Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vista de Brasília a partir do Parque Sarah Kubitschek

O Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek, mais conhecido apenas por Parque da Cidade é um parque localizado entre a Asa Sul e o Setor Sudoeste, em Brasília. Foi fundado em 11 de outubro 1978 e possui 4,2 km², superando outros parques urbanos como o Central Park em Nova York[1] .

Trata-se de um dos principais em mais extensos centros de lazer ao ar livre da cidade e, concentrando quadras de esportes, lagos artificiais, parque de diversões, centro hípico e pistas de caminhada, patinação e ciclismo. O parque é considerado patrimônio de Brasília.

Originalmente recebeu o nome de Rogério Pithon Farias, um jovem - filho do então governador - que morreu em um acidente de carro.[carece de fontes?] O parque ganhou fama nacional por meio da música Eduardo e Mônica do grupo brasiliense Legião Urbana.[carece de fontes?]

História[editar | editar código-fonte]

Além do projeto das superquadras, que previa grandes áreas verdes, o plano piloto do urbanista Lúcio Costa previa um jardim botânico, na Asa Sul, e um jardim zoológico, na Asa Norte, nas proximidades do Eixo Monumental, contudo após uma série de modificações do projeto original foi decidido que as duas áreas se somariam em um único parque, o Parque Zoobotânico de Brasília, na Asa Sul, cujo projeto seria desenvolvido por Roberto Burle Marx, em 1961[2] . Entretanto, somente na década de 1970, com o aumento da cidade, a necessidade de ocupação de seus limites para se proteger de invasões, somado à necessidade de criação de uma grande área pública de recreação, principalmente para as crianças, que o governador do Distrito Federal, Elmo Serejo Farias, determinou a implantação de um parque recreativo, em 1974, com área de 340 hectares, sendo necessária a criação de um novo projeto[2] . Lúcio Costa ficou responsável pelo planejamento urbanístico, os arquitetos Oscar Niemeyer e Glauco Campello ficaram responsáveis por alguns prédios a serem construídos e Burle Marx se dedicou ao projeto paisagístico. O parque foi inaugurado pelo presidente Ernesto Geisel e pelo governador Elmo Farias, em 1978, com o nome de Parque Recreativo Pitton Farias, homenagem ao filho do governador, falecido à época, sendo contudo popularmente conhecido como Parque da Cidade[2] . Em 1997, o governador Cristóvam Buarque sancionou lei modificando o seu nome para Parque da Cidade Dona Sarah Kubitschek, em homenagem à esposa do presidente Juscelino Kubitschek[2] .

Parque Ana Lídia[editar | editar código-fonte]

O Parque Ana Lídia é um parque recreativo dentro do Parque Sarah Kubitschek. Foi inaugurado em 1971, passou por uma reforma em 1999, junto com as obras gerais do Parque Sarah Kubitschek.[3] [4] 15.7936° S 47.8961° O

O parque foi criado com o nome de Iolanda Costa e Silva, esposa do presidente Artur da Costa e Silva, falecido em 1969, contudo foi renomeado em homenagem a Ana Lídia, criança encontrada morta, com sinais de tortura, perto da Universidade de Brasília, em 1973. O Caso Ana Lídia até hoje não foi solucionado; o crime prescreveu.[5]

No parque são apresentados vários temas e reflexões. Há referências pop, fanfarronice meio tropicalista, romantismo de longa metragem de animação da Disney, e uma concepção tradicional da infância. Ele possui um escorregador em forma de bota, e um carro de abóbora da cinderela, com todos os rococós formados pelos ramos na ala conto de fadas. Tem a ala dos meninos, com cabanas apaches, caravanas de velho oeste e barcos viking. Ao fundo existe a ala futurista ou progressista, com um foguete gigante e um trepa-trepa em forma de bolha.[6] Cerca de seis mil pessoas passam pelo parque durante o final de semana.

Referências

  1. O maior parque urbano do mundo. Jornal da Comunidade. Página visitada em 2012-05-25.
  2. a b c d Tanure, JD. , "O projeto de paisagismo de Burle Marx e equipe para o 'Parque da Cidade' em Brasília" (2007), Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
  3. Rollemberg, Rodrigo (2009-05-28). Abandono do Parque Recreativo Ana Lídia Braga. Website do deputado federal Rodrigo Rollemberg. Página visitada em 2010-01-09.
  4. Maia, Maria Eduarda (2005-10-13). OBRAS - Reformas do Parque Ana Lídia já começaram. Governo do Distrito Federal, Secretaria de Comunicação Social, Agência Brasília de Notícias. Página visitada em 2010-01-09.
  5. Parque Ana Lídia, Os Corruptos. letras.mus.br. Página visitada em 2010-01-09.
  6. Passeio no Ana Lídia. Blog Toujours Vivão (2007-08-04). Página visitada em 2010-01-09.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um parque é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.