Partido Social Democrático (1945-2003)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde março de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Partido Social Democrático
Número no TSE 41
Fundação 17 de julho de 1945
(refundado em 1987)
Ideologia Centro-direita

Partido Social Democrático (PSD) foi um partido político brasileiro, fundado em 17 de julho de 1945 e extinto pela ditadura militar, pelo Ato Institucional Número Dois (AI-2), em 27 de outubro de 1965. Foi formado sob os auspícios de Getúlio Vargas, de caráter liberal-conservador, reunindo antigos interventores do governo federal nos estados, como Benedito Valadares em Minas Gerais, Fernando de Sousa Costa de São Paulo, Almirante Ernâni do Amaral Peixoto do Rio de Janeiro, seu irmão Augusto, no então Distrito Federal, depois Guanabara e Agamenon Magalhães de Pernambuco. Entre 1945 e 1964, junto com o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), formava o bloco pró-getulista da política brasileira, em oposição à União Democrática Nacional (UDN), antigetulista. Durante sua existência, foi o partido majoritário na Câmara dos Deputados, tendo eleito dois presidentes da República: Eurico Gaspar Dutra, em 1945, e Juscelino Kubitschek de Oliveira, em 1955; na breve experiência parlamentarista, teve um primeiro ministro de sua legenda, o mineiro Tancredo Neves.

O PSD teve próceres como o maranhense Clodomir Cardoso, o cearense Armando Falcão, o pernambucano Etelvino Lins, o baiano Luiz Vianna Filho, o gaúcho Ildo Meneghetti, o mineiro Carlos Luz, o catarinense Nereu Ramos ou os paulistas Auro de Moura Andrade e Ulysses Guimarães, ou ainda o mineiro Negrão de Lima, que chegou a ser eleito Governador da Guanabara.

Após a extinção do PSD, seus membros se dividiram: uns foram para o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), único partido de oposição à ditadura permitido após a instituição do bipartidarismo com o AI-2; e outros ingressaram na Aliança Renovadora Nacional (Arena), o partido que apoiava o regime instalado em 1964; em ambas as legendas, os ex-pessedistas se organizavam como alas à parte, em sublegendas.

Refundação e incorporação ao PTB[editar | editar código-fonte]

Uma nova versão do partido é criada em 1987, com o número 41, fundado pelo paulista Luiz Pacces Filho e dirigido em seus primeiros anos pelo grupo político do ex-ministro cearense César Cals, sem obter, contudo, o mesmo sucesso das décadas de 40 e 50, associando-se à bancada ruralista. Estreou nas urnas em 1988, ano em que ocorreram as eleições municipais.

No pleito presidencial de 1989 lançou a candidatura de Ronaldo Caiado, coligando-se com o Partido Democrático Nacional (PDN). A partir da década de 1990 passou a ser liderado pelo deputado estadual Nabi Abi Chedid, de São Paulo (falecido em 2006). A última eleição disputada pelo PSD foi em 2002, tendo elegido alguns candidatos a deputado federal e estadual e um senador. Em 2003, foi incorporado ao Partido Trabalhista Brasileiro.

Volta do PSD, com dissidentes de vários partidos[editar | editar código-fonte]

Em 2011, foi fundado outro Partido Social Democrático, criado a partir de políticos dissidentes do partido Democratas, Partido Progressista, Partido da Social Democracia Brasileira, Partido do Movimento Democrático Brasileiro, Partido Trabalhista Brasileiro, Partido Popular Socialista, entre outros, que foram encabeçados pelo então prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e tendo como articuladores Indio da Costa e a senadora ruralista Kátia Abreu, antes filiados ao DEM.

Ícone de esboço Este artigo sobre política, partidos políticos ou um político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.