Pegasus - Controle Remoto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Pegasus - Controle Remoto foi o segundo modelo de controle remoto fabricado pela Estrela, sendo lançado em maio de 1983 e produzido até junho de 1989.

  • O carro era uma réplica do esportivo M1, lançado em 1978, e produzido pela BMW, que obteve bom volume de vendas, durante a sua produção.
  • Era comercializado em duas séries: Ouro e Prata, ambas com a sua respectiva cor da carroceria. As versões tinham freqüências diferentes para não causar interferência.
  • Tinha controle remoto de alavanca, na cor cinza, com comando de alinhamento de direção no próprio controle.
  • O carro possuía luzes de seta na frente e atrás que piscavam, de acordo com a direção a ser tomada (esquerda ou direita).
  • O carro chegava a atingir a velocidade máxima de 20 km/h, o que proporcionava o carro fazer até cavalos-de-pau.
  • O controle tinha alcance de até 30 metros a céu aberto.
  • Funcionva com 11 pilhas (5 pilhas tamanho D no carro e 6 pilhas tamanho AA no controle). A Estrela recomendava o uso de pilhas alcalinas para melhor desempenho do carro.
  • Em 1984, foi lançado o Colossus - Controle Remoto, que também era de controle remoto, mas ambos tinham seu público cativo, fazendo com que o Pegasus não saísse de linha.
  • Para evitar problemas de fluxo de caixa como ocorreu com o Stratus - Controle Remoto, em que a Estrela foi obrigada a pagar uma verdadeira fortuna em royalties para comercializar o brinquedo, o projeto do Pegasus foi bancado em conjunto pela Estrela, pela distribuidora de derivados de petróleo Shell e pela fabricante de pneumáticos Goodyear, que em troca ganharam espaço para suas marcas na cartela de adesivos que eram colados no carro (a Shell no capô e a Goodyear no parachoque dianteiro, perto das luzes de seta), como forma de publicidade.