Pentagrama

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Pentagrama

Um pentagrama (do grego antigo πεντάγραμμος) é uma estrela composta por cinco retas e que possui cinco pontas. Na língua portuguesa, pentagrama significa uma palavra com cinco silabas. Também é, em música, as cinco linhas paralelas que compõem a partitura.

Ao pentagrama são atribuídos vários significados esotéricos.

Pentagrama na Mitologia[editar | editar código-fonte]

Da Vinci Vitruve " O Homem Vitruviano"

Talvez conhecido pelos antigos mesopotâmios (por exemplo os sumérios), foi muito considerado por Pitágoras que observou sua relação com o número aúreo. A Maioria dos autores opinam que o pentagrama foi primeiro conhecido e estudado pelos babilônios, e daí em diante o tomaram os pitagóricos, devido â coincidente associação do pentágono regular, com o cosmos e ordem divina, ainda assim, existe quem pònha em dúvida, pois o sumário atribuído aos neoplatônicos, Eudemo de Rodas e Proclo menciona que os pitagóricos, apenas conheciam a três das figuras cósmicas poliedros regulares, desconhecendo ao octaedro e ao icosaedro.

A explicacão dada é que eles os conceberam da forma dos cristais naturais e ao surgiram de uma dedução matemática, o que iría contra da herença babilônica.1

Desde então se deu um uso ao mesmo tempo místico-mágico e outro científico; na magia o pentáculo com sua ponta voltada para cima significa o ser humano(de fato: durante a Idade Média se esboçavam longos pentalfas para logo sobre eles desenhar se as figuras humanas, e isto pode se verificar no célebre escrito de Leonardo Da Vinci para o livro "A Divina Proporcão" de Luca Pacioli), a magia tem o pentagrama como um de seus símbolos principais.

UC36-6Prisma Pentagramico
pentagrama na representando o infinito


Na ciência propriamente dita a estrela pentagrama é um interessante diagrama que descreve várias leis matemáticas: se encontra como representante nos logarítmos, na sucessão de Fibonacci, a espiral logarítmica e por isto também nos fractais etc.

  • Magia

A magia tem o pentagrama como um de seus símbolos principais.

Originalmente símbolo da deusa romana Vênus foi associado a diversas divindades e cultuado por diversas culturas. O símbolo é encontrado na natureza, como a forma que o planeta Vênus faz durante a aparente retroação de sua órbita. Trata-se de um dos símbolos pagãos mais utilizados na magia cerimonial pois representa os quatro elementos (água, terra, fogo e ar) coordenados pelo espírito, sendo considerado um talismã muito eficiente.[carece de fontes?]

O pentagrama é conhecido também como o símbolo do infinito, pois é possível fazer outro pentagrama menor dentro do pentagrama maior, e assim sucessivamente.[carece de fontes?]

Possui simbologia múltipla, sempre fundamentada no número cinco, que expressa a união dos desiguais. Representa uma união fecunda, o casamento, a realização, unindo o masculino,o 3, e o feminino, o 2, simbolizando ainda, dessa forma, o andrógino.[carece de fontes?]

Escola Francesa de Cabala[editar | editar código-fonte]

O pentagrama é um símbolo muito utilizado pelos eruditos da escola francesa de Cabala. Autores como Eliphas Levi e Papus o estudaram a fundo e o estabeleceram como um símbolo de proteção contra o mal, Boa Vontade e Bondade.[carece de fontes?]

Pentagrama na Matemática[editar | editar código-fonte]

W alex.jpg

Estrela feita pela união dos pontos de um pentágono regular e cinco triângulos isósceles côngruos.

Tal que a razão entre o lado do triângulo e sua base (lado do pentágono) é o número de ouro2

O pentagrama também foi usado como emblema na escola pitagórica3 4 , que também denominavam-se pentalfas 5 , seu lema máximo era "Tudo é Número". Os pitagóricos rendiam verdadeiro culto ao número natural,6 considerando-o como a essência de todas as coisas.

Pentagrama na Astronomia e Natureza[editar | editar código-fonte]

Image Venus pentagram.png

O planeta Vénus descreve um pentagrama perfeito através do plano eclíptico do céu a cada oito anos. Conjunções inferiores sucessivas dele se repetem numa ressonância orbital muito próxima a 13:8 (a Terra orbita 8 vezes para cada 13 órbitas de Vênus) criando uma sequência de precessão pentagrâmica.

Pentagrama na Religião[editar | editar código-fonte]

Para os pagãos, cada ponta do pentagrama representa um dos Cinco Elementos da Natureza: Ar, Fogo, Água, Terra, e um espírito que a todos coordena.[carece de fontes?]

Cinco Elementos da Natureza e o Pentagrama

Atualmente, muitos usam um Pentagrama no pescoço, como símbolo de orgulho da sua religião e representando a sua fé, ou ainda como um amuleto de proteção. É importante notar que isso não é nenhuma obrigação para qualquer religião .[carece de fontes?]

Além do seu significado primordial, dos cinco elementos, o pentagrama também representa o corpo humano (os 4 membros e a cabeça). Para alguns o pentagrama passa ainda a ser conhecido como "estrela do microcosmo" (pequeno universo), que simboliza o mago dominando o espírito sobre a matéria, inteligência sobre instintos, mente sobre o corpo.[carece de fontes?]

Nos rituais da religião Wicca, além de ser um dos símbolos da deusa, o pentagrama às vezes é usado como símbolo da terra, outras vezes para consagrar os instrumentos ritualísticos, objetos e amuletos. [carece de fontes?]

O pentagrama pode ser feito de qualquer material (metal, madeira, argila, vidro, etc.) e até desenhado em pedaços de pano ou mesmo no chão.[carece de fontes?]

Pentagrama Invertido[editar | editar código-fonte]

O pentagrama invertido (com duas pontas para cima), significa a verdade sobre o fato de o Espírito ser apenas uma faceta da matéria[carece de fontes?]. Pode-se observar também que o Pentagrama com duas pontas para cima aparecia, como um dos símbolos da Baphomet. Assim sendo, o pentagrama invertido possui significados paralelos.[carece de fontes?]

O Pentagrama - podemos também afirmar que são as cinco pontas do corpo Humano, onde, através delas que são levados para o interior do corpo tudo que o Homem adquire com tais pontas (braços, pernas e cabeça). Mas, é adquirido de acordo com cada ser Humano, pois, uns levam estas pontas onde desejam, e é de acordo com esses desejos que são introduzidos e exteriorizados a ação e a reação causadas por essas ondas capitadas, que logo introduzidas no ser são revertidas em conhecimentos e repassadas a outrem de acordo com o Eu de cada ser Humano.(Pensamentos: Salomão Leon da Silva).

Um dos símbolos mais antigos da terra. Usado mais de 4 mil anos antes de cristo. E um símbolo religioso pagão. Mas não um símbolo de adoração ao demônio. E relacionado a adoração a natureza. Também tem ligação com a astronomia. Foi símbolo oficial das olimpíadas mas foi modificado na ultima hora pelos aneis interligados. O simbolismo do pentagrama foi distorcido atraves do milênios. O símbolo pentagrama foi distorcido pela igreja romana primitiva. Era um campanha do vaticano pra erradicar as religiões pagas e converter as massas ao cristianismo, definindo símbolos pagãos como símbolos do mal.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Boyer (1999), p. 80.
  2. Número de ouro
  3. Escola pitagórica
  4. http://www-history.mcs.st-and.ac.uk/history/Mathematicians/Pythagoras.html
  5. http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=pentalfa
  6. http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/fundam/naturais/naturais1.htm

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CHEVALIER, Jean e Gheerbrandt, Alain. Dicionário de Símbolos - Mitos, sonhos costumes, gestos, formas figuras, cores números.
  • Boyer, Carl Benjamin (abril de 1999). «Cap. IV: Jonia y los pitagóricos». História da Matemática (primera edición). Madrid: Alianza Editorial. p. 80. ISBN 978-84-206-8186-3.