Pau dos Ferros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Pau dos Ferros
"Capital Nacional dos Estudos de Língua e Literatura"
"Princesinha do Oeste"
"Capital do Alto Oeste"
"PDF"
Praça Monsenhor Caminha, no Centro de Pau dos Ferros, com o Obelisco ao fundo.

Praça Monsenhor Caminha, no Centro de Pau dos Ferros, com o Obelisco ao fundo.
Bandeira de Pau dos Ferros
Brasão de Pau dos Ferros
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 4 de setembro de 1856 (158 anos)
Gentílico pauferrense
Padroeiro(a) Nossa Senhora da Conceição
CEP 59900-000
Prefeito(a) Luiz Fabrício do Rêgo Torquato (DEM)
(2013–2016)
Localização
Localização de Pau dos Ferros
Localização de Pau dos Ferros no Rio Grande do Norte
Pau dos Ferros está localizado em: Brasil
Pau dos Ferros
Localização de Pau dos Ferros no Brasil
06° 06' 39" S 38° 12' 32" O06° 06' 39" S 38° 12' 32" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Oeste Potiguar IBGE/2008[1]
Microrregião Pau dos Ferros IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: São Francisco do Oeste e Francisco Dantas;
Sul: Rafael Fernandes e Marcelino Vieira;
Leste: Serrinha dos Pintos, Antônio Martins e Francisco Dantas;
Oeste: Encanto e Ererê (CE)
Distância até a capital 392 km[2]
Características geográficas
Área 259,959 km² (RN: 68º)[3]
Área urbana 1,9024 km² (RN: 11º) – est. Embrapa[4]
População 29 696 hab. (RN: 18º) –  IBGE/2014[5]
Densidade 114,23 hab./km²
Altitude 193 m (RN: 57º)[4]
Clima Semiárido Bsh
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,678 (RN: 10°) – médio PNUD/2010[6]
PIB R$ 225 508 mil (RN: 19°) – IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 8 131 41 IBGE/2008[7]
Página oficial
Prefeitura www.paudosferros.rn.gov.br
Câmara www.camarapaudosferros.com.br

Pau dos Ferros é um município brasileiro no interior do estado do Rio Grande do Norte, Região Nordeste do país. Situa-se na microrregião homônima e mesorregião do Oeste Potiguar localizando-se a uma distância de 392 quilômetros a oeste da capital do estado, Natal.[2] Ocupa uma área de 259,959 km², sendo que 1,9024 km² estão em perímetro urbano,[4] e sua população foi estimada no ano de 2014 em 29 696 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,[5] sendo então o décimo oitavo mais populoso do estado e primeiro de sua microrregião, embora, pela polarização da cidade, passem pela sede do município cerca de cinquenta mil pessoas por dia.[8]

Principal cidade da região Alto Oeste,[9] Pau dos Ferros foi emancipada de Portalegre na década de 1850. A versão de sua etimologia é que o nome seja uma referência a uma árvore que, pela sua grande dimensão, oferecia sombra e consequentemente um local para repouso dos vaqueiros que deram origem ao povoamento da região.[10] Atualmente sua principal fonte de renda é o setor de prestação de serviços, tendo o comércio como importante atividade econômica.[7]

O município conta ainda com uma importante tradição cultural, que vai desde o seu artesanato até o teatro, a música e o esporte. Seu principal e mais tradicional clube de futebol é o Clube Centenário Pauferrense, fundado em outubro de 1956.[11] Pau dos Ferros é sede também de diversos eventos anuais, como a Feira Intermunicipal de Educação, Cultura, Turismo e Negócios do Alto Oeste Potiguar (FINECAP), importante exposição cultural e econômica,[12] além de possuir diversos pontos turísticos, como o Obelisco da Praça Monsenhor Caminha, construído em homenagem ao centenário de emancipação política.[13]

História[editar | editar código-fonte]

Origens e pioneirismo[editar | editar código-fonte]

Coronel Antônio da Rocha Pita.

Até o começo do século XVII a região do atual município de Pau dos Ferros não passava de uma vasta área ainda inexplorada. Naquela época, na então província do Rio Grande do Norte, na chamada zona oeste, uma trilha foi feita por vaqueiros e viajantes para terem acesso até a província do Ceará. Ao longo dessa trilha seguia um curso de água, que estava sempre cheio nos meses de janeiro à junho, época do inverno na região. Este rio mais tarde ficou conhecido por Rio Apodi. Essa região ficava entre duas grandes serras, tornando assim fácil de fazer longas caminhadas e aproveitar as pastagens nessa grande planície. Às margens do Apodi, umas grandes árvores eram utilizadas pelos viajantes para alívio do calor e como ponto de atividade comercial, como vender e marcar gados.[10]

Em 1733, por ocasião da morte do Coronel Antônio da Rocha Pita, foi doada a sesmaria de Pau dos Ferros a seus filhos e herdeiros, Francisco da Rocha Pita, Luiz da Rocha Pita Deusdará, Simão da Fonseca e Maria Joana. Mas foi Francisco Marçal, considerado como o grande pioneiro da história de Pau dos Ferros, que com grande mobilização ergueu a capela em 1738; mais tarde, no ano de 1756, esta veio a ser matriz de uma grande freguesia.[14] Em 9 de novembro de 1763, Francisco Marçal, saqueou uma fazenda bem próxima àquelas árvores que serviam de descanso para esses vaqueiros que cruzavam o sertão brasileiro até o litoral. Neste ano de 1763, foi concedido uma sesmaria a Luiz da Rocha Pita e Dona Maria Joana e a Simão da Fonseca e seus filhos. Todos esses senhores foram os pioneiros que se estabeleceram no local e construíram um núcleo de um pequeno povoado, alguns anos depois já havia muitas casas de taipas ao redor da pequena fazenda.[10]

Emancipação política e etimologia[editar | editar código-fonte]

O pequeno povoado continuava a se desenvolver durante o século XVII, mas com todo esse crescimento a freguesia sentia-se prejudicada por estar subordinada político-administrativamente ao pequeno povoado de Portalegre, distante 33 km a leste do povoado. O problema maior era que Portalegre ficava localizado em uma serra e isto dificultava o acesso das pessoas, que sentiam-se prejudicadas em seu comércio. Em toda zona serrana só havia três povoados (Apodi, Portalegre e Pau dos Ferros), sendo que ainda existiam mais dois que começavam a ter destaque, que eram São Miguel e Luís Gomes, ambos localizados em serra, o que dificultava o crescimento de ambos. De todos estes, apenas Pau dos Ferros tinha um crescimento regular pela sua localização privilegiada pelo fácil acesso. Já haviam passado 100 anos da criação da freguesia de Nossa Senhora da Conceição e consequentemente doze anos de luta pela criação da vila, todos terminados em fracasso.[10]

Em 23 de agosto de 1856, em uma sessão na Assembleia Legislativa Provincial em Natal, o deputado provincial Benvenuto Fialho apresentou um projeto que criava a Vila de Pau dos Ferros. A lei n.º 344 foi sancionada em 4 de setembro daquele ano e elevou à categoria de vila a povoação de Pau dos Ferros e fixou um limite de 1700 km². Seu nome, que permaneceu como denominação do local desde quando era um pequeno povoado, vem de uma árvore, mais precisamente de marcas fixadas com ferro em brasa numa oiticica muito frondosa que, pela sua grande dimensão, oferecia uma farta sombra e consequentemente um excelente local para o repouso dos vaqueiros, quando chegavam cansados do difícil trabalho de campear reses tresmalhadas. Naquela época havia um rotativo movimento comercial e o lugar era um importante entroncamento para a região. Na gestão do governador José Augusto Bezerra de Medeiros, no dia 2 de dezembro de 1924, a lei n.º 593, eleva a vila de Pau dos Ferros à categoria de cidade.[10]

Crescimento econômico, demográfico e cultural[editar | editar código-fonte]

Mapa representativo da cidade de Pau dos Ferros nos anos de 1930 a 1940.

Sua primeira obra foi a construção do prédio da Prefeitura Municipal, em 1930, onde hoje está localizada na avenida Getúlio Vargas, no centro desta cidade. No início da década de 1950 a população era de 17 517 habitantes, sendo que 13 909 pessoas moravam no campo e apenas 3 608 habitantes na zona urbana. Naquela época começou a construção do pavilhão municipal na Praça da Matriz, uma das principais áreas de lazer de Pau dos Ferros. Em 1955 chegou até o município a agência do Banco do Nordeste do Brasil, incentivando a pecuária, a agricultura e o pequeno produtor. Em 4 de setembro de 1956 o município completou cem anos de emancipação política. Neste ano aconteceu uma série de inaugurações para se comemorar o centenário da cidade. O Obelisco da Praça Monsenhor Caminha foi construído em homenagem à ocasião, em maio daquele ano, por encomenda do então prefeito José Fernandes de Melo ao arquiteto baiano Oscar de Sousa Lelis.[10]

Em julho de 1956 foi fundado o Hospital Centenário de Pau dos Ferros, que teve como fundador e diretor o Dr. Nelson Maia. No dia 1º de janeiro de 1961, Dom Eliseu Simões Mendes, fundou a "Maternidade Santa Luzia de Marilac", que é mantida pela liga de assistência social da paróquia de Pau dos Ferros. Em 1966 a cidade ganhou seu principal ponto de diversão da época: o Cine São João - que funcionava na rua 7 de Setembro - visto que na época não havia televisão na cidade e o cinema era uma grande novidade no momento. Bem no coração da cidade funcionava o Pavilhão, onde no andar superior havia um salão de dança e a banda musical os Brasas.[10]

Na década de 1970 o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) concluiu os trabalhos da construção de uma caixa de água e da ETA (Estação Tratamento de Água). A caixa de água tem dezenove metros de altura e capacidade de 500 m3, o que equivale a 500 000 litros de água. Apesar de uma grande seca ocorrida em 1970, quando a agricultura foi totalmente prejudicada junto com a pecuária, Pau dos Ferros recebeu ajuda financeira através do DNOCS, como o alistamento das pessoas para fazer pequenos açudes. No dia 16 de janeiro de 1970 a cidade recebeu energia elétrica da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (COSERN). Em 28 de fevereiro de 1971 foi instalado o serviço eficiente da Telecomunicações do Rio Grande do Norte (TELERN), empresa estatal telefônica. Seu primeiro local foi o pavilhão no centro da cidade. Em 28 de setembro de 1976, pelo decreto-lei n.º 15/76, foi criado o Campus Avançado de Pau dos Ferros. Entre as décadas de 1980 e 1990 destacou-se a criação da primeira rádio, a AM Cultura do Oeste, que entrou ao ar em 1º de abril de 1986; a primeira visita de um Presidente da República, José Sarney; a inauguração do terminal rodoviário municipal e o asfaltamento da BR-405 na Avenida Independência.[10]

História recente[editar | editar código-fonte]

A predominância do espaço rural foi e está sendo substituída pelo urbano, para atender às exigências da expansão urbana, dada pelo aumento das atividades produtivas na cidade (indústria, comércio e serviço) e pelo aumento da demanda habitacional, gerado pela concentração populacional. O limite entre o campo e a cidade está deixando de ser visível e a população do campo vem decrescendo a cada ano.[10]

Também por causa do crescimento do município e cidades próximas, foi criada a Microrregião de Pau dos Ferros, reunindo além de Pau dos Ferros, outros dezesseis municípios. São alguns deles: Francisco Dantas, José da Penha, Marcelino Vieira, Paraná, Pilões, Portalegre, Riacho da Cruz, Rodolfo Fernandes, São Francisco do Oeste, Severiano Melo, Taboleiro Grande, Tenente Ananias, Viçosa. Em 2006 sua população foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em cerca de 116 160 habitantes em uma área total de 2 672,604 km². O Produto Interno Bruto (PIB) per capita médio de R$ 2 144,52 em 2003. Localiza-se na Mesorregião do Oeste Potiguar.[15]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Pau dos Ferros e municípios limítrofes (em verde o estado do Ceará).

O município de Pau dos Ferros está localizado na mesorregião do Oeste Potiguar e microrregião homônima, no estado do Rio Grande do Norte,[1] distante 392 quilômetros de Natal, capital estadual,[2] e 1 867 quilômetros de Brasília, capital federal.[16] Ocupa uma área de 259,959 km²,[3] e se limita com os municípios de São Francisco do Oeste e Francisco Dantas a norte, Rafael Fernandes e Marcelino Vieira a sul, Serrinha dos Pintos, Antônio Martins e novamente Francisco Dantas a leste, Encanto e o estado do Ceará (Ererê) a oeste.[13]

O relevo do município, com altitudes médias entre cem e duzentos metros, é constituído pela Depressão Sertaneja-São Francisco, que abrange terrenos baixos de transição entre a Chapada do Apodi e o Planalto da Borborema. Pau dos Ferros está situado em área de abrangência de rochas metamórficas que formam o embasamento cristalino, formadas durante o período Pré-Cambriano médio, com idade entre um bilhão e 2,5 bilhões de anos. Geomorfologicamente predominam formas de relevos tabulares com topo plano, com diferentes aprofundamentos de drenagens e ordens de grandeza, normalmente separados por vales de fundo plano.[17]

O tipo de solo predominante é o podzolítico vermelho amarelo equivalente eutrófico, com drenagem bastante acentuada, relevo suave, alto nível de fertilidade e textura média, que pode ser ou não formada por cascalho. Há também o luvissolo ou solo bruno cálcico e os solos litólicos eutróficos.[17] [18] [13]

Vista da barragem e do Píer de Pau dos Ferros com as novas instalações da adutora.

Pau dos Ferros é cortado pelo Rio Apodi/Mossoró, situado na bacia hidrográfica homônima.[19] Os principais riachos do município são do Meio, do Retiro, da Estrema, das Cajazeiras e da Capa. O principal reservatório é o Açude Pau dos Ferros, localizada a sul da zona urbana de Pau dos Ferros, a três quilômetros da zona urbana, com uma capacidade total para 54 846 000 m³, construído pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e inaugurado em 1967, jorrando água pelo sangradouro pela primeira vez em 18 de março de 1968. A parede da sua barragem tem 500 metros de comprimento e o sangradouro tem 240 metros de largura, sendo que sua bacia tem quatorze quilômetros de extensão.[13] [20] Outros açudes importantes, com capacidade igual ou superior a 100 000 m³, são o 25 de Março (com capacidade de 8 181 000 m³), da Capa (640 800 m³), Benevides José Gonçalves (129 760 m³).[13] [17]

A cobertura vegetal de Pau dos Ferros é formada pela caatinga hiperxerófila, com a predominância entre cactáceas e plantas de baixo porte, adaptadas à seca. Boa parte da cobertura original foi destruída para a prática agrícola, principalmente o cultivo de algodão. Entre as espécies encontradas estão a catingueira (Caesalpinia pyramidalis), o juazeiro (Ziziphus joazeiro), a jurema-preta (Mimosa hostilis), o mufumbo (Combretum leprosum), a oiticica (Licania rigida), o pau d'arco (Handroanthus impetiginosus) e o pereiro (Aspidosperma pyrifolium).[13] [21]

Clima[editar | editar código-fonte]

Pau dos Ferros possui clima semiárido (do tipo Bsh na classificação climática de Köppen-Geiger), cujas principais características são a baixa nebulosidade, a forte insolação e as elevadas temperaturas, o que ocasiona em elevados índice de evaporação e grande déficit hídrico.[22] [23] As chuvas se encontram em um curto período de tempo, entre fevereiro e maio, de maneira bastante irregular.[24] [25]

Maiores acumulados de chuva em 24 horas
registrados em Pau dos Ferros por meses
Mês Acumulado Data Ref Mês Acumulado Data Ref
Janeiro 105,6 mm 20/01/1978 [26] Julho 103,6 mm 26/07/1973 [27]
Fevereiro 114,7 mm 26/02/1940 [28] Agosto 106 mm 03/08/2008 [29]
Março 123 mm 30/03/1940 [30] Setembro 38,4 mm 25/09/1912 [31]
Abril 147,8 mm 15/04/1982 [32] Outubro 79 mm 28/10/1930 [33]
Maio 143 mm 13/05/1934 [34] Novembro 78 mm 19/11/1979 [35]
Junho 68,6 mm 28/06/1978 [36] Dezembro 103,4 mm 31/12/1999 [37]
Fontes: ANA, CPTEC e EMPARN (dados a partir de 1911).[38] [39] [40]

A temperatura média anual é de 26,7 ºC, sendo dezembro o mês mais quente (27,9 ºC) e junho o mais frio (25,5 ºC). A umidade relativa do ar média anual é de 66% e a insolação chega a 2 700 horas por ano. A precipitação média é de 827 milímetros (mm) anuais, tendo março como mês mais chuvoso (227 mm) e setembro como o mais seco (4 mm).[41] [13] Na época da estação seca são comuns registros de fumaça de queimadas em morros e matagais, principalmente na zona rural,[42] enquanto no período chuvoso podem ocorrer alagamentos, principalmente nas áreas próximas ao Rio Apodi e ao Açude 25 de Março.[43] [44] Ao lado de Caicó e Mossoró, Pau dos Ferros está entre as cidades mais quentes do Rio Grande do Norte.[45]

Apesar de Pau dos Ferros possuir clima predominantemente seco, segundo dados do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), desde 1911 o maior acumulado de chuva em 24 horas registrado em Pau dos Ferros foi de 147,8 mm em 15 de abril de 1982.[32] Outros grandes acumulados foram 143 mm em 13 de maio de 1934;[34] 132 mm em 6 de abril de 1988;[46] 123 mm em 30 de março de 1940;[30] 120 mm em 2 de maio de 1991[47] e 20 de abril de 1984;[48] 119 mm em 9 de março de 1963;[49] 118,8 mm em 3 de março de 1973;[50] 118,1 mm em 31 de maio de 1982;[51] 117 mm em 12 de março de 1983;[52] [53] 115 mm em 20 de abril de 1972;[54] 114,7 mm em 26 de fevereiro de 1940;[28] 112 mm em 28 de março de 1958;[55] 109 mm em 17 de março de 2008;[29] 106 mm em 3 de agosto de 2008;[29] 105,6 mm em 18 de maio de 2000[56] e 20 de janeiro de 1978;[26] 103,6 mm em 26 de julho de 1973;[27] 103,4 mm em 31 de dezembro de 1999[37] e 102 mm em 30 de abril de 1965.[57] Em março de 1981 foi registrado o maior volume de chuva em um mês, de 548,9 mm.[58]

Nuvola apps kweather.svg Dados climatológicos para Pau dos Ferros Weather-rain-thunderstorm.svg
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 32,8 31,9 30,9 30,5 30,2 30,3 30,8 31,9 32,9 33,5 33,5 33,4 31,9
Temperatura média (°C) 27,6 27,1 26,5 26,2 25,9 25,5 25,6 26,2 27 27,6 27,8 27,9 26,7
Temperatura mínima média (°C) 22,5 22,3 22,2 22 21,6 20,8 20,4 20,5 21,1 21,7 22,1 22,5 21,6
Chuva (mm) 68 116 227 199 109 40 25 5 4 5 6 23 827
Fonte: Climate Data.[41]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Crescimento populacional
Censo Pop.
1872 19 635
1900 5 827
1920 10 124 73,7%
1940 14 183 40,1%
1950 17 517 23,5%
1960 16 678 -4,8%
1970 12 138 -27,2%
1980 16 216 33,6%
1991 20 827 28,4%
2000 24 758 18,9%
2010 27 745 12,1%
Est. 2014 29 696 [5] 19,9%
Censos demográficos do
IBGE (1872-2010).[59] [60] [61]

A população de Pau dos Ferros no censo demográfico de 2010 era de 27 745 habitantes, sendo o décimo oitavo município mais populoso do Rio Grande do Norte, apresentando uma densidade populacional de 106,73 km².[61] Desse total, 25 551 habitantes viviam na zona urbana (92,09%) e 2 194 na zona rural (7,91%). Ao mesmo tempo, 13 516 eram do sexo masculino (48,72%) e 14 229 do sexo feminino (51,28%), tendo uma razão de sexo de 94,99.[62] [63] Quanto à faixa etária, 6 451 habitantes tinham menos de 15 anos (23,25%), 18 938 entre 15 e 64 anos (68,26%) e 2 356 possuíam 65 anos ou mais (8,49%).[64] Ainda segundo o mesmo censo, a população era formada por 15 018 brancos (54,13%), 10 638 pardos (38,34%), 1 801 pretos (6,49%) e 288 amarelos (1,04%).[65]

Levando-se em conta a nacionalidade da população, 27 734 habitantes eram brasileiros natos (99,96%) e onze eram estrangeiros (0,04%).[66] Em relação à região de nascimento, 27 125 eram nascidos na Região Nordeste (96,76%), 370 no Sudeste (1,33%), 46 no Centro-Oeste (0,17%), 41 no Norte (0,15%) e 37 no Sul (0,13%), além de 115 sem especificação (0,41%). 24 690 habitantes eram naturais do Rio Grande do Norte (88,99%) e, desse total, 17 419 nascidos em Pau dos Ferros (62,78%). Entre os naturais de outras unidades da federação, havia 1 150 cearenses (4,15%), 1 112 paraibanos (4,01%), 321 paulistas (1,16%), 80 pernambucanos (0,29%), 46 brasilienses (0,17%), 37 paranaenses (0,13%), 35 maranhenses (0,13%), 35 mineiros (0,13%), 31 baianos (0,11%), 26 piauienses (0,09%), quinze amapaenses (0,06%), treze fluminenses (0,05%), nove acrianos (0,03%), oito rondonianos (0,03%) e oito paraenses (0,03%).[67] [68] No mesmo ano, havia dezessete emigrantes internacionais, doze para a Europa (70,59%), três para outros países da América do Sul (17,65%), um para a Ásia (5,88%) e um para a América do Norte (5,88%). Em relação aos países de destino, seis emigraram para a Itália (35,29%), três para o departamento ultramarino da Guiana Francesa (17,65%), três para a Espanha (17,65%), dois para o Reino Unido (11,76%), um para Portugal (5,88%), um para o Japão (5,88%) e um para os Estados Unidos (5,88%).[69] Para 2014, a estimativa populacional é de 29 696 habitantes.[5]

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M) do município é considerado médio, de acordo com dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Segundo dados do relatório de 2010, divulgados em 2013, seu valor era de 0,678, sendo o décimo maior do Rio Grande do Norte (PNUD) e o 2 481 º do Brasil. Considerando-se apenas o índice de longevidade, seu valor é de 0,803, o valor do índice de renda é de 0,666 e o de educação é de 0,584.[6] De 2000 a 2010, o índice de Gini passou de 0,57 para 0,54 e a proporção de pessoas com renda domiciliar per capita de até R$ 140 passou de 38,6% para 20,6%, apresentando uma redução de 46,6%. Em 2010, 79,4% da população vivia acima da linha de pobreza, 13,2% encontrava-se entre as linhas de indigência e de pobreza e 7,4% estava abaixo da linha de indigência. No mesmo ano, os 20% mais ricos eram responsáveis por 58,87% no rendimento total municipal, valor quase dezessete vezes superior à dos 20% mais pobres, que era de 3,49%.[64] [70]

Religião[editar | editar código-fonte]

Igreja de Matriz de Pau dos Ferros, desde 2012 em reforma.

Conforme divisão oficial da Igreja Católica, Pau dos Ferros está inserido na Diocese de Mossoró, com sede no município de mesmo nome, Zonal do Alto Oeste. A paróquia de Pau dos Ferros, que tem como padroeira Nossa Senhora da Conceição, também abrange também o município de Rafael Fernandes e possui como sede da paróquia a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, construída em 1738 e elevada à categoria de matriz em 1756. Além da Matriz, a paróquia se divide em outras 24 comunidades, quatorze delas localizados em zona urbana e dez em zona rural.[14] [71] No censo de 2010 o catolicismo romano era a religião da maioria da população, com 23 470 adeptos, ou 84,59% dos habitantes.[72]

Templo da Igreja Batista, na Avenida Getúlio Vargas.

Pau dos Ferros também possui diversos credos protestantes ou reformados. Em 2010, 2 767 habitantes se declararam evangélicos (9,97%), sendo que 1 312 pertenciam às evangélicas de origem pentecostal (4,73%), 355 às evangélicas de missão (1,28%) e 1 100 a igrejas evangélicas não determinadas (3,96%). Das igrejas evangélicas pentecostais, 686 pertenciam à Assembleia de Deus (2,47%), 143 à Igreja Deus é Amor (0,51%), 47 à Igreja Universal do Reino de Deus (0,17%) e 437 a outras igrejas pentecostais. Em relação às evangélicas de missão, 220 eram batistas (0,79%), 79 presbiterianos (0,28%), 38 adventistas (0,14%), nove luteranos (0,03%) e nove congregacionais (0,03%).[72]

Além do catolicismo romano e do protestantismo, também existiam 349 espíritas (1,26%), 141 testemunhas de Jeová (0,51%), 26 esotéricos (0,09%) e dez budistas (0,04%). Outros 903 não tinham religião (3,26%), entre os quais 58 ateus (0,21%) e 23 agnósticos (0,08%); 56 pertenciam a outras religiosidades cristãs (0,2%) e 22 não souberam (0,89%).[72]

Política[editar | editar código-fonte]

O poder executivo do município de Pau dos Ferros é representado pelo prefeito, auxiliado pelo seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal.[73] O primeiro representante do poder executivo e prefeito do município foi Francisco Dantas de Araújo, em 1929, e o atual é Luiz Fabrício do Rêgo Torquato, do Democratas (DEM),[74] eleito nas eleições municipais de 2012, com 55,41% dos votos válidos,[75] tendo como vice-prefeita Zélia Maria Leite.[76]

O poder legislativo é constituído pela câmara municipal, formada por nove vereadores eleitos para mandatos de quatro anos. Na atual legislatura, iniciada em 2013, está composta da seguinte forma: cinco cadeiras do Democratas (DEM), uma do Partido Socialista Brasileiro (PSB), uma do Partido Republicano Brasileiro (PRB), uma do Partido Progressista (PP), uma do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).[77] Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias).[73] O primeiro presidente da Câmara foi Francisco Lopes de Holanda, eleito para o biênio 1969-1970, e a atual é Francisca Itacira Aires Nunes (conhecida como Bolinha), eleita para o biênio 2013-2014.[78] [79]

Em complementação ao processo legislativo e ao trabalho das secretarias, existem também alguns conselhos municipais em atividade. São eles: Direito da Criança e do Adolescente, Direitos do Idoso, Educação e Tutelar.[13] [80] Pau dos Ferros se rege pela sua lei orgânica, promulgada em 2 de abril de 1990,[73] e é sede de uma comarca do poder judiciário estadual, de terceira entrância, cujos termos são Água Nova, Encanto, Francisco Dantas, Rafael Fernandes, Riacho de Santana e São Francisco do Oeste.[81] De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, Pau dos Ferros possuía, em dezembro de 2013, 17 486 eleitores, o que representa 0,743% do total do estado do Rio Grande do Norte.[82]

Política de Pau dos Ferros
Palácio Municipal Prefeito José Fernandes de Melo, sede do poder executivo pauferrense.
Palácio Municipal Prefeito José Fernandes de Melo, sede do poder executivo pauferrense.
Palácio Vereador Francisco Lopes Torquato, sede do poder legislativo municipal.
Palácio Vereador Francisco Lopes Torquato, sede do poder legislativo municipal.
Fórum "Dr. Jaime Jenner de Aquino", sede da Comarca de Pau dos Ferros.
Fórum "Dr. Jaime Jenner de Aquino", sede da Comarca de Pau dos Ferros.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Quando emancipada, Pau dos Ferros não era formada por distritos. O primeiro distrito, o de Vitória, foi criado em 1902 pela municipal nº 5, sendo extinto na década de 1930 e recriado em 1938. Posteriormente, novos decretos estaduais foram criando novos distritos. Em divisão territorial datada de 1º de dezembro de 1955, Pau dos Ferros era constituída de quatro distritos, além da sede: Joaquim Correia, Rafael Fernandes e Riacho de Santana. Porém todos foram extintos ou elevados à categoria de municípios, restando atualmente apenas a sede.[83] A zona urbana do município é dividida, além do Centro, em quinze bairros, sete conjuntos habitacionais, três núcleos habitacionais e um loteamento. O bairro mais recente é o Bela Vista, instituído pela lei municipal 1 224, de 1º de abril de 2011.[84] A zona rural é dividida em vários sítios e comunidades.[85]

Vista panorâmica do bairro São Benedito, o mais populoso de Pau dos Ferros.[86]

Economia[editar | editar código-fonte]

Agência do Banco do Brasil, inaugurada na década de 1970.[10]
Agência do Banco do Brasil, inaugurada na década de 1970.[10]
Titanic Center, um dos mais recentes e principais pontos comerciais de Pau dos Ferros.[87]
Titanic Center, um dos mais recentes e principais pontos comerciais de Pau dos Ferros.[87]

Em 2010, o Produto Interno Bruto de Pau dos Ferros era de R$ 225 508 mil reais. Destes, R$ 22 931 milhões são de impostos sobre produtos líquidos de subsídios a preços correntes. O PIB per capita é de R$ 8 131,41.[7]

A agricultura é o setor menos relevante da economia de Pau dos Ferros. De todo o PIB da cidade, R$ 5 960 mil é o valor adicionado bruto da agropecuária. Em 2011 o município possuía um total de 14 798 galos, frangas, frangos e pintos; de 7 238 bovinos; 2 987 galinhas; 2 796 ovinos; 1 922 suínos; 1 622 caprinos; 285 equinos; 177 asinos; 98 muares. No mesmo ano, foram produzidos 1 524 milhões de litros de leite de 2 401 vacas, além de dezoito mil dúzias de ovos de galinha e 3 620 quilos de mel-de-abelha. Na lavoura de 2011 foram produzidos arroz (2 t), cachos de banana (120 t), batata-doce (80 t), castanha-de-caju (3 t), coco-da-baía (dezoito mil frutos), feijão (224 t), mamão (6 t), mandioca (16 t), manga (18 t) e maracujá (8 t).[7]

A indústria, atualmente, é o segundo setor mais relevante para a economia do município. Em 2010, o PIB do setor secundário era de R$ 17 306 mil.[7] Várias indústrias estão localizadas no perímetro urbano municipal, porém isso não é permitido por lei. Com o lançamento dos trabalhos de elaboração do plano diretor, há previsão da construção de um distrito industrial em Pau dos Ferros e estas indústrias deverão ser transferidas para o núcleo.[88]

O comércio e a prestação de serviços renderam em 2010 cerca de R$ 179 311 mil ao PIB municipal,[7] sendo a maior fonte geradora do PIB pauferrense. De acordo com o IBGE, Pau dos Ferros possuía, no ano de 2008, 776 unidades locais, 754 empresas e estabelecimentos comerciais atuantes e 5 296 trabalhadores, sendo 3 034 pessoal ocupado total e 2 262 ocupado assalariado. Salários juntamente com outras remunerações somavam 18 193 reais e o salário médio mensal de todo município era de 1,6 salários mínimos.[7]

O crescimento populacional de Pau dos Ferros contribuiu com a necessidade de expansão dos serviços bancários para famílias de baixa renda disponibilizados por políticas do Governo Federal, o que de fato ocorreu.[88] Com a elaboração do plano diretor da cidade, já citada anteriormente, também há previsão de uma maior organização do comércio na cidade, como a criação de leis que proíbam comerciantes de interditar calçadas com mesas e cadeiras.[88] Um dos principais pontos comerciais da cidade é o Titanic Center, construído no formato de um navio e inaugurado no final de 2009, lembrando o navio RMS Titanic, que conta com farmácias, um laboratórios e diversas salas, para funcionar escritórios.[87]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Pau dos Ferros possuía, em 2010, 8 032 domicílios, sendo 7 419 na zona urbana (92,37%) e 613 na zona rural (7,63%). Desse total, 7 744 eram casas (96,41%), quatorze eram casas de vila ou em condomínio (0,17%), 273 eram apartamentos (3,4%) e apenas uma era habitação em casa de cômodos e/ou cortiço (0,01%). Em relação à condição de ocupação dos domiílios, 5 290 domicílios eram próprios (65,86%), sendo 4 979 já quitados (61,99%) e 311 em processo de aquisição (3,87%); 2 081 eram alugados (25,91%); 656 eram cedidos (8,17%), sendo 130 por empregador (1,62%) e 526 de outra maneira (6,55%) e os cinco restantes eram ocupados sob outras condições (0,06%).[89]

No quesito de abastecimento de água, 7 658 domicílios eram abastecidos pela rede geral (95,34%); 223 através de poços ou nascentes (2,78%), sendo 123 na própria propriedade (1,53%) e 125 fora da propriedade (1,25%); 76 por meio de rios, açudes, lagos e/ou igarapés (0,95%) e 75 de outras maneiras (0,93%). Em relação à energia elétrica, 8 001 domicílios eram abastecidos (99,61%) e, na questão de destino do lixo, 7 355 domicílios destinavam-o à coleta (91,57%), sendo 6 197 por meio de serviço de limpeza (77,15%) e 1 158 por meio de caçambas (14,42%).[90]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Base descentralizada do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), no bairro São Benedito.

Segundo dados de 2009, Pau dos Ferros possuía 42 estabelecimentos de saúde, sendo 27 privados e quinze públicos. 36 deles prestavam atendimento ao Sistema Único de Saúde (SUS). Existiam 125 leitos para internação, sendo 75 particulares e cinquenta públicos.[91] Em 2010, existiam 198 médicos, 138 auxiliares de enfermagem, cinquenta técnicos de enfermagem, 31 enfermeiros, 26 farmacêuticos, 26 cirurgiões-dentistas, onze fisioterapeutas, nove fonoaudiólogos, oito assistentes sociais, sete nutricionistas, seis psicólogos, totalizando 510 profissionais de saúde.[92] No mesmo ano, a expectativa de vida ao nascer era de 73,2 anos, a taxa de mortalidade infantil era de 18,2 por mil nascimentos e a taxa de fecundidade era de 2,1 filhos por mulher.[64] Em 2012, 98,0% das crianças menores de um ano de idade estavam com a carteira de vacinação em dia e 5 278 crianças menores de dois anos foram pesadas pelo Programa Saúde da Família (PSF), sendo que 0,2% do total estavam desnutridas.[70] [93] Segundo dados do Ministério da Saúde, 36 casos de AIDS foram registrados em Pau dos Ferros entre 1987 e 2012 e, entre 2001 e 2011, foram notificados 2 402 casos de doenças transmitidas por mosquitos, sendo 2 398 de dengue e quatro de leishmaniose.[94]

Pau dos Ferros é sede da VI Unidade Regional de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (VI URSAP), que abrange os 36 municípios do Alto Oeste Potiguar.[95] Ao lado da VI URSAP, está localizado o Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade, que foi inaugurado em 10 de março de 1990, conta com atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde e atende 24 horas por dia em regime de plantão, sendo também referência para os municípios de Ererê, Iracema e Pereiro, no Ceará, e Bom Sucesso e Uiraúna, na Paraíba.[96] Há também o Hospital Centenário Dr. Nelson Maia, localizado no Centro e fundado em julho de 1956, ano do centenário de Pau dos Ferros.[10] [97]

Vista parcial e frontal do Hospital Regional Doutor Cleodon Carlos de Andrade (HCCA), no núcleo habitacional Arizona, em 2011.

Educação[editar | editar código-fonte]

O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,584,[64] ao passo que a taxa de alfabetização da população acima dos dez anos indicada pelo último censo demográfico do mesmo ano foi de 83% (78,8% para os homens e 87% para as mulheres).[98] No mesmo ano, Pau dos Ferros possuía 10,15 anos esperados de estudo, valor acima da média estadual (9,54 anos).[64] A taxa de conclusão, entre jovens de 15 a 17 anos, era de 54,4% e o percentual de alfabetização de jovens e adolescentes entre 15 e 24 anos era de 95,7%. Em 2012, 8,1% das crianças e adolescentes com faixa etária entre seis e catorze anos de idade estavam fora da escola. A distorção idade-série entre alunos do ensino fundamental, ou seja, com com idade superior à recomendada, em 2013, era de 17,5 para os anos iniciais e 27,7% nos anos finais, enquanto no ensino médio essa defasagem chegava a 27%.[99]

No censo de 2010, da população total, 8 206 frequentavam creches ou escolas, sendo 6 726 na rede pública de ensino (81,97%) e 1 480 em redes particulares (18,03). Desse total, 3 814 cursavam o regular do ensino fundamental (46,47%), 1 368 o regular do ensino médio (16,67%), 862 faziam cursos superiores de graduação (10,5%), 723 estavam no ensino pré-escolar (8,81%), 507 na classe de alfabetização (6,18%), 351 em creches (4,28%), 188 na educação de jovens e adultos do ensino médio (2,29%), 143 na educação de jovens e adultos do ensino fundamental (1,74%), 112 na alfabetização de jovens e adultos (1,36%), 108 em especialização de nível superior (1,12%), dezenove em doutorado (0,19% e doze em mestrado (0,12%).[100] Levando-se em conta o nível de instrução da população com idade superior a dez anos, 13 676 não possuíam instrução e fundamental incompleto (57,75%), 4 677 tinham ensino médio completo e superior incompleto (19,75%), 3 590 com fundamental completo e médio incompleto (15,16%), 1 606 com superior completo (6,78%) e 131 com nível indeterminado (0,55%).[101]

Em 2012 Pau dos Ferros possuía uma rede de 25 escolas de ensino fundamental (com 214 docentes), 20 do pré-escolar (46 docentes) e cinco de ensino médio (102 docentes).[102] Entre as instituições de ensino superior estão a Escola de Enfermagem Catarina de Siena,[103] a Faculdade do Oeste do Rio Grande do Norte (FAORN),[104] a Faculdade Evolução do Alto Oeste Potiguar (FACEP),[105] o Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN),[106] a Universidade Anhanguera Educacional,[107] a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN)[108] e a Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA).[109]

Instituições públicas de ensino superior em Pau dos Ferros

Segurança pública, serviços e comunicação[editar | editar código-fonte]

Unidade dos Correios, no centro.
Rádio Cultura do Oeste, sediada em Pau dos Ferros.

Como na maioria dos municípios pequenos, médios e grandes brasileiros, a criminalidade ainda é um problema em Pau dos Ferros. Em 2008, a taxa de homicídios no município foi de 15,7 para cada 100 mil habitantes, ficando na vigésima primeira posição a nível estadual e no 1156° lugar a nível nacional.[110] O índice de suicídios naquele ano para cada 100 mil habitantes também foi de 15,7, sendo o quarto a nível estadual e o 97° a nível nacional.[111] Já em relação à taxa de óbitos por acidentes de trânsito, o índice foi de 41,1 para cada 100 mil habitantes, ficando na terceira posição a nível estadual e no 229° lugar a nível nacional.[112] Para tentar reduzir essas taxas de criminalidade, o 7º Batalhão de Polícia Militar, sediado em Pau dos Ferros, juntamente com a prefeitura, busca tomar medidas inerentes a segurança pública.[113] Atualmente há projetos que envolvem a melhoria das condições de trabalho dos policiais e a estrutura disponível para realização das atividades destes profissionais, como veículos, armamentos e imóveis utilizados pela corporação.[114]

Além da segurança pública, o município conta com outros serviços básicos. O serviço de abastecimento de água de toda a cidade é feito pela Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN).[115] Já a responsável pelo abastecimento de energia elétrica em Pau dos Ferros é a Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), que atende e fornece energia a todos os municípios do estado do Rio Grande do Norte.[116] No ano de 2007 existiam 9 124 consumidores e foram consumidos 22 887 mWh de energia.[13] Ainda há serviços de internet discada e banda larga (ADSL) sendo oferecidos por diversos provedores de acesso gratuitos e pagos. O serviço telefônico móvel, por telefone celular, é oferecido por diversas operadoras. Existe ainda acesso 3G, oferecido ao município por algumas operadoras desde 2010.[117] O código de área (DDD) de Pau dos Ferros é 084[118] e o Código de Endereçamento Postal (CEP) da cidade é de 59.900-000.[119] No dia 10 de novembro de 2008 o município passou a ser servido pela portabilidade, juntamente com outras cidades de DDDs 33 e 38, em Minas Gerais; 44, no Paraná; 49, em Santa Catarina, além de outros municípios com código 84, no Rio Grande do Norte.[120]

Há transmissão de canais nas faixas Very High Frequency (VHF) e Ultra High Frequency (UHF). Em 2008 Pau dos Ferros sediava duas emissoras de rádio, sendo uma em modulação em amplitude (AM) e uma em modulação em frequência (FM). Existiam ainda cinco jornais em circulação (2008) e uma agência da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (2007).[13]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Rodovia federal BR-226 na saída para Antônio Martins. Ao lado, a RN-177, que liga Pau dos Ferros a Francisco Dantas.

A frota municipal no ano de 2012 era 14 086 de veículos, sendo 6 776 motocicletas, 3 634 automóveis, 1 760 motonetas, 1 102 caminhonetes, 385 caminhões, 156 camionetas, 59 veículos utilitários, 45 micro-ônibus, trinta ônibus e 25 caminhões-trator. Outros tipos de veículos incluíam 114 unidades.[121] Há ainda transporte público. Em 2001 oito empresas faziam o Serviço de Transporte Coletivo, que possuía 15 veículos em operação. Naquele ano, não havia linhas urbanas que atendiam a zona rural da cidade.[122]

No transporte rodoviário, Pau dos Ferros possui um terminal rodoviário e é cortado por duas rodovias:[123] BR-226, rodovia transversal que faz a ligação entre Natal, capital estadual, e Wanderlândia, no Tocantins;[124] [125] e BR-405: rodovia de ligação entre Mossoró, Rio Grande do Norte, e Marizópolis, Paraíba,[125] [126] além da RN-177, rodovia estadual que interliga municípios da região Alto Oeste do Rio Grande do Norte.[125] [125] [127]

No transporte rodoviário, Pau dos Ferros conta com um aeroporto de pequeno porte, antigo campo de pouso, localizado próximo à barragem. Recentemente também foram realizadas outras obras de ampliação de melhoria na infraestrutura, que aumentaram a pista para 1 200 metros de comprimento.[128] O município não possui ferrovias em seu território.[13] [125]

Cultura e lazer[editar | editar código-fonte]

A Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto (SEMECE) é o órgão da prefeitura responsável pela educação e pela área cultural e esportiva do município de Pau dos Ferros. É ela que organiza atividades e projetos culturais, além do setor turístico da cidade.[129]

Pau dos Ferros é considerada a Capital Nacional dos Estudos de Língua e Literatura, título atribuído na realização do VII Colóquio Nacional de Professores de Metodologia do Ensino de Língua Portuguesa e de Literatura, em agosto de 2010, no Campus Avançado Professora Maria Elisa de Albuquerque Maia (CAMEAM), da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.[130]

Segundo o Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA), Pau dos Ferros possuía, em 2008, doze quadras esportivas, seis campos de futebol, cinco salas de projeção, três ginásios poliesportivos, três clubes sociais, um estádio de futebol, um cinema e uma biblioteca.[13]

Artesanato e principais eventos[editar | editar código-fonte]

Centro de Artesanato Genúria Alves, situado no meio da Praça Monsenhor Caminha.

O artesanato é uma das formas mais espontâneas da expressão cultural pauferrense. Em várias partes do município é possível encontrar uma produção artesanal diferenciada, criada de acordo com a cultura e o modo de vida local e feita com matérias-primas, como o bordado e a madeira, além da culinária típica local.[131] Alguns grupos regionais reúnem diversos artesãos, disponibilizando espaço para confecção, exposição e venda dos produtos artesanais. Normalmente essas peças são vendidas em lojas de artesanato (como o Centro de Artesanato Genúria Alves), exposições e feiras, como a Feira Intermunicipal de Educação, Cultura, Turismo e Negócios do Alto Oeste Potiguar (FINECAP), evento realizado anualmente no começo de setembro e realizado em comemoração ao aniversário da emancipação política do município, destinado às empresas, ao comércio e indústrias para realização de suas atividades, além de apresentações de cantores e bandas de músicas vindas de diversos lugares do Brasil, oferecendo lazer, cultura e entretenimento para a população pauferrense e de outras localidades circunvizinhas.[12] É realizada juntamente com outros eventos, como a festa de aniversário de emancipação política do município, em 4 de setembro, e o Festival Gastronômico de Pau dos Ferros.[132]

Além da FINECAP, outros eventos importantes realizados em Pau dos Ferros são: o Arrastafest, evento realizado durante os festejos juninos, durante dois dias, com a apresentações das quadrilhas estilizadas e tradicionais;[133] o Carnapau, festa estilo micareta criada e realizada desde 2001, sempre ocorrendo no mês de julho;[134] as vaquejadas, realizadas principalmente nos meses de junho e agosto; o Fest Criança, micareta realizada no dia 12 de outubro, em homenagem ao Dia das Crianças;[135] a Vitrine Cultural, que é realizada desde 2005, antecedendo a FINECAP e conta com apresentações artísticas e culturais;[136] e a Festa de Nossa Senhora da Conceição, padroeira municipal, comemorada entre 28 de novembro e 8 de dezembro, com a realização de novenas e missas em homenagem à aparição mariana, além da apresentação de bandas católicas.[137]

Atrações turísticas e esportes[editar | editar código-fonte]

Pau dos Ferros conta com diversos pontos turísticos, como a Açude Público, reservatório que abastece o município;[13] o Clube da Associação dos Servidores da CAERN (ASSEC);[13] o Centro Cultural Joaquim Correia, primeira escola pública do município, que começou a ser construído em 1908 até sua conclusão em 1911, ano de sua inauguração. Abrigou o câmpus da UERN na década de 1980 e posteriormente foi transformado em centro cultural, até os dias atuais;[138] O Hotel Jatobá, pousada inaugurada em 1986, com trinta quartos e situado a um quilômetro do Centro;[139] a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, sede da paróquia de Pau dos Ferros desde o século XVIII, pertencente à Diocese de Mossoró;[10] o Obelisco, situado no meio de Praça Monsenhor Caminha, foi projetado pelo arquiteto baiano Oscar de Sousa Lelis por pedido do então prefeito na época, José Fernandes de Melo, construído em maio de 1955 para ser entregue à população em 1956, ano do centenário do município e do bicentenário da paróquia;[140] a Praça de Eventos Nossa Senhora da Conceição, área de lazer pública onde são realizados diversos eventos promovidos pela prefeitura ou instituições locais, construída em um terreno com dez mil metros quadrados de área e inaugurada em 25 de junho de 2008;[141] o Terminal Turístico Lindalva Torquato Fernandes, conhecido como "Barravento", foi inaugurado durante a edição da FINECAP 2003, em homenagem aos 147 anos de emancipação política de Pau dos Ferros, e está situado às margens do açude público municipal, em uma área de aproximadamente 218,48 metros quadrados (m²), cujo restaurante é conhecido por oferecer diversos pratos típicos da região.[142] [143] [144]

No esporte, um importante clube de futebol do município é o Clube Centenário Pauferrense, que foi fundado em 31 de outubro de 1956[11] e realiza jogos no Estádio 9 de Janeiro, o principal da cidade, fundado em 9 de janeiro de 2001 e com capacidade de até cerca de duas mil pessoas. O público recorde foi de 1 988 pessoas, em 31 de janeiro de 2010, em partida realizada entre o Centenário e o ABC Futebol Clube, sendo que a equipe da capital potiguar ganhou por 3 a 1.[145] Outro clube que também destaca-se em competições municipais ou regionais é o Sociedade Esportiva Pauferrense, fundado em 1º de maio do ano de 1995.[146] Pau dos Ferros também vem se destacando em outras modalidades esportivas, como no voleibol, em que algumas equipes do município conquistaram torneios regionais e estaduais, e o ciclismo, com a realização do Passeio Ciclístico Ecológico, realizado em homenagem ao Dia Mundial do Turismo Ecológico, comemorado em 1º de março.[147] [148] Também há, nas escolas, programas de incentivo à prática de esportes.[149] [150]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Segundo a Associação do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (AMPERN), em Pau dos Ferros há dois feriados municipais, oito feriados nacionais e três pontos facultativos. Os feriados municipais são: o dia de aniversário de emancipação política, em 4 de setembro, e o dia da padroeira Nossa Senhora da Conceição, comemorado em 8 de dezembro.[151]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. a b c Distância entre Natal e Pau dos Ferros. Página visitada em 25 de julho de 2014.
  3. a b Área Territorial Brasileira - Consulta por Município Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (15 de janeiro de 2013). Página visitada em 17 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2014.
  4. a b c Embrapa Monitoramento por Satélite. Rio Grande do Norte. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  5. a b c d ESTIMATIVAS DA POPULAÇÃO RESIDENTE NO BRASIL E UNIDADES DA FEDERAÇÃO COM DATA DE REFERÊNCIA EM 1º DE JULHO DE 2014 (PDF) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (28 de agosto de 2014). Página visitada em 2 de setembro de 2014.
  6. a b Ranking IDH-M 2010 Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 1º de agosto de 2013.
  7. a b c d e f g h Cidades@ - IBGE. PAU DOS FERROS - RN. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  8. Jornal De Fato (17 de julho de 2010). Pau dos Ferros: Serviços polarizados para outras 36 cidades João Paulo, Portal Pau dos Ferros. Página visitada em 4 de março de 2011. Cópia arquivada em 4 de março de 2011.
  9. Fa­bia­no Souza (1º de fevereiro de 2011). Rosalba enfrenta crise para acomodar aliados no interior do Estado Correio da Tarde. Página visitada em 10 de setembro de 2011. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2011.
  10. a b c d e f g h i j k l Edivan Silva. História do Município Portal Pau dos Ferros. Página visitada em 4 de março de 2011. Cópia arquivada em 4 de março de 2011.
  11. a b O Gol. Clube Centenário Pauferrense. Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  12. a b João Paulo (11 de agosto de 2010). Prefeitura divulga atrações da FINECAP 2010 Portal Pau dos Ferros. Página visitada em 2 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  13. a b c d e f g h i j k l m n PAU DOS FERROS IDEMA/RN. Página visitada em 13 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2011.
  14. a b Prefeitura. Histórico do Município. Página visitada em 4 de março de 2011. Cópia arquivada em 4 de março de 2011.
  15. Sites do Brasil. Pau dos Ferros. Página visitada em 4 de março de 2011. Cópia arquivada em 4 de março de 2011.
  16. Distância entre Pau dos Ferros e Brasília. Página visitada em 25 de julho de 2014.
  17. a b c Prefeitura. Caracterização física - Geografia. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  18. Mapa Exploratório-Reconhecimento de solos do município de Pau dos Ferros, RN Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Página visitada em 22 de junho de 2014. Cópia arquivada em 22 de junho de 2014.
  19. Bacia Apodi/Mossoró Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos. Página visitada em 27 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2011.
  20. Ficha Técnica do Reservatório Pau dos Ferros Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (SEMARH/RN). Página visitada em 27 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2012.
  21. Dados Gerais: Vegetação City Brazil. Página visitada em 22 de junho de 2014. Cópia arquivada em 22 de junho de 2014.
  22. Municípios localizados no Semi-árido Banco do Brasil. Página visitada em 22 de junho de 2014.
  23. Clima Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Página visitada em 22 de junho de 2014. Cópia arquivada em 22 de junho de 2014.
  24. O Semiárido. Página visitada em 22 de junho de 2014.
  25. Dados Gerais: Clima / Temperatura City Brazil. Página visitada em 22 de junho de 2014. Cópia arquivada em 19 de julho de 2014.
  26. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1978). Chuvas - médias mensais - 1/1978 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  27. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1973). Chuvas - médias diárias - 7/1973 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  28. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1940). Chuvas - médias diárias - 2/1940 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  29. a b c Ocorrência de Chuvas (mm) - 2008 - Posto: PAU DOS FERROS (PARTICULAR) Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (2008). Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  30. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1940). Chuvas - médias diárias - 3/1940 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  31. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1912). Chuvas - médias diárias - 9/1912 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  32. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1982). Chuvas - médias diárias – 4/1982 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2014.
  33. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1930). Chuvas - médias diárias – 10/1930 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 27 de julho de 2014.
  34. a b Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1934). Chuvas - médias diárias – 5/1934 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2014.
  35. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1979). Chuvas - médias diárias – 11/1979 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 27 de julho de 2014.
  36. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1978). Chuvas - Médias diárias – 6/1978 - Estação Pau dos Ferros Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 27 de julho de 2014.
  37. a b Ocorrência de chuvas (mm) - 1999 - Posto: PAU DOS FERROS (PARTICULAR) Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1999). Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2004.
  38. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN). Monitoramento Hidrometeorológico - Municípios - Pau dos Ferros (Estação Pau dos Ferros) Agência Nacional de Águas (ANA). Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  39. Busca por cidade BDC (Banco de Dados Climatológicos). CPTEC/INPE. Página visitada em 31 de março de 2011.
  40. Monitoramento pluviométrico Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. Página visitada em 26 de janeiro de 2014.
  41. a b Clima: Pau dos Ferros Climate Data. Página visitada em 26 de março de 2014. Cópia arquivada em 26 de março de 2014.
  42. Prefeitura promove campanha de combate às queimadas Prefeitura (11 de novembro de 2011). Página visitada em 11 de novembro de 2011. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2011.
  43. Assecom-RN (22 de fevereiro de 2011). Defesa Civil apresenta relatórios de risco em Mossoró, Caicó e Pau dos Ferros Governo do Rio Grande do Norte. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  44. Cheias afetam Pau dos Ferros Tribuna do Norte (5 de abril de 2008). Página visitada em 14 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2014.
  45. Márcio Costa (4 de março de 2007). Mossoró, Pau dos Ferros e Caicó são as cidades mais quentes do RN O Mossoroense. Página visitada em 14 de agosto de 2014. Cópia arquivada em 14 de agosto de 2014.
  46. INPE/CPTEC (1988). Precipitação acumulada em abril de 1988 (Pau dos Ferros - BRA) BDC (Bancos de Dados Climatológicos).. Página visitada em 31 de março de 2011. Cópia arquivada em 31 de março de 2011.
  47. INPE/CPTEC (1991). Precipitação acumulada em maio de 1991 (Pau dos Ferros - BRA) BDC (Bancos de Dados Climatológicos).. Página visitada em 31 de março de 2011. Cópia arquivada em 31 de março de 2011.
  48. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1984). Chuvas - médias diárias – 04/1984 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2014.
  49. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1963). Chuvas - médias diárias – 3/1963 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2014.
  50. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1973). Chuvas - médias diárias - 3/1973 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  51. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1982). Chuvas - médias diárias - 5/1982 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  52. INPE/CPTEC (1983). Precipitação acumulada em março de 1983 (Pau dos Ferros - BRA) BDC (Bancos de Dados Climatológicos).. Página visitada em 31 de março de 2011. Cópia arquivada em 31 de março de 2011.
  53. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1983). Chuvas - médias diárias - 3/1983 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  54. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1972). Chuvas - médias diárias - 4/1972 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  55. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1958). Chuvas - médias diárias - 3/1958 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  56. Ocorrência de chuvas (mm) - 2000 - Posto: PAU DOS FERROS(PARTICULAR) Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (2000). Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  57. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (1965). Chuvas - médias diárias - 4/1965 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 18 de abril de 2014. Cópia arquivada em 18 de abril de 2014.
  58. Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte. Chuvas - médias mensais – 1981 Agência Nacional de Águas. Página visitada em 26 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2014.
  59. Demografia - População Total Confederação Nacional dos Municípios (CNM). Página visitada em 26 de dezembro de 2010. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  60. Evolução da população, segundo os municípios - 1872/2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 17 de fevereiro de 2014.
  61. a b Tabela 2.1 - População residente, total, urbana total e urbana na sede municipal, em números absolutos e relativos, com indicação da área total e densidade demográfica, segundo as Unidades da Federação e os municípios – 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  62. Tabela 608 - População residente, por situação do domicílio e sexo - Sinopse (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  63. Razão de sexo, população de homens e mulheres, segundo os municípios – 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  64. a b c d e Pau dos Ferros, RN Atlas Brasil (2010). Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  65. Tabela 2093 - População residente por cor ou raça, sexo, situação do domicílio e grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  66. Tabela 1497 - População residente, por nacionalidade - Resultados Gerais da Amostra Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  67. Tabela 1505 - População residente, por naturalidade em relação ao município e à unidade da federação - Resultados Gerais da Amostra Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  68. Tabela 631 - População residente, por sexo e lugar de nascimento Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 27 de junho de 2013.
  69. Tabela 3173 - Emigrantes internacionais, por sexo, segundo os continentes e países estrangeiros de destino Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 25 de fevereiro de 2014.
  70. a b 1 - acabar com a fome e a miséria Portal ODM (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  71. Zonal do Alto Oeste Portal da Diocese de Mossoró. Página visitada em 18 de fevereiro de 2014.
  72. a b c Tabela 2094 - População residente por cor ou raça e religião Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 3 de agosto de 2013.
  73. a b c LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE PAU DOS FERROS (PDF) Câmara Municipal de Pau dos Ferros (2 de abril de 1990). Página visitada em 22 de maio de 201. Cópia arquivada em 22 de maio de 2013.
  74. Prefeito Prefeitura Municipal de Pau dos Ferros. Página visitada em 22 de maio de 2013. Cópia arquivada em 22 de maio de 2013.
  75. UOL Eleições 2012 - Apuração 1º Turno - Pau dos Ferros/RN. Página visitada em 8 de outubro de 2012.
  76. Vice-prefeita Prefeitura Municipal de Pau dos Ferros (2013). Página visitada em 22 de maio de 2013. Cópia arquivada em 22 de maio de 2013.
  77. Vereadores Câmara Municipal de Pau dos Ferros (2013). Página visitada em 22 de maio de 2013. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2014.
  78. Mesa diretora Câmara Municipal de Pau dos Ferros. Página visitada em 23 de maio de 2013. Cópia arquivada em 23 de maio de 2013.
  79. Galeria dos Ex-Presidentes Câmara Municipal de Pau dos Ferros. Página visitada em 23 de maio de 2013. Cópia arquivada em 23 de maio de 2013.
  80. LEI Nº 1327/2012 Diário Oficial do Município de Pau dos Ferros (20 de novembro de 2012). Página visitada em 9 de janeiro de 2013.
  81. Poder Judiciário do Rio Grande do Norte (TJRN). Comarca: Pau dos Ferros (em Português). Página visitada em 27 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  82. Quantidade de eleitores por município/região Tribunal Superior Eleitoral. Página visitada em 28 de junho de 2013.
  83. Histórico Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.
  84. Nomes das ruas - Pau dos Ferros Prefeitura de Pau dos Ferros. Página visitada em 18 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2014.
  85. Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticas Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 18 de fevereiro de 2014.
  86. Prefeitura de Pau dos Ferros inicia obra de urbanização e segue com outras três obras de pavimentação Prefeitura de Pau dos Ferros (14 de novembro de 2013). Página visitada em 18 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 18 de fevereiro de 2014.
  87. a b Cezar Alves (28 de julho de 2009). Prédio é construído no formato de navio. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 23 de maio de 2013.
  88. a b c João Paulo (26 de março de 2010). Elaboração começa no mês de abril Portal Pau dos Ferros. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  89. Tabela 3219 - Domicílios particulares permanentes, por número de moradores, segundo a situação do domicílio, o tipo de domicílio, a condição de ocupação e a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 16 de maio de 2013.
  90. Tabela 3218 - Domicílios particulares permanentes, por forma de abastecimento de água, segundo a existência de banheiro ou sanitário e esgotamento sanitário, o destino do lixo e a existência de energia elétrica Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 16 de maio de 2013.
  91. Serviços de saúde 2009 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2009). Página visitada em 31 de janeiro de 2014.
  92. Cadernos de Informações de Saúde - Pau dos Ferros/RN DATASUS. Página visitada em 31 de janeiro de 2014.
  93. 4 - reduzir a mortalidade infantil Portal ODM. Página visitada em 31 de janeiro de 2014.
  94. 6 - combater a AIDS, a malária e outras doenças Portal ODM. Página visitada em 31 de janeiro de 2014.
  95. Unidades Regionais de Saúde contribuem para fortalecimento do SUS no RN Portal da Secretaria Pública do Rio Grande do Norte (10 de fevereiro de 2012). Página visitada em 23 de maio de 2013. Cópia arquivada em 23 de maio de 2013.
  96. Hospital Dr. Cleodon Carlos de Andrade - Pau dos Ferros Portal da Secretaria Pública do Rio Grande do Norte. Página visitada em 23 de maio de 2013. Cópia arquivada em 23 de maio de 2013.
  97. HOSPITAL DR NELSON MAIA Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Página visitada em 31 de janeiro de 2014.
  98. Tabela 1383 - Taxa de alfabetização das pessoas de 10 anos ou mais de idade por sexo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 19 de julho de 2014.
  99. OFERECER EDUCAÇÃO BÁSICA DE QUALIDADE PARA TODOS Portal ODM (2010). Página visitada em 19 de julho de 2014.
  100. Tabela 1972 - Pessoas que frequentavam creche ou escola por nível e rede de ensino Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 19 de julho de 2014.
  101. Tabela 3540 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por nível de instrução, segundo a situação do domicílio, o sexo, a cor ou raça e os grupos de idade Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Página visitada em 19 de julho de 2014.
  102. Rio Grande do Norte » Pau dos Ferros » ensino - matrículas, docentes e rede escolar - 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012). Página visitada em 19 de julho de 2014.
  103. Escola Profissionalizante Catarina de Siena Vitrines do RN. Página visitada em 15 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2011.
  104. Quem Somos. Página visitada em 26 de agosto de 2014.
  105. EbaH. Faculdade Evolução do Alto Oeste Potiguar (FACEP). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  106. Histórico Portal IFRN (11 de fevereiro de 2011). Página visitada em 15 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2011.
  107. Via6. Universidade Anhanguera Educacional. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  108. Universia. Campus Avançado de Pau dos Ferros Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  109. Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (25 de fevereiro de 2010). Governo inclui UFERSA de Pau dos Ferros no PNE Portal da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  110. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de homicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  111. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de suicídio nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  112. Sangari (2011). Número e taxas (em 100 mil) de Óbitos Ac.Transporte nos municípios com 10.000 habitantes ou mais (xls). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  113. Jean Carlos (19 de janeiro de 2011). Prefeito reúne autoridades para debater segurança pública no município de Pau dos Ferros Portal Pau dos Ferros. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  114. Prefeito de Pau dos Ferros exige mais segurança para região Correio da Tarde (20 de janeiro de 2011). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2011.
  115. Resumo dos Custos Totais de Poços Para Atender a Demanda Humana Concentrada no Ano 2020 Secretaria do Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Página visitada em 15 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2011.
  116. A COSERN. Página visitada em 15 de outubro de 2011.
  117. Americanas.com. TIMChip Infinity DDD 84. Página visitada em 1° de março de 2011. Cópia arquivada em 1º de março de 2011.
  118. Estado: Rio Grande do Norte (RN). Página visitada em 26 de agosto de 2011. Cópia arquivada em 26 de agosto de 2011.
  119. Sobre Pau dos Ferros. Página visitada em 22 de maio de 2013. Cópia arquivada em 22 de maio de 2013.
  120. Estadão (7 de novembro de 2008). Portabilidade numérica chega a mais 8 milhões na 2ªf. Página visitada em 1° de março de 2011. Cópia arquivada em 1º de março de 2011.
  121. Frota 2012.
  122. Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA). Infra-estrutura Portal Pau dos Ferros. Página visitada em 1° de março de 2011. Cópia arquivada em 1º de março de 2011.
  123. Socicam. Terminal Rodoviário de Pau dos Ferros. Página visitada em 2 de março de 2011. Cópia arquivada em 2 de março de 2011.
  124. BR-226 Ministério dos Transportes. Página visitada em 17 de janeiro de 2014.
  125. a b c d e PAU DOS FERROS IDEMA/RN (2008). Página visitada em 15 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2011.
  126. BR - 405 Ministério dos Transportes. Página visitada em 15 de julho de 2013.
  127. RN-177, Rio Grande do Norte, Brasil Google Maps. Página visitada em 17 de janeiro de 2014.
  128. Reforma permite vôos noturnos no aeroporto de Pau dos Ferros Intelog (19 de outubro de 2008). Página visitada em 2 de março de 2011. Cópia arquivada em 2 de março de 2011.
  129. Secretarias Prefeitura Municipal de Pau dos Ferros. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2011.
  130. João Paulo (11 de agosto de 2010). Pau dos Ferros vira capital nacional dos estudos de língua e literatura Jornal De Fato. Página visitada em 2 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  131. Principais atividades artesanais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2012). Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  132. Folha Hoje em Dia (4 de setembro de 2009). Pau dos Ferros comemora 153 anos de emancipação política. Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  133. São Miguel - 02-07-2013 Jornal O Mossoroense (2 de julho de 2013). Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  134. FestaAki (30 de janeiro de 2011). Carnapau 2011 define possíveis atrações. Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  135. João Paulo Pinto de Sena (2011). Pau dos ferros - Abertas as inscrições para mais um Fest Criança Selo Unicef. Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  136. Pau dos Ferros: teve início ontem, a programação da Vitrine Cultural Portal Rafael Fernandes (3 de setembro de 2013). Página visitada em 16 de janeiro de 2014.
  137. Márcio Morais (29 de novembro de 2008). Pau dos Ferros abre programação dos festejos da padroeira Nossa Senhora da Conceição NatalPress. Página visitada em 3 de março de 2011.
  138. José Edmilson de Holanda. Pau dos Ferros: crônicas, fatos e pessoas: volume II. Natal: Gráfica Vital, 2011. 176 pp.
  139. Hotel Pousada do Jatobá Eco Viagem. Página visitada em 17 de janeiro de 2014.
  140. Jota Maria (6 de maio de 2010). Obelisco do Centenário de Pau dos Ferros. Página visitada em 3 de março de 2011.
  141. Inauguração da Praça de Eventos Nossa Senhora da Conceição reúne multidão em Pau dos Ferros Jornal O Mossoroense (26 de junho de 2008). Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  142. Luciano Oliveira (31 de agosto de 2003). VII Finecap injeta ânimo na economia e proporciona oportunidades de negócios O Mossoroense. Página visitada em 12 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2011.
  143. Cid Augusto (27 de agosto de 2003). A menina cresceu O Mossoroense. Página visitada em 12 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2011.
  144. Barra Vento (8 de abril de 2010). Barravento. Página visitada em 3 de março de 2011.
  145. O Gol. 9 de Janeiro. Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  146. O Gol. Sociedade Esportiva Pauferrense. Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  147. Prefeitura (24 de fevereiro de 2011). Pau dos Ferros realiza 1º Passeio Ciclístico Ecológico. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011. Cópia arquivada em 31 de março de 2011.
  148. Dutra Assunção (20 de fevereiro de 2011). UFBP e FACEP de Pau dos Ferros levaram as taças de vôlei masculino e feminino "Deusdete Alípio" disputada em Santana do Matos Redação Cajarana. Página visitada em 3 de março de 2011.
  149. Governo do Estado do Rio Grande do Norte (22 de julho de 2009). Escolas de Pau dos Ferros e da região Oeste vão receber da governadora kits esportivos JusBrasil. Página visitada em 3 de março de 2011. Cópia arquivada em 3 de março de 2011.
  150. Governadora entrega kits esportivos e inaugura escola de inclusão digital no Alto Oeste ClicRN (23 de julho de 2011). Página visitada em 15 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2011.
  151. FERIADOS MUNICIPAIS DAS COMARCAS DO RN – ANO 2010. Página visitada em 1º de outubro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons
Mapas