Paulo Ubiratan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo Ubiratan
Nome completo Paulo Ubiratan Fontes Gaspar
Nascimento 14 de janeiro de 1947
Rio de Janeiro
Morte 29 de março de 1998 (51 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Cônjuge Valéria Monteiro
Ocupação Produtor e diretor da televisão

Paulo Ubiratan Fontes Gaspar (Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 194729 de março de 1998) foi um diretor e produtor de telenovelas brasileiras da Rede Globo. Foi casado com a atriz Natália do Vale e com a jornalista e ex-modelo Valéria Monteiro, com quem teve uma filha, Vitória.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a trabalhar na TV Globo em 1978, como assistente de direção nas novelas O Pulo do Gato, de Bráulio Pedroso, e Sinal de Alerta, de Dias Gomes, na qual também atuou como produtor. No ano seguinte, voltou a trabalhar com o autor Bráulio Pedroso, assinando a direção da comédia Feijão Maravilha. A novela, que era estrelada por Lucélia Santos e Stepan Nercessian, prestava uma homenagem às chanchadas dos anos 1950, com um elenco que reunia alguns dos principais nomes do humor brasileiro.

A partir da década de 1980, Paulo se tornaria um dos principais diretores da TV Globo dividiu com Roberto Talma a direção de duas novelas: Água Viva e Coração Alado em 1981 a novela Baila Comigo foi a primeira novela das oito dirigida por Paulo Ubiratan e Roberto Talma. A dupla contou com dois jovens assistentes. Ele marcou também a estréia do autor Manoel Carlos no seu horário.

No ano seguinte, ainda em parceira com Roberto Talma, Paulo Ubiratan dirigiu três novelas: Sétimo Sentido, de Janete Clair, de Cassiano Gabus Mendes, que eternizou o personagem Mário Fofoca, vivido por Luis Gustavo e Final Feliz, primeira novela da consagrada autora Ivani Ribeiro na TV Globo. Antes de Roque Santeiro, que teria uma das maiores audiências da história da emissora, dirigiu outras duas novelas de Louco Amor, de Gilberto Braga, e Transas e Caretas. Além disso, em 1983, foi o produtor de outras duas tramas:Guerra dos Sexos, de Silvio de Abreu, e Eu Prometo, de Janete Clair. Em 1985, Paulo Ubiratan foi o responsável pela escalação do elenco que levaria às telas Roque Santeiro, proibida pela Censura dez anos antes. Seria também o diretor da novela, porém, no segundo mês, sofreu um ataque cardíaco e foi substituído por Gonzaga Blota.

A novela Roda de Fogo, de Lauro César Muniz e Marcílio Moraes, que contava a história do romance entre um empresário corrupto e uma juíza federal, marcou a volta do diretor às tramas das oito. Ele voltaria a dirigir um grande sucesso do autor Lauro César Muniz em 1989, a novela O Salvador da Pátria, que trazia Lima Duarte no papel de jardineiro Sassá Mutema e Maitê Proença como a professora Clotilde. No ano anterior, fora o produtor de outro clássico da teledramaturgia brasileira, a novela Vale Tudo, de Gilberto Braga.

Ainda em 1989, Paulo Ubiratan dirigiu Tieta, adaptação do romance de Jorge Amado feita por Aguinaldo Silva. Em seguida, o diretor fez sua primeira – e única – incursão no gênero das minisséries. Riacho Doce, teve as externas gravadas no arquipélago de Fernando de Noronha. No mesmo ano, dirigiu também a novela Meu Bem, Meu Mal, de Cassiano Gabus Mendes, que marcou a estréia do ator Fábio Assunção.

Após produzir Felicidade, de Manoel Carlos, Paulo Ubiratan dirigiu uma de suas últimas tramas na faixa de horário das 20h, a novela Pedra sobre Pedra, de Aguinaldo Silva. A novela seguia a linha do realismo fantástico, reunindo diversos personagens marcantes, como Sérgio Cabeleira (Osmar Prado) e Jorge Tadeu (Fábio Júnior).

Em 1994, Paulo Ubiratan dirigiu os primeiros capítulos da novela Tropicaliente. Em seguida, foi o responsável pela produção do remake de um clássico a saudosa Janete Clair, ela fez a novela Irmãos Coragem (1995). Exibida pela primeira vez em 1970, com Tarcísio Meira, Cláudio Marzo e Cláudio Cavalcanti no papel de João, Duda e Jerônimo Coragem, a nova versão, que fazia parte das comemorações pelos 30 anos da TV Globo, apresentou Marcos Palmeira, Marcos Winter e Ilya São Paulo nos respectivos papéis. Ainda em 1995.

Em 1996, ele fez o dirigiu – em parceria com Gonzaga Blota – a mini-novela O Fim do Mundo, escrita por Dias Gomes e Ferreira Gullar. Ainda naquele ano, Paulo Ubiratan dirigiu Anjo de Mim (1996), de Walther Negrão. Também dirigida por Paulo Ubiratan foi A Indomada, de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares, ambientada na cidade fictícia de Greenville, a novela apresentou novos personagens fantásticos, como a vilã Maria Altiva, interpretada por Eva Wilma, e o deputado Pitágoras Mackenzie, vivido por Ary Fontoura.

Em no dia de sua morte, o episódio "Toma que o Filme é Teu", do humorístico Sai de Baixo foi dedicado ao diretor. Morreu durante a realização da novela Por Amor, no dia 29 de março de 1998, de ataque cardíaco, quando ia ao ar o capítulo de número 144.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre televisão é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.