Patrício

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Os patrícios, do grego patriótes (patrício) que deu origem a patriota[1] , eram cidadãos de República Romana que constituíam a aristocracia romana, a sua nobreza. Detinham vários privilégios governamentais, dentre eles, a isenção de tributos, a exclusiva possibilidade de se tornarem soberanos de Roma e também a de serem senadores. Desempenhavam altas funções públicas, no exército, na religião, na justiça ou na administração. Eram grandes proprietários de terra e credores dos plebeus. Os patrícios, descendentes das famílias mais antigas de Roma, ou seja, também dos chefes tribais da região do período pré-romano, foram, durante o Reino de Roma, a República Romana e o Império Romano, os donos das maiores e melhores terras, anfitriões das mais luxuosas festas e dominavam a cena política.

Na cidade habitavam num Domus, uma grande e sofisticada residência no meio urbano, e quase sempre tinham propriedades rurais, as vilas (em latim: villa), casas senhoriais de campo constituídas essencialmente por três secções:

  • a pars urbana, onde moravam os proprietários e a sua família.
  • a pars frumentaria, onde se situavam as instalações de uso comum como os celeiros e armazéns; e
  • a pars rustica, onde ficavam os alojamentos dos criados e escravos;

Estima-se que no início da República romana em 509 a.C. existiam 136 famílias patrícias em Roma.[2] .

Tendo algumas dessas famílias sido enfraquecidas no decorrer da história romana, pela perda da maior parte de suas riquezas e/ou da sua influência política. Embora, por deterem inerentemente o status de nobreza, podiam recuperar a sua influência e riqueza possibilitando para os seus membros uma nova carreira política.

Sendo a ganha de riquezas e influência de algumas famílias patrícias, uma exceção à regra, pois durante os três tipos de Estado que existiram no domínio grego (reino, república e império) esta classe foi a predominante. Um exemplo disso, é que todos os cônsules, procônsules, senadores e a maioria dos imperadores romanos, eram membros do patriciado[necessário verificar].

Após a queda do Império Romano do Ocidente, em 476 d.C., o termo "plebeus" passou a ser usado na Europa Ocidental para indicar os nobres que governavam uma comuna ou município ou uma república aristocrática, enquanto no Império Bizantino indicava uma dignidade da corte.

Referências

  1. Patriotismo, Infopédia (Em linha), Porto Editora, Porto, 2003-2013 (Consult. 2013-07-30)
  2. Grandes Impérios e Civilizações: Roma - Legado de um império. 1. ed. Madri: Ediciones del Prado, 1996. 112 p. pp. 2 vols. vol. 1. ISBN 84-7838-740-4.
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete Patrício.
Ícone de esboço Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.