Patros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Patros é regularmente associado com o Egito (hebraico: Mits·rá·yim).[1] A maioria dos peritos relaciona o nome Patros com uma expressão egípcia que significa “Terra do Sul” e que evidentemente se referia ao Alto Egito. O Alto Egito em geral se refere à região do vale do Nilo que vai de um ponto um tanto ao sul de Mênfis até (rumo sul) Siene (a moderna Assuã), na primeira catarata do Nilo. O texto em Isaías 11:11, que prediz o retorno dos israelitas exilados do ‘Egito (Mizraim), Patros e Cus’, parece corroborar a localização de Patros em alguma parte do Alto Egito, com Cus (Etiópia) ladeando-o ao sul. Certa inscrição assíria do Rei Assaradão fornece um alinhamento similar, referindo-se ao “Egito (Musur), Paturisi e Núbia [Kusu, ou Cus]”.[2]

Ezequiel 29:14 chama Patros de “terra da . . . origem [dos egípcios]”. O conceito tradicional egípcio, conforme narrado por Heródoto[3] , aparentemente corrobora isto, ao tornar o Alto Egito, e especialmente a região da cidade de egípcia de Tebas, a sede do primeiro reino egípcio, sob um rei a quem Heródoto chama de Menes, nome não encontrado em registros egípcios. Diodoro Sículo (século I a.C.) registra um conceito similar.[4] A tradição egípcia apresentada por estes historiadores gregos pode ser tênue eco da verdadeira história apresentada na Bíblia a respeito de Mizraim (cujo nome veio a representar o Egito) e seus descendentes, incluindo Patrusim.[5]

Patros na história bíblica[editar | editar código-fonte]

Após a desolação do reino de Judá, por Nabucodonosor, um restante dos judeus fugiu para o Egito. Entre os lugares alistados em que eles moraram acham-se Migdol, Tafnes, Nofe (cidades do Baixo Egito) e a “terra de Patros”.[6] Ali eles se empenharam em adoração idólatra, o que resultou em Jeová, Deus os censurar e no aviso de uma vindoura conquista do Egito por Nabucodonosor.[7] Evidências em papiros do quinto século a.C. mostram uma colônia judaica localizada bem no extremo sul do antigo Egito, em Elefantina, junto a Siene.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ezequiel 30:13, 14
  2. Ancient Near Eastern Texts (Textos Antigos do Oriente Próximo), editado por J. Pritchard, 1974, p. 290
  3. II, 4, 15, 99
  4. Diodorus of Sicily [Diodoro da Sicília], I, 45, 1
  5. Gênesis 10:13, 14
  6. Jeremias 44:1
  7. Jeremias 44:15, 26-30