Pensamento livre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Pensamento livre, ou Livre Pensamento é o ponto de vista, filosófico ou não, que sustenta que os fenômenos e todas as coisas devem ser formados a partir da ciência, da lógica e da razão e não devem ser influenciados por nenhuma tradição, autoridade ou qualquer dogma,[1] cujo adepto se proclama livre pensador e cuja aplicação por vezes é chamada de livre pensar.[2]

Sua popularidade se deve principalmente aos pensadores de meados do século XVIII e século XIX cuja meta eram desenvolver o raciocínio liberto e em contraposição a qualquer influência de ideias preconcebidas, desenvolvendo assim pressupostos científicos e filosóficos livres de quaisquer elementos dogmáticos. Na política, o pensamento livre é fruto das correntes políticas progressistas dos século XVII e XVIII, de onde proveio o liberalismo político[carece de fontes?].

Entre os mais famosos livre-pensadores estão Robert Green Ingersoll, Gotthold Ephraim Lessing e Francisco Ferrer y Guardia e Voltairine de Cleyre.

História[editar | editar código-fonte]

A viola x wittrockiana, conhecida como amor perfeito, é símbolo do pensamento livre.

Movimentos pré-modernos[editar | editar código-fonte]

No Budismo, temos um belo exemplo do livre-pensar, proferido por Siddhartha Gautama, no Kalama Sutta:

"É adequado, Kalamas, que vós duvideis, que fiqueis incertos; a incerteza surgiu em vós sobre o que é [realmente] duvidoso. Vamos, Kalamas. Não creiais no que foi adquirido por audição repetida; não creiais na tradição; nem em rumores; nem no que está em uma escritura sagrada; nem em conjeturas; nem em um axioma; nem em raciocínio especial [elaborado]; nem em um preconceito contra uma noção que seja ponderada; nem em aparentes habilidades de outrem; nem na ideia: O monge é nosso professor. Kalamas, quando em vós mesmos souberdes: 'Estas coisas são ruins; estas coisas são condenáveis; estas coisas são censuradas por quem é sábio; e quando, após experiência e observação, percebestes que estas coisas conduzem ao dano e ao mal [de vós e de outros],' abandonai-as".

Precedentes modernos[editar | editar código-fonte]

Hoje se considera que Voltaire e Thomas More (também conhecido por Thomas Morus ou São Thomas More) foram importantes predecessores do movimento Livre Pensar ou ainda pensadores avant la lettre, ou "antes que a expressão tivesse sido inventada".

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Ainda que de modo descompromissado e humorístico, Millôr Fernandes - que manteve uma coluna chamada Livre pensar é só pensar - pode ser contado entre os livre-pensadores brasileiros.

Crítica[editar | editar código-fonte]

George Berkeley, quando trabalhava na Igreja Anglicana de Londres escreveu uma série de artigos no jornal The Guardian contra os livre-pensadores, porém, anos após abandonar o cargo, publicou um artigo sobre o livre-pensar na matemática.

Legado[editar | editar código-fonte]

O movimento Livre-Pensar tem seu legado partilhado tanto entre liberais como os anarquistas do século XIX e XX. Cada qual se referindo a certos aspectos e diferentes pensadores identificados como parte deste movimento.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]