Peças de teatro de Machado de Assis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está a atravessar um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a dar o seu contributo e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Outis (D C) 18 meses atrás. (Recarregar)

O teatro de Machado de Assis refere-se à toda produção teatral do escritor brasileiro. Essas peças não usufruem nem usufruíram de maior admiração crítica e popular tanto quanto seus romances e contos, no entanto muitas vezes são alvo de análise. Antes mesmo de escrever sua primeira peça, Machado frequentou muitos teatros cariocas e escreveu críticas ao que concerne a interpretação dos artistas, a decoração e os figurinos dos espetáculos.[1] Em seu trabalho crítico O Passado, o Presente e o Futuro da Literatura (1858) lamentou nas linhas finais o demasiado uso de traduções nos palcos brasileiros, o que o motivou a buscar uma formação de teatro voltada a questões nacionais.[2]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

As peças teatrais machadianas foram publicadas entre 1860 a 1906 e são comédias satíricas onde os personagens são geralmente da alta burguesia, cultos, espirituosos e elegantes que "mantêm diálogos aos quais não faltam chistes, bom humor e ironia refinada."[3] .

Lista de peças[editar | editar código-fonte]

A Queda que as mulheres têm para os tolos é geralmente listada erroneamente no volume do teatro completo do autor, onde não deveria estar, visto tratar-se de um ensaio traduzido[4] .

Reputação crítica[editar | editar código-fonte]

Os críticos não admiram o teatro de Machado tanto quanto seus romances e contos. Já no século XIX, por exemplo, Quintino Bocaiúva afirmava que suas peças teatrais eram mais adequadas à leitura do que à representação.[5] Esta opinião também é aceita nos dias de hoje onde alguns vêem suas comédias como possuidoras de "um tom moralizante, são bem escritas, mas pecam por um excesso de retórica, isto é, pela falta de naturalidade nos diálogos".[6] Outra opinião atual, porém, vê que Machado era conhecedor dos elementos cênicos e teatrais e que seu repertório é visto como de valor significativo uma vez que representa a sociedade e faz parte de um movimento interessado em criar um teatro brasileiro.[3]

Referências

  1. Faria, 2001, p.109.
  2. Calzavara, 2008, p.2
  3. a b Calzavara, 2008, p.3.
  4. SILVA, Ana C. Suriani da. [Texto original, tradução, adaptação ou imitação?. Disponível online no Jornal da Unicamp. Consultado em 24/01/2013.
  5. Apud Calzavara, 2008, p.3.
  6. [1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ASSIS, Machado. Teatro Completo. Rio de Janeiro, Ministério da Educação e Cultura, Serviço nacional de Teatro, 1982.
  • ___. Teatro de Machado de Assis. Edição preparada por João Roberto Faria. São Paulo: Martins Fontes,2003.
  • CALZAVARA, Rosemari Bendlin. "Comédias Refinadas: o teatro de Machado de Assis". XI Congresso Internacional da ABRALIC, USP, 2008. Disponível em http://www.andrelg.pro.br/simp%F3sios/ROSEMARI_BENDLIN_CALZAVARA.pdf
  • FARIA, João Roberto. O teatro realista no Brasil: 1855-1865. São Paulo: Perspectiva: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.
  • ___. Idéias teatrais: o século XIX no Brasil. São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2001.
  • MAGALDI, Sábato. Panorama do teatro brasileiro. São Paulo: Global,1999.
  • PROPP, Wladimir. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]