Patriarcado das Índias Orientais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Patriarcado das Índias Orientais
Patriarchatus Indiarum Orientalium
Sé Catedral de Santa Catarina
Localização
País Índia
Arquidiocese Metropolitana Arquidiocese de Goa e Damão
Dioceses Sufragâneas Diocese de Sindhudurg
Estatísticas
Área 4194 km²
Informação
Denominação Católica Romana
Rito Romano
Criação da Diocese 31 de janeiro de 1533
Elevação a Arquidiocese 4 de Fevereiro de 1557
Elevação a Patriarcado 1 de setembro de 1886
Catedral Sé Catedral de Santa Catarina
Padroeiro São Francisco Xavier
Governo do Patriarcado
Patriarca Dom Filipe Neri Ferrão
Bispo Emérito D. Raúl Nicolau Gonçalves
Jurisdição Patriarcado Metropolitano
(Sé Metropolitana Patriarcal)
Contactos
Endereço Paço Patriarcal, P.O. Box 216, Altinho, Panaji, Goa-403001,
India
Página Oficial www.archgoadaman.org/
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Patriarcados · Todas as dioceses
Projeto Catolicismo


O Patriarcado Titular das Índias Orientais é um patriarcado titular da Igreja Católica do rito romano. O título de Patriarca das Índias Orientais é a dignidade atribuída, na hierarquia da Igreja Católica, ao Arcebispo de Goa e Damão, na Índia; outro título comumente usado pelo Patriarca até à ereção da arquidiocese em Patriarcado, em 1886, era o de Primaz das Índias ou Primaz do Oriente.

A sede da arquidiocese é a Sé Catedral de Santa Catarina, em Goa Velha. Sua Basílica Menor é a Basílica do Bom Jesus, em Goa.

Ao contrário dos Patriarcas das Igrejas de rito oriental, o título de Patriarca das Índias Orientais é meramente honorífico, estando sujeito ao Papa e usando o rito romano, tal como sucede com os Patriarcas de Veneza e de Lisboa, mas diferente destes e a exemplo do Patriarcado Latino de Jerusalém, o Patriarca das Índias Orientais não se torna Cardeal no primeiro consistório após a sua nomeação, sendo apenas arcebispo metropolitano.

História[editar | editar código-fonte]

O Papa Clemente VII erigiu a Diocese de Goa a 31 de Janeiro de 1533, pela bula papal Romani Pontificis Circumspectio.[1] A jurisdição da nova diocese estendia-se então desde o Cabo da Boa Esperança até à China e Japão. A 4 de Fevereiro de 1557, o Papa Paulo IV separou a Diocese de Goa da Província Eclesiástica de Lisboa e elevou-a a Arquidiocese Metropolitana, tendo por sufragâneas as dioceses de Cochim e Malaca. Com o decorrer do tempo outras dioceses foram incluídas na área Metropolitana de Goa: Macau, Funay no Japão, Cranganore e Meliapor na Índia, Nanquim e Pequim na China, Moçambique em África e ainda Damão.

Em 1572 o Papa Gregório XIII, por breve de 15 de Março, concedeu ao Arcebispo de Goa o título de Primaz do Oriente. A 23 de Janeiro de 1886, o Papa Leão XIII investiu o Arcebispo de Goa com o título de Patriarca das Índias Orientais, por meio da constituição apostólica Humanae Salutis Auctor. No mesmo ano a Arquidiocese de Cranganore foi dissolvida e o título anexado ao da Diocese de Damão, também ela por sua vez dissolvida em 1928 e anexada à Arquidiocese de Goa. Desde essa data, o arcebispo passou a ser chamado por Arcebispo de Goa e Damão, possuindo também as designações de Patriarca das Índias Orientais e Arcebispo Titular de Cranganore.

A 18 de Dezembro de 1961, a União Indiana invadiu os territórios de Goa, Damão e Diu e no ano seguinte o Arcebispo Patriarca Dom José Vieira de Alvernaz abandonou o território. Em 1965, o território de Diu foi confiado à Sociedade Missionária de São Francisco Xavier. A complexa questão da invasão da Índia Portuguesa, levou a que a Santa Sé apenas em 1975 tenha aceite a resignação do último Patriarca colocando a Arquidiocese de Goa directamente subordinada à Santa Sé.

Pela Bula "Quoniam Archdioecesi" de 30 de Janeiro de 1978, o Papa Paulo VI nomeou o Rev. Bispo Raul Nicolau Gonçalves para Arcebispo de Goa e Damão com o título "ad honorem" de Patriarca das Índias Orientais. Pela Bula "Inter Gravissimas" de 12 de Dezembro de 2003, o Papa João Paulo II nomeou o Rev. Filipe Neri Ferrão como novo Arcebispo de Goa e Damão concedendo-lhe igualmente "ad honorem" o título de Patriarca. A atribuição do título de Patriarca não é obrigatória sendo uma prerrogativa do Santo Padre.

Lista de Patriarcas das Índias Orientais[editar | editar código-fonte]

  1. António Sebastião Valente (18861908)
  2. Mateus de Oliveira Xavier (19091929)
  3. Teotónio Emanuel Ribeira Vieira de Castro (19291940)
  4. José da Costa Nunes (19401953)
  5. José Vieira Alvernaz (19531975)
  6. Raul Nicolau Gonçalves (19782004)
  7. Filipe Neri António Sebastião do Rosário Ferrão (2004presente)

Fontes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Stephen Neill. A History of Christianity in India: The Beginnings to AD 1707 (em inglês). Reino Unido: Cambridge University Press, 2004. 117 p. ISBN 0521548853