Parque Nacional Canaima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pix.gif Parque Nacional Canaíma *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Canaima, Venezuela.jpg
Salto Ángel
País  Venezuela
Critérios (vii)(viii)(ix)(x)
Referência 701
Coordenadas 5° 20′ N 61° 30′ W
Histórico de inscrição
Inscrição 1994  (18ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
Harpia, parte da avifauna da região de Canaima

O Parque Nacional Canaima é um parque nacional localizado no estado Bolívar, Venezuela.[1] Foi criado em 12 de junho de 1962 e declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO no ano de 1994. Apresenta área de 30.000 km²[2] (pouco maior que o território da Bélgica) e por seu tamanho é considerado o sexto maior parque nacional do mundo.

Cerca de 65% do parque estão ocupados por mesetas de rocha chamadas tepuis. Estes constituem um meio ambiente único, apresentando também um grande interesse geológico. Suas montanhas escarpadas e quedas d'água (incluindo o salto Ángel, a cachoeira mais alta do mundo, com mil metros) formam paisagens espetaculares.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A história de Canaima como destinação turística começou quando o piloto Charlie Baughan sobrevoou pela primeira vez o lago de tanino da região em 1954.[3] Com intuito de obter lucro com a exploração do turismo nessa região de beleza impressionante, fundou a companhia Empresas Gran Sabana S.A. e levou consigo o pintor alemão Heinz Dollacker para que este reproduzisse a pitoresca paisagem em tela, a fim de que esta fosse posta num mapa turístico.[3] Ao voltar a Caracas, além de exibirem os trabalhos de Dollacker, eles produziram uma brochura intitulada «Canaima – um pedacinho do paraíso na terra».[3]

Em 1975 o governo aumentou a área do parque de um para três milhões de hectares, ao reconhecer seu valor como santuário das nascentes do rio Caroni,[4] no qual foi construído um grande complexo hidrelétrico, com quatro usinas (Macagua I e II, Caruachi e Guri).[5]

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

A fauna da região inclui tatu-gigante, cachorro-d'água-gigante, tamanduá-gigante, jaguar, preguiça-de-dois dedos, macaco-viúva , macaco-prego-do-orinoco, Podoxymys roraimae (roedor endêmico do tepui Roraima), Marmosa tyleriana (marsupial endêmico dos cumes tepuianos), harpia, arara-anã, catorra-morada, sapo-mineiro, entre outros.[6]

Quanto à flora, há mais de trezentas espécies endêmicas somente na Gran Sabana, como as dos géneros Achnopogon, Chimantaea, Quelchia, Tepuia, Mallophyton, Adenanthe, bem como abundantes espécies insectívoras dos géneros: Bromélia, Drosera, Heliamphora, Utricularia.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O parque é banhado exclusivamente por rios que compõem o Caroni, afluente do rio Orinoco, e dois dos saltos de água mais altos do mundo, o salto Ángel e o Kukenán e grande quantidade de cataratas de menor altura.

Tepuis[editar | editar código-fonte]

Tepuis

Os tepuis são mesetas com características inigualáveis, em que se destacam suas paredes verticais e seus cumes praticamente planos, há contudo vários deles que não cumprem tais regras.

Geologicamente, constituem restos de uma cobertura sedimentaria formada por arenito muito antigo que se superpõe a uma base de rochas ígneasgranito, sobretudo — ainda mais antigas, com quase três bilhões de anos. Sobre seus cumes habita uma quantidade muito importante de espécies endêmicas únicas, tanto de vegetais como de animais. Algumas espécies vegetais endêmicas estão categorizadas como carnívoras, as quais encontram uma profusão de alimentos em seu habitat (insetos, principalmente), mais escassos nos cumes.

Tais formações têm idade geológica que oscila entre 1,5 e 3 bilhões de anos, o que as converte em uma das formações mais antigas do planeta.[carece de fontes?]

Os tepuis mais conhecidos são: o Auyantepuy (de onde se desprende o salto Ángel), o Roraima, o tepui Kukenán e o tepui Chimantá, entre muitos outros.[1]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c RAUB, Kevin,. Lonely Planet Venezuela. [S.l.]: Lonely Planet, 2010. 312 pp. ISBN: 9781742203881.
  2. Editores da AAAS (2000). Canaima National Park, Venezuela Atlas of Population & Environment. Visitado em 22 de agosto de 2014.
  3. a b c MURPHY, Alan; DAY, Mick. Venezuela Handbook. [S.l.]: Footprint, 2000. 405 pp. ISBN: 9781900949583.
  4. MACKINNON, John Ramsay & Kathy. Manejo de áreas protegidas en los trópicos. [S.l.]: União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), 1986. 295 pp. ISBN: 9782880328085.
  5. PINTO, Luís Flodoardo Silva. Amazônia: retrato de uma região questionada. [S.l.]: Editora Age, 2000. 2007 pp.
  6. MINGUET, Charles. Canaima. [S.l.]: Editorial Universidad de Costa Rica, 1996. 562 pp. ISBN: 9788489666191.