Patriarca Caldeu da Babilônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Patriarca Caldeu da Babilônia, sediado em Bagdá (Iraque), é a designação do líder da Igreja Católica Caldeia, que é uma Igreja particular oriental sui juris da Igreja Católica.

Lista[editar | editar código-fonte]

A linhagem de Shimun[editar | editar código-fonte]

Em 1551/1552, Yohannan Sulaqa, disposta a separar-se da patriarcal de Alqosh (pertencente à Igreja Assíria do Oriente), deslocou-se a Roma para pedir a sua nomeação como patriarca: ele foi reconhecido e consagrado pelo Papa Júlio III em 1553, na Basílica de São Pedro.

Mar Shimun IX Dinkha foi o último patriarca da linha Shimun a ser formalmente reconhecida por Roma. Ele reintroduziu a sucessão hereditária, que era uma prática utilizada pela Igreja Assíria do Oriente. As relações e comunicações entre os católicos caldeus e a Santa Sé tornaram-se esporádicas e muito fracas.

Em 1692, Mar Shimun XIII Dinkha rompeu formalmente a sua comunhão com Roma. Mar Shimun XIII, voltando a pertencer à Igreja Assíria do Oriente, continuou a ser patriarca e seus sucessores são actualmente líderes da Igreja Assíria do Oriente.

A linhagem josefita de Amid[editar | editar código-fonte]

A linhagem patriarcal caldeia baseada em Amid foi iniciada por José I, que em 1681 separou-se da Sé patriarcal de Alqosh (pertencente à Igreja Assíria do Oriente), para poder entrar em plena comunhão com a Santa Sé.

Com a morte de José V, a Sé de Amid permaneceu vago. Em 1830, a linhagem josefita fundiu-se com a linhagem de Alqosh/Mossul na pessoa do Mar Yohannan Hormizd, que tornou-se no único Patriarca Caldeu da Babilónia. Este acontecimento marca a formação da moderna Igreja Católica Caldeia, no sentido de uma instituição com uma estrutura hierárquica e organizacional bem definida.

A linhagem de Alqosh/Mossul[editar | editar código-fonte]

A Sé de Alqosh era a maior e mais antiga Sé patriarcal da Igreja Assíria do Oriente. Acredita-se que ela foi fundada por São Tomás, no século I d.C.. Em 1610, Mar Eliyya VIII (1591-1617), o Patriarca da Sé de Alqosh, entrou em comunhão com a Igreja Católica. Porém, Eliyya VIII morreu em 1617 e o seu sucessor rapidamente repudiou e cancelou a comunhão.

Uma nova comunhão com a Santa Sé foi preciso esperar até 1778, com a morte de Eliyya XII (ou XI) Denkha. Após a sua morte, a Sé de Alqosh foi dividida em duas partes: uma comandada por Eliyya XIII Isho-Yab, que não está em comunhão com Roma; e a outra governada pelo seu primo Mar Yohannan VIII Eliyya Hormizd, que professou ser católico. Em 1804, com a morte de Eliyya Isho-Yab, Yohannan Hormizd tornou-se assim no único governante da Sé de Alqosh. Ele foi apenas reconhecido pelo Papa em 1830, após a fusão com os católicos caldeus de Amid (ou Diyarbakir), tornando-se assim no único Patriarca Caldeu da Babilónia. Este acontecimento marca a formação da moderna Igreja Católica Caldeia, no sentido de uma instituição com uma estrutura hierárquica e organizacional bem definida.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Indicado ao posto.
Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.