Patriarcado Latino de Jerusalém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Patriarcado Latino de Jerusalém
Patriarchatus Hierosolymitanus Latinorum
Igreja do Santo Sepulcro
Localização
País  Israel
Território Palestina, Israel, Jordânia e Chipre
Arquidiocese Metropolitana Diretamente subordinada à Santa Sé
Estatísticas
População 77 000 católicos
Área km²
Informação
Rito Romano
Criação da Diocese 30
Governo do Patriarcado
Patriarca Fouad Twal
Bispo Auxiliar Maroun Elias Nimeh Lahham
Giacinto-Boulos Marcuzzo
William Hanna Shomali
Bispo Emérito Michel Sabbah
Jurisdição Sé Patriarcal
Contactos
Endereço Patriarcat Latin, P.O. Box 14152, 91141 Jerusalem
Página Oficial www.lpj.org/

Categoria:Patriarcados · Todas as dioceses
Projeto Catolicismo


O Patriarcado Latino de Jerusalém (em latim: Archidiœcesis Hierosolymitanus Latinorum) é uma arquidiocese da Igreja Católica em Jerusalém. Tem jurisdição sobre a Palestina, Israel, Jordânia e Chipre, sendo ligada diretamente à Santa Sé. O título de Patriarca Latino de Jerusalém é a dignidade atribuída, na hierarquia da Igreja Católica, ao Arcebispo Latino de Jerusalém. Atualmente, é o único arcebispo latino com a dignidade de Patriarca que não é metropolita.

A sede da arquidiocese é a Igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém Velha. Seu atual Patriarca é Fouad Twal.

Ao contrário dos Patriarcas das Igrejas de rito oriental, o título de Patriarca de Jerusalém é meramente honorífico, estando sujeito ao Papa e usando o rito romano, tal como sucede com os Patriarcas de Veneza e de Lisboa, mas diferente destes, o Patriarca de Jerusalém não se torna Cardeal no primeiro consistório após a sua nomeação, tal como ocorre com o Patriarca das Índias Orientais.

Entre 1374 e 1847, o título de Patriarca de Jerusalém era titular, usado por vários cardeais e arcebispos. O Patriarca Latino de Jerusalém é, também, Grão-Prior da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém e os hebreus católicos estão sob sua subordinação.

História[editar | editar código-fonte]

Cruzadas[editar | editar código-fonte]

O cruzados criaram o Reino Latino de Jerusalém e em 1099 foi reeregida a Arquidiocese, seguindo o rito latino, pois, até então, os cristãos estavam sob a orientação do Patriarca de Jerusalém, sob o rito oriental. Essa Arquidiocese possuia 4 dioceses sufragâneas, Tiro, Cesareia, Nazaré e Petra. Quando a Cidade Santa foi invadida por Saladino, em 1187, a Sé foi transferida para Acra, depois para Chipre, em 1291, até por fim chegar a Roma, quando tornou-se uma Sé titular, em 1374. Já em 1342, o Papa Clemente VI entregou os cuidados cristão aos Franciscanos, através da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, nomeando seu Grão-Prior ex officio apenas como título honorífico.

Entre 1374 e 1847, a do Patriarcado foi a Basílica de São Lourenço Fora de Muros, em Roma.

Patriarcado Moderno[editar | editar código-fonte]

Em 1842, a Igreja Anglicana manda um missionário à Terra Santa, ao passo que o Patriarcado de Moscou também manda uma missão.

Em 23 de julho de 1847, o Papa Pio IX decide restabelecer o Patriarcado Latino de Jerusalém, mas desta vez considerando o Patriarca Greco-ortodoxo como legítimo sucessor do primeiro Bispo de Jerusalém.1 Em 4 de outubro, o Sultão Otomano autoriza a instalação da em Jerusalém. Ainda assim, as nomeações papais diziam respeito ao Grão-Prior da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém, até 1905.

A Catedral escolhida para do Patriarcado foi a Catedral do Santo Sepulcro, na parte velha de Jerusalém. Entretanto, conforme o tratado Status Quo dos Lugares Santos de 1852, rerratificado pelo "Acordo fundamental entre Israel e o Vaticano" em 30 de dezembro de 1993, o Santo Sepulcro é propriedade de greco-ortodoxos, armênio-ortodoxos e católicos romanos, além de copta-ortodoxos egípcios, etíope-ortodoxos e sírio-ortodoxos. Por isso, a Cátedra do Patriarca Ortodoxo Grego toma a nave, ao passo que a Cátedra do Patriarca Latino fica na Concatedral do Santíssimo Nome de Jesus. Para evitar envolvimento em questões de caráter nacional foram nomeados apenas patriarcas italianos até 1987, quando foi nomeado o Patriarca Michel Sabbah, que é um palestino.

O Patriarca, atualmente, possui jurisdição sobre todo o território católico do rito latino nos territórios palestinos, Israel, Chipre e Jordânia.

Prelados[editar | editar código-fonte]

Patriarcas Cruzados[editar | editar código-fonte]

Patriarcas Titulares[editar | editar código-fonte]

Nessa época, até 1374, a Sé titular funciona em Chipre, quando é transferida para Roma, onde fica até 1847.

Com a Custódia Franciscana da Terra Santa, os Grandes Mestres da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém ostentam o título de 1342 a 1847, em virtude da bula papal Gratiam agimus do Papa Clemente VI (a menos que alguém fosse nomeado especificamente como uma grande honra).

Com o Grande Cisma do Ocidente (1378 - 1417), os Patriarcas eram nomeados por cada Papa, o que gerou dualidade nas nomeações.

Patriarcas em dualidade:
Patriarcas nomeados pelo papa de Roma
Patriarcas nomeados pelo papa de Avinhão

Patriarcas atuais[editar | editar código-fonte]

Com a restauração da em Jerusalém, o Título de Patriarca Latino de Jerusalém volta a existir.

A Ordem Hierárquica Eclesiástica é restabelecida e as nomeações dos Patriarcas passam a referir-se ao prelado da Arquidiocese.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Patriarcado Latino de Jerusalém

Referências

  1. Giorgio Bernardelli, Abbattere i «muri» tra le Chiese: lavori in corso, in Avvenire de 15 de maio de 2009, p. 7.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • G. Fedalto, La Chiesa latina in Oriente, ed. Mazziana, coll. «Studi religiosi» n° 3, Verona, 3 vol., 1973-1978.
  • La Chiesa latina in Oriente, Vol.1, 1981 (2 ed. aggiornata), p. 671.
  • La Chiesa latina in Oriente / Hierarchia latina orientis, Vol.2, 2006 (2 ed. aggiornata), p. 300 ISBN 8885073778
  • La Chiesa latina in Oriente / Documenti veneziani, Vol.3, 1978, p. 308
  • L. de MAS-LATRIE, "Les patriarches latins de Jérusalem", in Revue de l'Orient latin, 1 (1893), pp. 16–44.
  • Pringle, Denys, The churches of the Crusader Kingdom of Jerusalem: a corpus, Cambridge University Press, Bd. I (A-K), 1993. ISBN 0-521-39036-2/Bd. II (L-Z), 1998. ISBN 0521390370
  • B. Hamilton, The Latin Church in the Crusader States: the Secular Church, Londra, Variorum Publications, 1980
  • W. Hotzelt, Kirchengeschichte Palästinas im Zeitalter der Kreuzzüge 1099-1291, ed. Bachem, coll. «Kirchengeschichte Palästinas von der Urkirche bis zur Gegenwart» n° 3, Colonia, 1940, p. 253
  • Mayer, Hans Eberhard, Bistümer, Klöster und Stifte im Königreich Jerusalem (Schriften der Monumenta Germaniae Historica 26), Stoccarda, Hiersemann, 1977. ISBN 3777277193