Percepção musical

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Outubro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A percepção musical é a capacidade de perceber as ondas sonoras como parte de uma linguagem musical. Envolve especialmente a identificação dos atributos físicos do som, como volume, timbre e afinação (percepção sonora), mas também elementos musicais como melodia (percepção melódica) e ritmo (percepção ritmica).

Visto como indispensável para musicistas, foram desenvolvidos uma série de métodos destinados a aumentar esta capacidade em crianças e adultos. Cursos de música (em universidades, conservatórios ou mesmo em escolas regulares), tipicamente, reservam várias aulas com este propósito.

O termo percepção musical é, muitas vezes, usado como sinônimo de percepção sonora, nesse caso desconsiderando melodia, ritmo e elementos de linguagem musical.

Altos níveis de percepção musical são sinais de apurada capacidade de análise sonora. Ajudam muito mas não garantem a musicalidade do indivíduo, visto que não tem relação direta com capacidades de produção sonora. Algumas tarefas esperadas de uma alta percepção musical incluem a identificação de escalas a partir de melodias; acordes e progressões de acordes em trechos musicais; nunances interpretativas; harmônicos; vozes em meio a uma polifonia; e até ruidos indesejáveis em meio a música. O chamado "ouvido absoluto" refere-se à capacidade de identificar e nomear notas musicais apenas pela audição de sons correspondentes.

Dimensão do tempo métrico, ou medido, onde se ouve um tempo ‘de metrônomo’, um tempo contado por unidades de igual duração (tempo de relógio). Nesta dimensão, o conhecimento técnico, analítico prevalece; pensa-se em cada material da música, como por exemplo, no compasso (binário conta 1 2; no ternário conta 1 2 3), no andamento (andante, rápido, lento), na acentuação, na agógica (acelerando, ralentando), e outros. Dimensão de tempo não métrico, que pode ser vivenciado por meio das palavras da canção, seguindo mais os acentos, entonações das frases do texto do que propriamente da métrica definida do compasso. O tempo é mais flexível, elástico, com componentes de expressividade do conteúdo semântico.

Dimensão da corporeidade, que pode ser métrico ou não, mas que seguirá a intuição auditiva; o corpo 'pensa' e responde gestualmente; a percepção é orientada pelos componentes mental (ou cognitivo), afetivo (ou psicológico) e físico-corporal. O corpo expressa a percepção do tempo que pode suspender e/ou deixar o ‘métrico’, para realçar outro componente (melodia, acorde, uma suspensão, uma palavra, etc.) que foi sentido ou percebido como significativo para o intérprete e/ou ouvinte.

Dimensão expressivo-individual que é essencialmente não métrico, ou, se há métrica, com certeza está livre da medida 'contada'. É essencialmente flexível e elástica a vivência temporal nesta dimensão. Um exemplo Que acontece frequentemente é quando o ouvinte tem toda a música na mente, e com isso tem a capacidade de ‘parar’ em uma determinada melodia, evento, ou sonoridade, e lá fica repetindo, voltando, refazendo, curtindo o mesmo em um tempo não-métrico. O tempo, neste caso, é tão variável quanto variável é a concepção do tempo musical.