Pavel Akselrod

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pavel Borisovitch Akselrod
Павел Борисович Аксельрод.

Pavel Borisovitch Akselrod (em russo: Павел Борисович Аксельрод) (25 de agosto de 1850[1] - 16 de abril de 1928) foi um revolucionário marxista russo e um dos principais dirigentes mencheviques, sendo seu principal ideólogo.[2]

Axelrod foi o líder menchevique que mais contribuíram para moldar o partido e para definir a sua posição sobre as principais questões que o distinguem do bolchevique.[2] Seu principal objetivo foi adaptar postulados teóricos socialista, de socialistas da Europa Ocidental com a situação muito diferente no Império Russo.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu com o nome de Pinkhus Borukh (em russo Пинхус Борух) na vila de Potschev, perto de Tchernigov (atual Ucrânia), e durante a sua infância morou também em Mogilev (atual Bielorrússia).

Posteriormente transladou-se a Genebra (Suíça) como estudante. Lá trabalhou como tutor de Nadezhda Ivanovna Kaminer, com quem casou e com quem teve três crianças: Vera, Aleksandr e Sofia. Em 1906, morreu Nadezhda Kaminer.

A meados da década de 1880 Akselrod estabeleceu uma pequena empresa de produção de kefir. No final da década de 1890, a empresa tinha já escritórios em Zurique, Genebra e Basileia que lhe reportavam uns benefícios que Akselrod empregava para suportar economicamente os revolucionários.

Revolucionário marxista[editar | editar código-fonte]

Influenciado por Mikhail Bakunin na sua juventude, derivou no idealismo antes de adoptar a filosofia marxista do materialismo histórico. Akselrod participou na fundação em Genebra do grupo Emancipação do Trabalho com Georgi Plekhanov, Vera Zasulitch, Vasili Ignatov e Lev Deitch em 1883. Em 1900, participou também, através desse grupo e com a ajuda de Julius Martov, Lenin e Aleksandr Potresov na fundação do jornal revolucionário Iskra. Quando, no II Congresso do POSDR (1903), se verificou a fratura entre os mencheviques de Julius Martov e os bolcheviques de Lenin, Akselrod situou-se do lado de Martov.

Em 1917, antes da Revolução de fevereiro, Akselrod regressou a Rússia, onde manteve relações com mencheviques que participavam no governo de Aleksandr Kerenski, apoiando a política de guerra. Os esforços de Akselrod para tentar marcar os mencheviques face a uma política de negociações de paz foram inúteis. Após a vitória dos bolcheviques, Akselrod abandonou Rússia e dedicou a sua vida a difundir no exterior uma oposição socialista aos bolcheviques.

A Revolução de Outubro e o novo exílio[editar | editar código-fonte]

Tropas bolcheviques durante a Revolução de Outubro, a qual Axelrod se opus firmemente.

Durante sua curta estadia na Rússia, antes de partir como delegado para a conferência socialista em Estocolmo convocada para tentar alcançar a paz, Axelrod envolveu-se em intensa atividade no Partido menchevique, sendo nomeado presidente do comitê central.[3] Nas discussões sobre a posição do partido, nas questões que requeriam atenção imediata e nas crises sucessivas do período, ele exerceu pouca influência devido o sua falta de talento em falar em público e intriga política.[4] Ele tornou-se a figura de veterano do partido, preocupado com a manutenção da unidade da mesmo.[4]

Em 10 de agosto de 1917, ele partiu como delegado à Conferência Socialista de Estocolmo , deixando a Rússia pela última vez em sua vida.[5]

Após a vitória bolchevique, em novembro, que Axelrod chamou de "um crime histórico sem paralelo na história moderna",[6] decidiu permanecer em Estocolmo, à espera do início do fracasso do novo governo bolchevique, considerando tomada do poder e estabelecimento de um sistema socialista prematuro e condenado a fracasso.[6]

Nos quatro anos seguintes viajou pela Europa promovendo oposição ao socialismo bolchevique, descrevendo sua posição e pensamentos contra o governo de Lenin.[6] Ele tentou, mas sem sucesso, influenciar principalmente os socialistas europeu e ganhar seus apoio para mudar a situação na Rússia.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. A data de nascimento foi sempre desconhecida sabendo-se unicamente que foi em 1849 ou 1850. O 25 de agosto de 1850 foi escolhido pelos amigos de Axelrod para celebrar seu 75 aniversario no exílio em Berlín, Ascher (1972), p. 378
  2. a b c Ascher (1972), p. 2
  3. Ascher (1972), p. 323
  4. a b Ascher (1972), p. 324
  5. Ascher (1972), p. 330
  6. a b c Ascher (1972), p. 333
  • Abraham Ascher. Pavel Axelrod and the Development of Menshevism, Harvard University Press, 1972, ISBN 0-674-65905-8, 420p. (em inglês).