Parque Nacional da Peneda-Gerês

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parque Nacional da Peneda-Gerês
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)
Ponte sobre o Rio Arado-Parque Nacional da Peneda-Gerês
Localização Minho e Trás-os-Montes
Dados
Área 70 290 hectares
Gestão Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade
Coordenadas 41° 43' N 8° 09' O

O Parque Nacional da Peneda-Gerês ou conjunto serrano da Peneda-Gerês" [1] , é o único parque nacional de Portugal e situa-se no extremo nordeste do Minho, estendendo-se até Trás-os-Montes, desde as terras da Serra da Peneda até a Serra do Gerês - daí a sua designação -, sendo recortado por dois grandes rios, o Rio Lima e Cávado. Fazendo fronteira com a Galiza, abrangendo os distritos de Braga (concelho de Terras de Bouro), Viana do Castelo (concelho de Melgaço, Arcos de Valdevez e Ponte da Barca) e Vila Real (concelho de Montalegre) numa área total de cerca de 70 290 hectares.[2]

O Parque Nacional da Peneda-Gerês é considerado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera.[3]

Logótipo do Parque

É uma das maiores atracções naturais de Portugal, pela rara e impressionante beleza paisagística e pelo valor ecológico e etnográfico[4] e pela variedade de fauna (corços, garranos, lobos, aves de rapina) e flora (pinheiros, teixos, castanheiros, carvalhos e várias plantas medicinais). Estende-se desde a serra do Gerês, a Sul, passando pela serra da Peneda até a fronteira espanhola.[5]

Inclui trechos da estrada romana que ligava Braga a Astorga, conhecida como Geira.[6] No parque situam-se dois importantes centros de peregrinação, o Santuário de Nossa Senhora da Peneda, réplica do santuário do Bom Jesus de Braga, e o de São Bento da Porta Aberta, local de grande devoção popular.[7]

Localidades[editar | editar código-fonte]

Nas localidades no interior do parque, a vida quotidiana mantém raízes firmes na tradição rural portuguesa. Algumas das de maior valor turístico são:

Destaca-se pelo seu castelo medieval (Castelo de Castro Laboreiro). É famosa pela raça de cães Castro Laboreiro[8]
Destaca-se por possuir o maior aglomerado de espigueiros antigos da Península Ibérica, e, pelo seu castelo do século XIII (Castelo de Lindoso).[9]
Ruínas do Mosteiro de Santa Maria das Júnias, construído em 1147.[10]
Aldeia com grande aglomerado de antigos espigueiros,[10] assentes num afloramento rochoso, com vistas para o vale do Rio Lima.
Aldeia submersa pela construção da Barragem Vilarinho das Furnas no rio Homem.[11]
Esta pitoresca aldeia destaca-se pela arquitectura popular antiga e pelas antigas tradições ainda preservadas.[7]
  • O fojo: a alma de (lobo em) Fafião!
Uma curva aqui, uma curva acolá por entre os penhascos e precipícios gritantes da magnífica Serra do Gerês, para conseguirmos encontrar a curiosidade que nos tinham relatado certo dia: o fojo do lobo, uma série de muros de pedra, construídos na Idade Média, que serviam como armadilha de lobos.[12]
  • O Vale (encantado) de Albergaria...
[Encantado] encantar, incantare: in=em; cantare="cantar", aqui com o sentido de "emitir palavras mágicas". Então encantar será "emitir palavras mágicas e lançá-las em alguém". Ou, então, "lançar um feitiço em alguém".[13]
Pincães é um lugar que se destaca pela beleza das cercanias com os seus prados verdejantes, pelos seus campos de oliveiras e pelo sossego.[14]
Aldeia encostada à serra, constitui-se como paradigma da sobrevivência, em tempos remotos, de uma comunidade agro-pastoril. Desse tempo ainda restam, além dos próprios campos de cultivos ao redor do espaço, o moinho de cubo e outro de levada, as poças e o gado comunitário. São frequentes as idas do gado para a serra pastoreado por gente da aldeia.[15]

Paisagem[editar | editar código-fonte]

Panorâmica da Albufeira da Caniçada, Vila do Gerês, Terras de Bouro

A natureza e orientação do relevo, as variações de altitude e as influências atlântica, mediterrânica e continental traduzem-se na variedade e riqueza do coberto vegetal: matos, carvalhais e pinhais, bosques de bétula ou vidoeiro, abundante vegetação bordejando as linhas de água, campos de cultivo e pastagens. As matas do Ramiscal, de Albergaria, do Cabril, todo o vale superior do rio Homem e a própria Serra do Gerês são um tipo de paisagem que dificilmente encontra em Portugal algo de comparável.[16]

Estas serranias já foram solares do Urso pardo e da Cabra montesa. O Lobo vagueia num dos seus raros territórios de abrigo. A Águia-real pontifica no vasto cortejo das aves. Micro-mamíferos vários, caso da Toupeira-de-água, diversidade de répteis e anfíbios e uma fauna ictiológica que inclui a Truta e o Salmão enriquecem o quadro zoológico.[17]

É um momento estranho. Parece que, de repente, ficamos extasiados perante tanta beleza. No coração deste vale (de Albergaria), diante do silêncio entrecortado pelo ruído do rio, assumimo-nos encantados perante tamanha beleza.[18]

História[editar | editar código-fonte]

O passado traduz-se nos castelos de Castro Laboreiro e do Lindoso, monumentos megalíticos e testemunhos da ocupação romana. A geira, o antigo caminho que conduzia os legionários de Bracara Augusta a Astorga, sobrevive num trecho da antiga calçada e nos curiosos marcos miliários. Curiosos povoados, a arquitectura dos socalcos, paradas de espigueiros, a frescura dos prados de lima, animam um quadro em que a ruralidade ainda está presente.[19]

Há também a Ponte da Mizarela, segundo a lenda foi construída pelo demónio, esta antiga ponte românica situa-se na freguesia de Ferral, no concelho de Montalegre. Nesta ponte travou-se uma importante batalha contra os franceses a quando das invasões, em que os populares saíram vitoriosos, derrotando assim o exercito francês.[11] [19]

Passando à frente e seguindo o trilho, eis que chegámos ao nosso destino. Por entre as ervas do caminho e as rochas que dificultam a visão, aparece, com algum ruído tranquilo de água, o Poço Azul...[20]

Actualidade[editar | editar código-fonte]

Actualmente, o PNPG tem cerca de 240 espécies de fauna vertebrada identificadas no território e 1100 de flora, além de 500 sítios de interesse histórico e arqueológico[21] .

Incêndios[editar | editar código-fonte]

De acordo com dados do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, entre 2000 e 2012 registaram-se 1098 incêndios no Parque Nacional, com uma área ardida de 31901 hectares. Equivale a cerca de 46% dos 69596 hectares de área total do PNPG mas, como há muitas áreas sujeitas a mais do que um incêndio naquele período, a área ardida corresponde a 38% do total[22] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. In: Leonel de Vieira. Portugal Património: Guia - Inventário (em português). Casais de Mem Martins, Rio de Mouro: Círculo de Leitores, 2007. Capítulo G02. p. 10. vol. II. ISBN 978-972-42-3908-8.
  2. Parque Nacional Peneda-Gerês www.cm-melgaco.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  3. Parque Gerês/Xurés é reserva da biosfera. Visitado em 27 de Maio de 2009.
  4. [http%3A%2F%2Fportal.icnb.pt%2FNR%2Frdonlyres%2F2CCF76F8-2288-4A03-B11E-1828DE1282C5%2F0%2FCARACTERIZACAOPATRIMONIO.pdf Revisão do plano de ordenamento do parque nacional da Peneda-Gerês]
  5. À Descoberta do Parque Nacional Peneda-Gerês www.destinoseviagens.com. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  6. A Geira na Serra do Gerês geira.cm-terrasdebouro.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  7. a b patrimonio cultural pnpg - ICNB portal.icnb.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  8. Castro Laboreiro www.cm-melgaco.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  9. Castelo alfarrabio.di.uminho.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  10. a b Serra do Geres - PNPG - Turismo - Localidades www.serradogeres.com. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  11. a b Parque Nacional da Peneda-Gerês, Descubra Portugal www.descubraportugal.com.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  12. O Fojo do Lobo - Fafião www.serra-do-geres.com. Visitado em 22 de Junho de 2011.
  13. O Vale [encantado de Albergaria...] www.serra-do-geres.com. Visitado em 22 de Junho de 2011.
  14. Pincães www.serra-do-geres.com. Visitado em 14 de setembro de 2014.
  15. Xertelo www.serra-do-geres.com. Visitado em 14 de setembro de 2014.
  16. flora pnpg - ICNB portal.icnb.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  17. Parque Nacional de Peneda-Gerês www2.ufp.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  18. Paisagem do Vale de Albergaria-Gerês www.serra-do-geres.com. Visitado em 22 de Junho de 2011.
  19. a b actividades humanas pnpg - ICNB portal.icnb.pt. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  20. Poço Azul - a Epifania... www.serra-do-geres.com. Visitado em 13 de Janeiro de 2010.
  21. Centenas de fotografias ilustram em livro os 40 anos do Parque Nacional Peneda-Gerês.
  22. 38% da Peneda-Gerês ardeu em 12 anos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Parque Nacional da Peneda-Gerês
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.