Lista sucessória dos patriarcas de Jerusalém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Patriarca de Jerusalém)
Ir para: navegação, pesquisa

As primeiras comunidades cristãs de Jerusalém eram lideradas por um Conselho de Anciãos e se considerava parte de uma comunidade maior judaica. Este sistema colegiado de governo em Jerusalém é atestado em Atos 11:30 e em Atos 15:22. Os líderes passaram, numa data posterior, a serem chamados de "bispos".

Anciãos de Jerusalém[editar | editar código-fonte]

Eusébio de Cesareia provê os nomes de uma linha sucessória contínua de trinta e seis "bispos de Jerusalém", até o ano de 324 d.C.[1] . Os primeiros dezesseis destes bispos eram cristãos de origem judaica - de Tiago, o Justo até Judas (†135) - e o restante eram gentios[2] :

Mas uma vez que os bispos da circuncisão terminaram nesta época [após a Revolta de Bar Kokhba ], é apropriado dar aqui uma lista de seus nomes desde o princípio. O primeiro, então, foi Tiago, o chamado irmão do Senhor; o segundo, Simeão; o terceiro, Justo; o quarto, Zaqueu; o quinto, Tobias; o sexto, Benjamim; o sétimo, João; o oitavo, Matias; o nono, Filipe; o décimo, Senecas; o décimo-primeiro, Justo; o décimo-segundo, Levi; o décimo-terceiro, Efram; o décimo-quarto, José; e, finalmente, o décimo-quinto, Judas. Estes foram os bispos de Jerusalém que viveram na era dos apóstolos e no tempo já citado, todos eles pertencendo à circuncisão.
 
  1. Tiago, o Justo (até 62 d.C.)
  2. Simeão I (62-107)
  3. Justo I (107-113)
  4. Zaqueu (113-???)
  5. Tobias (???-???)
  6. Benjamim I (???-117)
  7. João I (117-???)
  8. Matias I (???-120)
  9. Filipe (???-124)
  10. Senecas (???-???)
  11. Justo II (???-???)
  12. Levi (???-???)
  13. Efram (???-???)
  14. José I (???-???)
  15. Judas (???-135)

Bispos de Élia Capitolina[editar | editar código-fonte]

Como resultado da Revolta de Bar Kokhba em 135 d.C., o imperador romano Adriano estava determinado a eliminar o judaísmo da província da Judeia. Ela foi renomeada como Síria Palestina e Jerusalém foi deixada em completa ruína, com uma nova cidade sendo construída nas redondezas, chamada Élia Capitolina. Os bispos gentios (os judeus estavam proibidos pisar na cidade, exceto no dia de Tisha B'Av), foram apontados sob a autoridade do bispo metropolitano de Cesareia[4] [5] .

16. Marcos (135 - ???)[4] [5]
17. Cassiano (???-???)[4] [5]
18. Póplio (???-???)[4] [5]
19. Máximo I (???-???)[4] [5]
20. Juliano I (???-???)[4] [5]
21. Caio I (???-???)[4] [5]
22. Símaco (??? - ???)[5]
23. Caio II (???-???)[4] ou (???-162)[5]
24. Juliano II (???-???)[4] ou (162-???)[5]
25. Capião (???-???)[4] [5]
26. Máximo II (???-???)[4] [5]
27. Antonino (???-???)[4] [5]
28. Valente (???-???)[4] [5]
29. Doliquiano (???-185)[4] [5]
30. Narciso (185-211)[4] ou (185-213)[5]

31. Dio (211-???)[4] ou (???-???)[5]
32. Germânio (???-???)[4] [5]
33. Górdio (???-211)[5] ou (???-213)[4] [6]

34. Alexandre (213-251)[4] [6] ou (211-249)[5]
35. Mazabanis (251-266)[6] ou (251-260)[4] ou (249-260)[5]
36. Imeneu (266-298)[6] ou (260-298)[4] ou (260-276)[5]
37. Zamudas (298-300)[4] [6] ou (276-283)[5]
38. Ermon (300-314)[6] [4] ou (283-314)[5]
39. Macário I (314-333)[6] [4] [5] . A partir de 325 d.C., bispo de Jerusalém.

Bispos de Jerusalém[editar | editar código-fonte]

Jerusalém recebeu um reconhecimento especial no cânon 7 do Primeiro Concílio de Niceia, em 325 d.C., sem ainda conseguir se tornar uma sé metropolitana[7] . Além disso, o concílio, pela primeira vez, estabeleceu os patriarcados e determinou que os bispos de Jerusalém fossem apontados pelo patriarca de Antioquia.

39. Macário I (314-333)[4] [5] [6]
40. Máximo III (333-348)[4] [5] [6]
41. Cirilo I (350-386)[4] [5] [6]

Eutíquio (357-359) - ariano[6]
Irineu (360-361) - ariano[6]
Hilário (367-378) - ariano[6]

42. João II (386-417)[4] [5] [6]
43. Práulio (417-422)[4] [5] [6]
44. Juvenal (422-458)[4] [5] [6] , patriarca a partir de 451 d.C.

Patriarcas de Jerusalém[editar | editar código-fonte]

O Concílio de Calcedônia, em 451 d.C., elevou o bispo de Jerusalém ao status de patriarca. Porém, a política bizantina determinava agora que Jerusalém saísse da jurisdição do patriarca de Antioquia e passasse para as mãos das autoridades gregas em Constantinopla. Por séculos, o clero ortodoxo, como a Irmandade do Santo Sepulcro, dominou a Igreja de Jerusalém.

44. Juvenal (422-458)[6]
45. Anastácio I (458-478)[6]
46. Martírio (478-486)[6]
47. Salustiano (486-494)[6]
48. Elias I (494-513)[6]
49. João III (513-524)[6]
50. Pedro (524-544)[6]
51. Macário II (544-552)[6]
52. Eustóquio (552-564)[6]

Macário II (564-575)[6]

53. João IV (575-594)[6]
54. Amós (594-601)[6]
55. Isaac (601-609)[6]
56. Zacarias (609-632)[6]
57. Modesto (632-634)[6]
58. Sofrônio I (634-638)[8] [6]

vago (638-691)

59. Anastácio II (691-706)[6] [8]
60. João V (706-735)[6] [8]
61. João VI (735-760)[6] ou (838-842)[8]
62. Teodoro (760-782)[6] ou (745-770)[8]

Eusébio de Jerusalém (782-782)[6]

63. Elias II (782-800)[6] ou (770-797)[8]
64. Jorge (800-807)[6] ou (797-807)[8]
65. Tomé I (807-821)[6] [8]
66. Basílio (821-842)[6] ou (820-838)[8]
67. Sérgio I (842-859)[6] ou (842-855)[8]
68. Salomão (859-864)[6] ou (855-860)[8]

vago (860-864)

69. Teodósio (864-879)[6] ou (860-878)[8]
70. Elias III (879-907)[6] [8]
71. Sérgio II (908-911)[6] [8]
72. Leôncio I (911-929)[6] [8]
73. Atanásio I (929-937)[6] [8]
74. Nicolau (937-937)[6]
75. Cristódulo (937-950)[6] [8]
76. Agatão (950-964)[6] [8]
77. João VII (964-966)[6] [8]
78. Cristódulo II (966-969)[6] [8]
79. Tomé II (969-978)[6] [8]

vago (978-981)[6]

80. José II (981-985)[6] ou (978-983)[8]

Agápio (983-984)[6] [8]

81. Orestes (986-1006)[6] ou (984-1005)[8]

vago (1006–1012)[8]

82. Teófilo I (1012–1020)[6] [8]
83. Nicéforo I (1020-1048)[6] ou (1020-1036)[8]
84. Joanicío (1048-1059)[6] ou (1036-1058)[8]

Menas (1058-1058)[8]

85. Sofrônio II (1059-1070)[8]
86. Marcos I (II) (1070-1084)[6] [8]
87. Eutímio I (1084-1092)[6] ou (1096-1099)[8]
88. Simeão II (1092–1096)[6] ou (1084-1096)[8]

Patriarcado de Jerusalém no exílio[editar | editar código-fonte]

Como resultado da Primeira Cruzada, em 1099, um Patriarcado Latino foi criado, com sede em Jerusalém entre 1099 e 1187. Os patriarcas ortodoxos continuaram a ser apontados, mas moravam em Constantinopla.

Retorno do Patriarcado a Jerusalém[editar | editar código-fonte]

Em 1187, o Patriarcado Latino foi forçado a fugir da região. O cargo de patriarca latino de Jerusalém continuou a existir e as nomeações continuaram a ser feitas pela Igreja Católica, com o patriarca a residir em Roma até aos tempos modernos. Enquanto isso, o patriarca grego ortodoxo retornou a Jerusalém.

Referências

  1. Eusébio de Cesareia. In: A. G. Williamson. História Eclesiástica: Appendix A (em inglês). [S.l.]: Penguin Books, 1965. ISBN 0-14-044535-8.
  2. Ver também Wikisource-logo.svg "Jerusalem (A.D. 71-1099)" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  3. Eusébio de Cesareia. História Eclesiástica: The Bishops de Jerusalém from the Age of our Saviour to the Period under Consideration (em inglês). [S.l.: s.n.]. Capítulo 5. vol. IV.
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad Lista de patriarcas (em grego) Patriarcado de Jerusalém. Visitado em 20/05/2012.
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae [http://www.spiritrestoration.org/Church/Research%20History%20and%20Great%20Links/Greek_%20Orthodox_and%20Latin_Patriarchs_of_Jerusalem.htm Greek Orthodox and Latin Patriarchs of Jerusalem] (em inglês) Spirit Restoration.org. Visitado em 20/05/2012.
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl A História da Igreja de Jerusalém (em inglês) More Who is Who. Visitado em 26/05/2012.
  7. Em Schaff. Seven Ecumenical Councils: First Nicaea: Canon VII (em inglês). [S.l.: s.n.]. , o autor cita o cânon: "Como lá prevalece uma tradição e um costume antigos que resultam no bispo de Élia Capitolina sendo honrado, que lhe seja dado tudo o que concerne a esta honra e, com exceção da dignidade apropriada apenas à Metropolis, tenha o próximo lugar de honra". Ele continua: "É muito difícil determinar o que era a 'precedência' concedida ao bispo de Élia e também não é claro qual é a metropolis referida na última frase. A maior parte dos autores, incluindo Hefele, Balsamon, Aleixo Aristeno e Beveridge consideram-na como sendo Cesareia, enquanto que Zonaras acredita que a intenção era Jerusalém, um ponto de vista recentemente adotado - e defendido - por Fuchs; outros ainda supõem que seja Antioquia a referida."
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag Moshe Gil. A History of Palestine, 634-1099 (em inglês) p. 455. Google Books. Visitado em 27/05/2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


A Pentarquia
Bispo de Roma
(Lista de papas)
Patriarca da Igreja de Alexandria
(Lista de patriarcas)
Patriarca da Igreja de Antioquia
(Lista de patriarcas)
Patriarca da Igreja de Jerusalém
(Lista de patriarcas)
Patriarca da Igreja de Constantinopla
(Lista de patriarcas)