Parapsicologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O cientista William James foi um dos fundadores da American Society for Psychical Research.
O cientista Sir William Fletcher Barrett foi um dos fundadores da Society for Psychical Research.
Ganzfeld, um dos experimentos que são realizados para averiguar fenômenos do gênero PES.

Parapsicologia, vem do grego "para" [além de], "psique" [alma, espírito, mente, essência] e "logos" [estudo, ciência, essência cósmica] e sugere o significado etimológico de tudo que está "além da psique", "além da psicologia" ou mais especificamente, o que está além e, portanto inclui a psique e a psicologia. Neste sentido, podemos dizer que a Parapsicologia é uma Transpsicologia ou se correlaciona diretamente com a Psicologia Transpessoal e outras áreas das investigações mais avançadas, como a Psicobiofísica, Psicotrônica, Projeciologia e afins.

Pode ser compreendida, a partir de um ponto de vista estrito senso, como o estudo de alegações paranormais e associados à experiência humana, ou seja, as interações sensoriais e motoras que aparentemente não são geradas por nenhum mecanismo ou agente físico conhecido. Esses fenômenos também são conhecidos como fenômenos paranormais ou fenômenos Psi. O termo "Parapsicologia", criado em 1889 pelo psicólogo Max Dessoir[1] , foi adotado pelo Dr. Joseph Banks Rhine em 1930 como um substituto para os termos Metapsíquica e "Pesquisa Psíquica".

A Parapsicologia abrange a pesquisa de grande número de fenômenos paranormais, por exemplo: telepatia, retrocognição, precognição, clarividência, telecinese, experiência de quase-morte, projeção da consciência[2] , reencarnação[3] e mediunidade em geral.

Embora a Parapsicologia seja representada por cerca de 30 países[4] e esteja integrada a muitas instituições de caráter científico consensualmente reconhecido, como a Associação Americana para o Avanço da Ciência e a Universidade de Virginia[5] [6] [7] , a sua posição como um ramo da ciência ainda é contestada[8] sendo que alguns cientistas, incluindo psicólogos, classificam-na como pseudociência, argumentando que a Parapsicologia continua suas investigações embora não tenha corroborado os resultados defendidos através do método científico, mesmo já decorridos mais de um século de pesquisas afins.[9] [10] [11] O Nobel em Física Brian David Josephson e alguns outros defensores da Parapsicologia têm falado sobre "ataques irracionais à Parapsicologia" que decorrem das dificuldades de "colocar estes fenômenos em nosso sistema atual do universo".[12]

Definição[editar | editar código-fonte]

Há uma tradição dentro do senso comum que sustenta que os mundos subjetivo e objetivo são completamente distintos, sem que haja qualquer implicação entre eles. O subjetivo existe “aqui, dentro da cabeça”, enquanto que o objetivo existe “lá, no mundo externo”. A Parapsicologia é o estudo de fenômenos que sugerem que a dicotomia estrita entre objetivo/subjetivo pode ser, ao contrário, parte de um conjunto, com alguns fenômenos entremeando ocasionalmente o que é puramente subjetivo e o que é puramente objetivo. Chamamos tais fenômenos de “anômalos” porque são difíceis de serem explicados pelos modelos científicos tradicionais.

Aspectos científicos[editar | editar código-fonte]

A maioria dos parapsicólogos, atualmente, espera que estudos adicionais venham finalmente explicar essas anomalias em termos científicos, apesar de não estar claro se eles podem ser completamente compreendidos sem expansões significativas (poderia se dizer revolucionárias) do estado atual do conhecimento científico. Outros pesquisadores assumem a posição de que modelos científicos já existentes, tais como os de percepção e de memória, são adequados para explicar alguns dos fenômenos parapsicológicos.

Abrangência[editar | editar código-fonte]

A Parapsicologia estuda os seguintes aspectos:

Referências

  1. Wolfgang G. Bringmann, Helmut E. Lück, Wolfgang G. Bringmann A pictorial history of psychology 1997, p. 71
  2. Society for Psychical Research, Less Incomplete: A Guide to Experiencing the Human Condition beyond the Physical Body, by Sandie Gustus, 2009.
  3. http://archived.parapsych.org/newsletters/Ian-Stevenson-Bibliography.html
  4. [1]Harvey J. Irwin and Caroline Watt. An introduction to parapsychology, McFarland, 2007, pp. 248-249.
  5. Melton, J. G.. Parapsychological Association. In Encyclopedia of Occultism & Parapsychology. [S.l.]: Thomson Gale, 1996. ISBN 978-0-8103-9487-2
  6. [2]
  7. [3]University of Virginia School of Medicine. The Division of Perceptual Studies.
  8. Flew, Antony. (1982). "Philosophy of Science and the Occult".
  9. Cordón, Luis A.. Popular psychology: an encyclopedia. Westport, Conn: Greenwood Press. 182 p. ISBN 0-313-32457-3
  10. Bunge, Mario. (1991). "A skeptic's beliefs and disbeliefs". New Ideas in Psychology 9 (2): 131–149. DOI:10.1016/0732-118X(91)90017-G.
  11. Blitz, David. (1991). "The line of demarcation between science and nonscience: The case of psychoanalysis and parapsychology". New Ideas in Psychology 9: 163–170. DOI:10.1016/0732-118X(91)90020-M.
  12. [4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em português
Em inglês
Em espanhol