Parque Ecológico de Indaiatuba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros.
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Parque Ecológico de Indaiatuba
Escultura "Garças" no segundo trecho do Parque
Localização Avenida Engº Fábio Roberto Barnabé
Tipo Público
Inauguração 1992
Administração Prefeitura de Indaiatuba

O Parque Ecológico de Indaiatuba, anteriormente denominado Parque Ecológico Presidente Fernando Collor de Mello[1] , é o mais importante parque urbano do município de Indaiatuba. A primeira etapa de sua extensão foi inaugurada em 1992. O parque foi planejado originalmente pelo arquiteto e urbanista Ruy Ohtake.[2]

O Parque margeia o Córrego Barnabé em quase toda a sua extensão.

As avenidas marginais ao Parque, que ligam a Zona Norte a Zona Sul da cidade, formam a Avenida Engenheiro Fábio Roberto Barnabé.[3]

História[editar | editar código-fonte]

No local onde está o Parque Ecológico atualmente, havia uma faixa que ficava entre o centro urbano e a antiga zona rural do município, com um extenso limite com a Fazenda Santa Dulce (ou Fazenda Pau-Preto). O local era conhecido como Fundo do Vale, uma região cortada pelo Córrego do Barnabé.

Com a expansão urbana de Indaiatuba, o Fundo do Vale começou a se tornar um local insalubre pois o lixo e esgoto gerados na cidade iam parar ali e muito rapidamente práticas predatórias destruíram a vegetação ribeirinha nativa. Inundações sucessivas demonstravam cada vez mais a insalubridade da região para a população que rapidamente foi construindo suas casas nos arredores do local.

Além desses fatores, o Fundo do Vale passou a ser um obstáculo entre a região norte da cidade já desenvolvida e a sul mais carente, rapidamente povoada após o loteamento que deu origem ao Jardim Morada do Sol.

No final da década de 1980, a Prefeitura, na gestão de Clain Ferrari, inicia o saneamento e urbanização do Fundo do Vale. No fim da primeira parte das obras, no inicío da década de 1990, houve a drenagem das áreas alagadiças, a despoluição (parcial) do Córrego do Barnabé e a criação de lagos através de barragens assim formando o primeiro trecho do Parque Ecológico que compreende o trecho entre a confluência das Avenidas Conceição e Presidente Kennedy e a Rua José Amstalden.

Em anos posteriores, com o prolongamento das avenidas marginais do Parque e o crescente número de loteamentos as suas margens, o curso do Córrego Barnabé em direção a Zona Sul foi recebendo urbanização com a instalação de equipamentos de esporte e lazer e significativo plantio de mudas de árvores. Nestas novas etapas de urbanização não se seguiu o projeto original de Ruy Othake, descaracterizando a proposta original.

Fotografia panorâmica de trecho do Parque Ecológico e seus arredores.

Proposta Original[editar | editar código-fonte]

Seguindo a proposta original do projeto, o Parque não seria cortado por outras vias, o que não ocorre atualmente. O Parque seria um extenso eixo de aproximadamente 10 quilômetros lineares com uma área de aproximadamente 2 milhões de metros quadrados que contaria 12 centros comunitários, viveiro de pássaros, restaurante, museu, pátio de esculturas, centro de exposição de flores, centro administrativo com Fórum, Câmara e Paço Municipal, barcos, pedalinhos, teatro de arena, lanchonete e ciclovia em todo o contorno do Parque.

Atualmente do projeto original só existem os pedalinhos e lanchonetes construídos no trecho denominado Parque Temático inaugurado em 2011 e a ciclovia que foi sendo aberta gradativamente em vários trechos do Parque. O Paço Municipal se localiza na Marginal Direita do Parque mas não faz parte do perímetro do mesmo, como constava no projeto original.

Esporte, lazer e cultura[editar | editar código-fonte]

Além das áreas verdes com bosques, lagos e jardins, fazem parte do Parque vários equipamentos e edificações destinados a prática de esportes, lazer e cultura.[4] São eles:

Ciclovia
Pista de Bicicross Luiz Claudio Katayama
  • Concha Acústica
  • Equipamentos de ginástica ao ar livre
  • Quadras de futebol e vôlei
  • Playgrounds
  • Ciclovia
  • Campo de Treinamento de Rugby
  • Velódromo Municipal / Centro de Formação de Atletas de Alto Rendimento (Ciclismo)
  • Pista de Cooper
  • Pista de Aeromodelismo
  • Pista de Automodelismo
  • Pista de Skate Profissional
  • Pista de Bicicross Oficial
  • Raia de Remo Olímpico - O prédio administrativo da raia foi construído em forma de um barco.
  • Parque Temático Infantil - Possui brinquedos de fibra imitando animais em tamanho gigante, quadra de tênis, quisoques de lanche e pedalinhos no lago defronte ao Parque.
  • Praça de Eventos (Praça do Lago)

Prédios Públicos[editar | editar código-fonte]

Dentro do perímetro do Parque também se localiza prédios públicos dos setores de educação, cultura, saúde e segurança. São eles:

  • Unidade II do CEPIN – Centro de Educação Profissionalizante de Indaiatuba da FIEC - Fundação Indaiatubana de Educação e Cultura;
  • CIAEI – Centro Integrado de Atenção a Educação de Indaiatuba. Em suas dependências se encontra a Sala Acrísio de Camargo, um auditório que é considerado pela população local como o teatro municipal da cidade;
  • Pista para Aprendizagem de Direção Veicular;
  • Posto do Ecobike - Programa municipal de empréstimo gratuito de bicicletas;
  • Sede da Guarda Civil;
  • Centro Cultural Hermegenildo Pinto (Jardim Morada do Sol);
  • CRAS – Centro de Referência de Assistência Social;
  • DEREFIM – Departamento de Reabilitação Física e Mental;
  • ETA V - Estação de Tratamento de Água do SAAE - Serviço Autônomo de Água e Esgotos.


Galeria de Fotos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Câmara Municipal de Indaiatuba. Lei Nº 2731 de 06 de setembro de 1991 (Revogada). Visitado em 17 de maio de 2013.
  2. Prefeitura Municipal de Indaiatuba. Pontos Turísticos. Visitado em 17 de maio de 2013.
  3. Câmara Municipal de Indaiatuba. Lei Nº 3676 de 22 de março de 1999. Visitado em 17 de maio de 2013.
  4. Prefeitura Municipal de Indaiatuba. Pontos Turísticos. Visitado em 17 de maio de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre um parque é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.