Parobé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Parobé
Bandeira desconhecida
Brasão de Parobé
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Fundação 1 de maio de 1982 (32 anos)
Gentílico parobeense
Prefeito(a) Cláudio Silva (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Parobé
Localização de Parobé no Rio Grande do Sul
Parobé está localizado em: Brasil
Parobé
Localização de Parobé no Brasil
29° 37' 44" S 50° 50' 06" O29° 37' 44" S 50° 50' 06" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Microrregião Porto Alegre IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Porto Alegre
Municípios limítrofes Igrejinha, Taquara, Araricá e Nova Hartz
Distância até a capital 75 km
Características geográficas
Área 109,026 km² [2]
População 54 599 hab. est. IBGE 2013[3]
Densidade 500,79 hab./km²
Altitude 54 m
Clima subtropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,786 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 709 137,949 mil 2011[5] .
PIB per capita R$ 9 507,97 IBGE/2008[6]
Página oficial

Parobé é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul, situada na Região Metropolitana de Porto Alegre e localiza-se a 75 quilômetros da capital do estado Porto Alegre. Possui uma população de 55 056 habitantes, estimada em 2014 pelo IBGE[7] , e é o segundo maior município do Vale do Paranhana.

História[editar | editar código-fonte]

Seus primeiros povos foram os indígenas, mais especificamente nômades que sempre se locomoviam pelas matas da região, variava de acordo com o alimento encontrado. Outros moravam em cavernas nos morros ou em cabanas. No fim do século XVIII chegaram os primeiros povos brancos, sendo os imigrantes portugueses e os luso-brasileiros de cidades conhecidas como Viamão e Santo Antônio da Patrulha.

Surgiu do desmembramento da Fazenda José Martins na segunda metade do século XIX. A sua grande propriedade recebia o nome de Nossa Senhora da Conceição do Funil, devido ao Arroio Funil, que até hoje passa ao oeste da cidade. Sua influência alemã na cidade se dá por conta das famílias da cidade de Taquara que também passaram a habitar a vila na época e vieram juntamente com Tristão Monteiro no ano de 1846 para comprar as terras. Em 1908, Parobé elevou oficialmente a categoria de 3º Distrito de Taquara.

Recebeu seu nome em homenagem ao então secretário de Obras do Estado, engenheiro João José Pereira Parobé, que foi responsável pela construção de uma estrada de ferro levando seu nome em 1904, que passava no município. A cidade começou a se formar em torno dela e o nome da estação ferroviária foi preservado. Atualmente, a estação é um museu e está localizado na praça central da cidade.

Em 1982 se emancipou de Taquara, depois do crescimento da indústria calçadista nos anos 1970.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Pertence à Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre e à Microrregião Porto Alegre, também é conhecida por estar localizada no chamado Vale do Paranhana.

É um município que conta com as águas dos rios dos Sinos e Paranhana e tem como área 104 km², ocupando sucessivamente 0,04% do território gaúcho. Baseado nesses dados, 66 km² são de área urbana e 38 km² de área rural. Ela está localizada ao norte com Igrejinha, a sul e a leste com Taquara e oeste com Nova Hartz e Araricá, curiosamente, é possível chegar até as três primeiras cidades citadas percorrendo um caminho por dentro da cidade, assim, tendo alternativas diferentes para os caminhos sem precisar utilizar a principal estrada de acesso, RS-239.

A cidade é bem localizada geograficamente, ficando relativamente perto de Porto Alegre, mas localizada mais perto ainda de cidades médias do estado como Novo Hamburgo e São Leopoldo, facilitando assim a proximidade com centros de ensino superior importantes como IENH, Feevale e Unisinos localizadas em ambas as cidades e também da Faccat, em Taquara. Parobé também é considerada Encosta da Serra, e fica a 43 quilômetros da cidade turística da Serra Gaúcha Gramado, que está situada na Região das Hortênsias. Sua localização também facilita o caminho para o litoral norte do estado, ficando a 95 quilômetros do mesmo, sendo Tramandaí a mais acessível e também a praia onde muitos habitantes da cidade costumam frequentar durante os verões.

Seu clima é subtropical, o que ocasiona um inverno rigoroso e bastante úmido, além de um verão com altas médias em relação a outras cidades do estado. As quatro estações do ano são bem definidas, tendo o outono e a primavera completamente dentro dos padrões característicos de sua estação.

Inicialmente teve colonização predominantemente alemã e até hoje há famílias bastante tradicionais na cidade, mantendo sua forte influência. Mas devido à grade oferta de mão-de-obra das grandes empresas instaladas no município durante seu desenvolvimento, houve intensa imigração, e hoje é bastante multicultural.

Subdivisão[editar | editar código-fonte]

Parobé conta com os distritos rurais de Santa Cristina do Pinhal e Poço Fundo, também conta com aproximadamente outros 35 bairros, sendo eles:

  • Centro
  • Nova Parobé
  • Planaza
  • Bela Vista
  • Funil
  • Guarujá
  • Alto Guarujá
  • Vila Mariana
  • 3L
  • COHAB
  • XV de Junho
  • Muck
  • Alvorada
  • Emancipação
  • Laranjeiras
  • Guarani
  • Primavera
  • Residencial Azaleia
  • Alexandria
  • Integração
  • Vila Jardim
  • Palmeiras
  • Arroio do Sal
  • Fazenda Martins
  • Boa Vista
  • Morro da Canoa
  • Fazenda Pires
  • Vila Nova
  • Vila Feliz
  • Planalto
  • Panorâmico
  • Pôr do Sol
  • São José
  • Areia Branca
  • Vista Alegre
  • Morro Negro

Turismo[editar | editar código-fonte]

De um modo geral, Parobé não possui pontos turísticos. Conta apenas com três sítios nas zonas rurais e mais isoladas, o que dificulta o interesse dos visitantes, além da fraca divulgação dos mesmos, que não são explorados como deveriam para a melhoria de renda e turismo na cidade.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

A principal via de acesso à cidade é pela RS-239, que faz a ligação de cidades como: Estância Velha, Novo Hamburgo, Campo Bom, Sapiranga, Araricá, Nova Hartz, Taquara e Rolante. Além disso, também é possível o acesso através da RS-115 que facilita o acesso à Taquara, Igrejinha, Três Coroas e Gramado, na serra gaúcha. Parobé não conta com uma escola particular, tendo apenas escolas públicas, o que facilita vários estudantes que procuram uma educação melhor a procurar outras instituições na cidade vizinha Taquara. Também não apresenta uma instituição de ensino superior, assim, a procura por alternativas passar a ser em cidades próximas como Taquara, Novo Hamburgo e São Leopoldo.

Esporte e Lazer[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com algumas áreas de lazer, consideravelmente tendo cinco praças em diferentes pontos da cidade, além de uma Vila Olímpica que possui um campo de futebol, pista de atletismo e pista de skate, construída recentemente no ano de 2011. Além disso, conta com quadras de futebol de areia, vôlei e outros campos de futebol espalhadas por diferentes bairros. A caminhada e a corrida são esportes bastante praticados pela população diariamente nas ruas, além mesmo do ciclismo, com menos notoriedade.

População e Demografia[editar | editar código-fonte]

Sua população é multicultural, formada por colonização alemã, portuguesa, brasileira e até mesmo indígena. O alto indíce de sua população, segundo o censo de 2010 do IBGE é da população mais jovem de 10 a 19 anos, mas que também não apresentam grandes disparidades em relação a moradores de 20 a 39 anos. Em 2013 numa pesquisa divulgada pela ONU[8] mostrou que Parobé atualmente está com o IDH-M alto (0,704), o que indicaria um índice inferior a publicação anterior em que a cidade estava mais elevada. Ainda é constatado que a longevidade está muito alta, a renda alta e a educação ainda em baixo desenvolvimento.

Crescimento Populacional[editar | editar código-fonte]

Ano[9] População
1991 31 995
1996 40 375
2000 44 776
2007 48 713
2010 51 502
2013 54 599
2014 55 056

Economia[editar | editar código-fonte]

Muito antes de sua emancipação, na década de 1900 e 1910, a produção agrícola, mais especificamente a mandioca era a principal economia da vila, além disso, carpinteiros, ferreiros e sapateiros davam seu jeito de lucrar na produção artesanal. Hospedarias e armazéns abasteciam o povo que ali habitava, havendo apenas uma serraria e um moinho de grãos.

A transformação e divisão de terras, transformou a vila em minifúndios, não tendo condições de sobrevivência para as próximas gerações, desde então jovens começaram a migrar e trabalhar em cidades como Porto Alegre e Novo Hamburgo e outros, com mais poder econômico começavam então a instalar suas primeiras empresas calçadistas na vila, desde então, o crescimento no setor calçadista permanece até hoje.

O início das exportações levou ao grande crescimento de empresas e principalmente de empregos nos anos 70, a migração passou a ser significativa de pessoas de municípios distantes e até mesmo de outros estados, esse forte, rápido e contínuo crescimento fez com que Taquara não tivesse mais condições de atender as necessidades da população, já que não tinha escolas, hospitais, bancos, pavimentação de ruas e rede de água no distrito, levando assim a emancipação.[10]

Ainda sede de grandes fábricas da indústria de calçados, conta atualmente com a fábrica de calçados femininos Bottero, criada em 1985 na cidade e instalada em outras seis cidades do estado e também com a Bibi Calçados, que fabrica calçados para crianças de 0 a 12 anos, criada no ano de 1949 e está instalada na cidade desde então. Além dessas fábricas, outras diversas estão instaladas em Parobé, sem contar atelier de calçados que facilmente surgem diariamente, facilitando assim cada vez mais a produção calçadista. No passado, também contou com sedes de outras empresas de destaque, como a Calçados Azaleia, Starsax, Calçados Simpatia entre outras.

Em 2011 a Calçados Azaleia demitiu cerca de 800 funcionários e encerrou a produção na região com o fechamento da fábrica. O motivo segundo a direção, seria a concorrência com os importados. A fábrica estava instalada na cidade há 50 anos, atualmente a Azaleia está apenas com a parte administrativa instalada na cidade. Apesar de ter abandonado a produção na cidade, isso não alterou significativamente na economia, rapidamente funcionários conseguiram ser empregados em outras fábricas e atelier.

Além do setor calçadista, a cidade ainda conta com a Mosmann Alimentos, indústrias de massas alimentícias e biscoitos com sabor colonial, que está instalada também na cidade desde 1945, chegando por alguns momentos ser a mais vendida massa caseira do sul do Brasil, além das bolachas marias serem bastante vendidas. O comércio e os serviços em geral também são fatores primordiais para manter a economia de Parobé sempre estável.

Distrito Industrial[editar | editar código-fonte]

No mês de abril do ano de 2014, o prefeito Cláudio Silva assinou as escrituras em que será implantado o Distrito Industrial da cidade[11] , localizado em Santa Cristina do Pinhal, o que é considerado um fator para mudar o status econômico de Parobé, com objetivos de fortalecer o setor calçadista e diversificar a economia para outros setores na cidade. O investimento foi de R$500 mil da administração em uma área de 19 hectares, em um espaço para cerca de 100 indústrias, com o planejamento de colocação habitacional no entorno.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. IBGE. Estimativa Populacional 2013, 01/07/2013
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/zh_tabela_municipios/TABELAMUNI1.pdf
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas IBGE_PIB
  7. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2014/estimativa_dou.shtm
  8. http://g1.globo.com/brasil/idhm-2013/platb/
  9. População de Parobé População de Parobé Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). Visitado em 27 de janeiro de 2014.
  10. A Cidade de Parobé História de parobé Prefeitura Municipal de Parobé (2013). Visitado em 27 de janeiro de 2014.
  11. http://parobe.rs.gov.br/index.php/todas-as-noticias/37-geral/1838--assinada-as-escritura-dos-terrenos-em-que-sera-implantado-o-distrito-industrial-de-parobe

Ligações externas[editar | editar código-fonte]