Parque Nacional de Ubajara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parque Nacional de Ubajara
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)
Localização Ceará, Brasil
Dados
Área 6 299 ha
Gestão ICMBio
Coordenadas 3° 46' S 40° 54' O
Parque Nacional de Ubajara está localizado em: Brasil
Parque Nacional de Ubajara

O Parque Nacional de Ubajara localiza-se no município de Ubajara, na Serra da Ibiapaba, no estado do Ceará, Brasil. Possui uma área de 6 299 ha. O perímetro do parque é de 63 604,263 m. É administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Objetivos[editar | editar código-fonte]

Proteger uma pequena amostra da Floresta Subcaducifólia Tropical, representativa de serra úmida em região semi-árida e sua transição até atingir a Caatinga. A unidade protege afloramentos de rochas calcárias bem como grutas encontradas em alguns destes afloramentos.

Atrativos[editar | editar código-fonte]

A grande atração do parque nacional de Ubajara é uma gruta situada em uma depressão de 535 m à qual se chega mediante um teleférico em excelente estado de conservação (1998). A vista desde o terraço do teleférico é impressionante. O ingresso aO parque custa R$ 2,00 por pessoa, e o bondinho, que começa a funcionar às 10 horas da manhã, R$ 4,00 por adulto e R$ 2,00 por criança. Existe uma trilha que requer um certo preparo físico e demora entre 1,5 e 2 horas em ser percorrida, que passa por cachoeiras muito bonitas e conduz igualmente à entrada da gruta. Prefira - se o seu estado físico permite - a trilha; o esforço físico é pesado mas as paisagens compensadoras.

O passeio na gruta é bem organizado, com guias do ICMBio, que - gratuitamente - conduzem os visitantes nos 400 metros iniciais e fornecem informações bastante interessantes. Os outros 300 estão atualmente reservados só a pesquisadores. A gruta é espetacular, com formações muito bonitas , e realmente vale a pena a visita. Os diversos salões foram batizados com nomes alusivos às figuras que as formações representam. A certa altura do passeio o guia desliga as luzes da caverna. A escuridão, assim como o silêncio, é total. Há morcegos, muitos morcegos na caverna; o cheiro é inesquecível. Mas não oferecem perigo algum aos visitantes.

O parque nacional de Ubajara foi criado com uma área de 563 hectares, em 30 de abril de 1929 e teve sua área ampliada para 6.288 hectares. A visita ao parque nacional de Ubajara é inteiramente gratuída, ou seja, no Parque não existe, ainda o seu sistema de "Cobrança de Ingresso". Existe no Parque o pagamento de taxas pelos serviços prestados. Atualmente é cobrado o valor de R$ 4,00 (quatro reais) para o Serviço de Guias, o qual é realizado pela Cooperativa de Trabalho, Assistência ao Turismo e Prestação de Serviços Gerais - COOPTUR, a qual firmou convênio com o parque nacional de Ubajara, através do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA (época). Para o passeio de teleférico, a taxa é de R$ 8,00 (oito reais), a qual é cobrada pelo Secretaria de Turismo do Ceará - SETUR. Atualmente o parque nacional de Ubajara é Administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio

Antecedentes Legais[editar | editar código-fonte]

Durante visita que fez à Gruta de Ubajara, no final da década de cinquenta, o então diretor do Serviço Florestal do Ministério da Agricultura, Dr. David Azambuja, ficou encantado com a riqueza do patrimônio espeleológico e da biodiversidade existente, bem como com as beleza cênicas do local, prometendo envidar todos os esforços junto aos seus superiores hierárquicos, visando tornar possível a criação de um Parque Nacional, com a finalidade de garantir a integridade e o processo de evolução do conjunto de formações geológicas existentes em Ubajara. Tudo indica que o então diretor levou a bom termo a sua promessa, pois no dia 30 de abril de 1959 era assinado pelo presidente da República, Juscelino Kubitschek de Oliveira, o decreto de criação do parque nacional de Ubajara.

Aspectos culturais e históricos[editar | editar código-fonte]

Consta que a Gruta de Ubajara é conhecida desde o início do século XVIII, quando os portugueses realizaram expedições na região em busca de minérios, especialmente prata, sem lograrem sucesso. Ubajara é de origem indígena e a tradução que prevalece para o nome é "Senhor da Canoa". Este nome teria surgido da lenda de um cacique que, vindo do litoral, teria habitado a gruta por muitos anos. Existem outras traduções para o nome como "Senhor das Flechas" e "Flecheiro Exímio". Algumas pessoas acreditam que a origem da gruta de Ubajara deve-se às escavações em busca de prata, somado a quase duzentos anos de intempéries. A origem e essência do Parque sempre foram a gruta de Ubajara, motivo de apaixonadas crônicas de personalidades locais.

Aspectos físicos e biológicos[editar | editar código-fonte]

Clima[editar | editar código-fonte]

Pode ser dividido em dois tipos um úmido e relativamente frio, de janeiro a junho, e outro seco e quente, que prolonga de julho a dezembro. As temperaturas estão entre 20 e 22 °C na Serra da Ibiapaba e em torno de 24 a 26 °C na depressão periférica.

Relevo[editar | editar código-fonte]

Composto por rochas variadas, que criam paisagens morfológicas diferentes. A Serra da Ibiapaba constitui uma das mais notáveis feições topográficas do Nordeste brasileiro pela extensão e continuidade da escarpa, que acompanha de perto os limites estaduais.

Vegetação[editar | editar código-fonte]

A caatinga é a vegetação predominante, mas outras três vegetações são encontradas na região: a Floresta Atlântica, a Floresta Subcaducifólia Amazônica e o Cerrado. A caatinga é constituída basicamente de árvores a arbustos espinhentos, que perdem as folhas na estação seca, de plantas suculentas espinhosas e de plantas herbáceas que desenvolvem-se depois das chuvas.

Fauna[editar | editar código-fonte]

A fauna é pobre em diversidade, o que é típico da região. Somente um estudo faunístico foi realizado constituindo-se em uma coleção de morcegos na gruta. O mocó é um roedor que pode ser encontrado na área habitando as rochas e escarpas, sendo muito caçado pela população regional que o utiliza como fonte de alimento. Pode-se observar também na região outros animais como o macaco-prego, o mico-estrela, o tamanduá-mirim, a cotia e mais de 120 espécies de aves.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.