uma árvore é uma hiperbóle;
  5. a referência aos pássaros é a referência de que outros povos encontrarão abrigo no Reino de Deus[17] ;
  6. é, em conjunto com a Parábola do Fermento, uma das únicas parábolas relacionadas explicitamente no Evangelho segundo Lucas com o Reino de Deus.

Referências

  1. Veja os Evangelhos sinópticos
  2. Evangelho de Tomé: Lamb translation e Patterson/Meyer translation em inglês (30/05/2011).
  3. Evangelho de Tomé (em português) Saindo da Matrix. Visitado em 19/02/2011.
  4. a b I. Howard Marshall, O Evangelho de Lucas: Um comentário do texto grego, Eerdmans, 1978, ISBN 0-8028-3512-0, pp. 561. em inglês (30/05/2011).
  5. a b John Nolland, O Evangelho de Mateus: um comentario do texto grego, Eerdmans, 2005, ISBN 0-8028-2389-0, p. 551. em inglês (30/05/2011)
  6. a b Joel B. Green, The Gospel of Luke, Eerdmans, 1997, ISBN 0-8028-2315-7, p. 526. em inglês (30/05/2011)
  7. Richard N. Longenecker, The Challenge of Jesus' Parables, Eerdmans, 2000, ISBN 0-8028-4638-6, p. 141. em inglês (30/05/2011)
  8. a b c d Michael F. Bird, Jesus and the Origins of the Gentile Mission, Continuum, 2006, ISBN 0-567-04473-4, pp. 73–77.
  9. a b Ben Witherington, [http://books.google.com/books?id=QzNgJ_9fOAwC&pg=PA171 Evangelho de Marcos, Eerdmans, 2001, ISBN 0-8028-4503-7, pp. 171–172. em inglês (30/05/2011)
  10. Pliny the Elder, Natural History, translated by Harris Rackham, Loeb, 1950, Book XIX, Chapter LIV.
  11. Trata-se de Nota de Rodapé que também comenta a Parábola do Fermento (Mateus 13:33)
  12. A Bíblia de Jerusalém também destaca que:
    1. Jesus a faz outra referência ao grão de mostarda em Mateus 17:20;
    2. no Antigo Testamento podem ser encontradas referências a uma grande árvore na qual "em seus galhos se aninhavam as aves do céu" em Ezequiel 17:22-23, Daniel 4:7-9 e Daniel 4:17-18.
  13. Capítulo 4 do Evangelho segundo Marcos, acesso em 16 de junho de 2013.
  14. Trata-se de Nota de Rodapé que também comenta a Parábola do Fermento (Lucas 13:20-21)
  15. Também destaca que Jesus a faz outra referência ao grão de mostarda em Mateus 17:20 e em Lucas 17:20.
  16. A Tradução Ecumênica da Bíblia também destaca que Ezequiel também se refere ao cedro magnífico em Ezequiel 31:3-9
  17. A Tradução Ecumênica da Bíblia destaca que na versão apresentada no Evangelho segundo Mateus, a referência a vinda dos pássaros é precedida pela expressão "de sorte".