Pavel Florensky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pavel Florensky
Matemática
Pavel Florensky (esquerda) e Sergei Bulgakov, em uma pintura de Mikhail Nesterov (1917)
Nacionalidade Rússia Russo
Nascimento 21 de janeiro de 1882
Morte dezembro de 1937 (55 anos)
Atividade
Campo(s) Matemática

Pavel Alexandrovich Florensky (também PA Florenskii) (21 de janeiro de 1882dezembro de 1937) foi um teólogo ortodoxo, sacerdote, filósofo, matemático, físico, engenheiro elétrico, inventor e novo mártir russo.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Pavel Aleksandrovich Florensky nasceu em 21 de janeiro de 1882,[2] na cidade de Yevlax no Governorate de Elisabethpol, no atual Azerbaijão ocidental. Seu pai, (Aleksandr Florensky), era engenheiro ferroviário, fazia parte de uma família de sacerdotes ortodoxos russos enquanto sua mãe, Olga Saparova, era da nobreza armênia de Tbilisi.[3] [4] [5]

Florensky ingressou no Departamento de Matemática da Universidade Estatal de Moscovo e estudou sob Nikolai Bugaev tornando-se amigo de seu filho, o futuro poeta e teórico do simbolismo russo, Andrei Biéli. Ele também frequentou cursos filosofia antiga. Durante esse período, o jovem Florensky, que não teve educação religiosa, começou a se interessar por estudos além "das limitações do conhecimento físico ..." [6] Em 1904, ele se formou na Universidade de Moscovo e passou a estudar teologia na Academia Eclesiástica em Sergiyev Posad. Durante os seus estudos teológicos, ele entrou em contato com Elder Isidore e com outros colegas fundaram a sociedade, Luta sindical cristã (Союз Христиaнской Борьбы), com o objetivo revolucionário da reconstrução da sociedade russa de acordo com os princípios de Vladimir Soloviev. Em 1906 foi preso pela polícia tsarista por ser membro desta sociedade, no entanto mais tarde perdeu o interesse no Cristianismo radical.

Interesses intelectuais[editar | editar código-fonte]

Durante seus estudos na Academia Eclesiástica, os interesses de Florensky incluiam filosofia, religião, arte e folclore. Ele se tornou um membro proeminente de movimento do simbolismo russo, com trabalhos publicados nas revistas Novo Caminho (Новый Путь) e Libra (Весы). Ele também começou a sua principal obra filosófica, The Pillar and Ground of the Truth: an Essay in Orthodox Theodicy in Twelve Letters. O livro completo só foi publicado em 1914, mas a maior parte foi concluída em 1908 na época da sua graduação na academia.

De acordo com a Princeton University Press: "O livro é uma exploração dos vários significados do amor cristão, que é visto como uma combinação de philia (amizade) e agape (amor universal). Além disso, Florensky foi um dos primeiros pensadores do século XX, a desenvolver a ideia do conceito filosófico de Sofiologia,[1] que tornou-se uma das preocupações centrais das teólogas feministas."[7]

Depois de se formar na academia, ele se casou em agosto de 1910 com Anna Giatsintova, a irmã de um amigo, uma decisão que chocou seus amigos por estarem familiarizados com a sua aversão ao casamento.[8] Ele continuou a ensinar filosofia no Mosteiro da Trindade-São Sérgio, cerca de 70 km a nordeste de Moscou, até 1919. Em 1911, ele foi ordenado para o sacerdócio e em 1914 escreveu sua dissertação, About Spiritual Truth.

Ele publicou dezenas de obras sobre filosofia, teologia, teoria da arte, matemática e eletrodinâmica.[1] Entre 1911 e 1917, foi editor-chefe da Bogoslovskiy Vestnik, publicação teológica ortodoxa de maior autoridade da época.

Período do regime comunista na Rússia[editar | editar código-fonte]

Após a Revolução de Outubro, ele formulou sua posição como: "Eu desenvolvi minha própria visão filosófica e científica do mundo, que, embora contradiga a interpretação vulgar do comunismo ... não me impede de trabalhar honestamente no serviço do Estado." Após os bolcheviques fecharem o Mosteiro da Trindade-São Sérgio em 1920 e a Igreja de Sergievo-Posad em 1921, onde ele era o padre, Pavel se mudou para Moscou para trabalhar no Plano Estadual de Eletrificação da Rússia,[1] sob a recomendação de Leon Trotsky, que acreditava firmemente na capacidade de Florensky para ajudar o governo na eletrificação rural de Rússia.

Em 1924, publicou um grande monografia sobre dielétricos. Ele trabalhou simultaneamente como Secretário Científico da "Comissão Histórica do Mosteiro da Trindade-São Sérgio" e publicando suas obras sobre a antiga arte russa.[1]

Na segunda metade da década de 1920, ele trabalhou principalmente em física e eletrodinâmica, publicando a obra "Números imaginários na Geometria" ( «Мнимости в геометрии. Расширение области двухмерных образов геометрии» ) dedicado à geométrica interpretação da teoria da relatividade de Albert Einstein. Entre outras coisas, ele proclamou que a geometria dos números imaginários, previstos pela teoria da relatividade para um corpo que se move mais rápido do que a luz é a geometria do Reino de Deus. Ao mencionar o Reino de Deus em seu trabalho, ele foi acusado de agitação antissoviética por parte das autoridades sendo condenado a trabalhos forçados.

1928-1937: O exílio, a prisão, a morte[editar | editar código-fonte]

Em 1928, Florensky foi exilado para Níjni Novgorod. Após a intercessão de Ekaterina Peshkova (esposa de Maxim Gorky), Florensky foi autorizado a voltar para Moscou. No 26 de fevereiro de 1933 ele foi preso novamente, por suspeita de envolvimento em uma conspiração com Pavel Gidiulianov, professor de [Direito Canónico]], que era um completo estranho para Florenskiy, foi acusado de tentar derrubar o Estado e restaurar, com o apoio nazista, uma monarquia fascista.[9] Ele foi condenado a 10 anos nos campos de trabalho por parte do infame artigo 58 do código penal criado por Joseph Stalin (cláusulas dez e onze: "agitação contra o sistema soviético" e "materiais de agitação editoriais contra o sistema soviético"). Os materiais de agitação eram as parte publicadas no livro dele sobre a teoria da relatividade comentando no Reino de Deus.

Ele serviu no Gulag de Baikal Amur Mainline, até 1934, sendo transferido posteriormente para a Prisão de Solovki, lá ele realizou uma pesquisa sobre a produção de iodo e agar a partir de algas. Em 1937 ele foi transferido para São Petersburgo (então conhecida como Leningrado), onde foi condenado à execução.

Informação oficial soviético da época afirmou que Florensky morreu 8 de dezembro de 1943 em algum lugar na Sibéria, mas um estudo nos arquivos da NKVD após a dissolução da União Soviética, mostrou que a informação é falsa. Florensky foi baleado logo após uma extrajudicial sessão da troika do NKVD, em dezembro de 1937, que condenou ele à execução, provavelmente ele foi morto perto de Toksovo, localizado cerca de 20 km a nordeste de São Petersburgo, sendo enterrado em valas secretas juntamente com outros 30 mil que foram executados pelo NKVD na mesma época.[10]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Algumas de suas obras traduzidas para o inglês:
    • The Pillar and Ground of the Truth: An Essay in Orthodox Theodicy in Twelve Letters; Princeton University Press; (1994); ISBN-13: 978-0691117676.[1]
    • Iconostasis; Oakwood Publications; (1996); ISBN-13: 978-0881411171.[1]
    • Beyond Vision: Essays on the Perception of Art; Reaktion Books; (1996); ISBN-13: 978-1861893079
  • Alguns dos seus 22 livros traduzidos em italiano:
    • Non dimenticatemi. Le lettere dal gulag; Mondatori; (2006)
    • Ai miei figli. Memorie di giorni passati; Mondatori; (2009)
    • L'arte, il simbolo e Dio. Lettere sullo spirito russo; Medusa Edizioni; (2004)

Outras fontes[editar | editar código-fonte]

  • Pavel Florensky: A Quiet Genius: The Tragic and Extraordinary Life of Russia Unknown Da Vinci; Avril Pyman; Bloomsbury Academic; (2010); ISBN-13: 978-1441187000
  • Pavel Florensky: A Metaphysics of Love; Continuum International Publishing; (1984); ISBN-13: 978-0881410327

Referências

  1. a b c d e f g Chapter Five— Icon and Logos, or Why Russian Philosophy Is Always Theology (em en) 'Flight from Heaven - Part Two: Theology' University of California Press. Visitado em 31 de julho 2013.
  2. No dia 9 de janeiro de acordo com o Calendário juliano.
  3. Notas no artigo "On the Road to a Unified World View: Priest Pavel Florensky--theologian, philosopher and scientist" escrito por S.S. Demidov and C.E. Ford no livro Mathematics and the Divine: A Historical Study, publicado em ingles por Elsevier Science em 2005
  4. Oleg Kolesnikov. Pavel Florensky.(russo)
  5. Pavel V. Florensky; Tatiana Shutova. Pavel Florensky. Nashe Nasledie (russo)
  6. Do livro "Salt of the Earth" de Paul Florensky
  7. The Pillar and Ground of the Truth: an Essay in Orthodox Theodicy in Twelve Letters.
  8. Avril Pyman;Pavel Florensky: A Quiet Genius: The Tragic and Extraordinary Life of Russia’s Unknown da Vinci;Continuum International Publishing Group; (2010); p.86; ISBN-13: 978-1441187000
  9. Avril Pyman, pp.154ff.
  10. Antonio Maccioni, "Pavel Aleksandrovič Florenskij", eSamizdat, 2007, V (1-2), pp. 471-478 Antonio Maccioni. Pavel Aleksandrovic Florenskij (em italian).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Sobre suas obras[editar | editar código-fonte]