Persuasão (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Persuasion
Persuasion
Sangue Azul[1] [2]  (PT)
Persuasão (BR)
NorthangerPersuasionTitlePage.jpg
Página de título da edição original de 1817
Autor (es) Jane Austen
Idioma inglês
País  Reino Unido
Género romance
Linha de tempo da história Século XIX
Espaço onde decorre a história Inglaterra
Editora John Murray (Londres)
Lançamento 1818
Edição portuguesa
Tradução Leyguarda Ferreira
Editora Romano Torres
Lançamento 1944
Edição brasileira
Tradução Luiza Lobo[3] [4]
Editora Editora Bruguera (Rio de Janeiro)
Lançamento 1971

Persuasão (1818) é um romance da escritora britânica Jane Austen, escrito por volta de 1816. Seu título original é Persuasion, e é o último romance completo escrito por Jane Austen, que o escreveu após terminar Emma (1816). A história se passa em Bath, e é relacionada a outro romance de Austen, Northanger Abbey.

A obra é póstuma, tendo sido publicada em 1818, sendo que a autora faleceu em 1817.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O enredo gira em torno de Anne Elliot, filha de Walter Elliot, baronete de Kellynch Hall, a qual sete anos antes dos eventos narrados no romance, apaixona-se por Frederick Wentworth, inteligente, ambicioso, mas pobre, e é impedida pela família de contrair matrimônio com o mesmo. Tal rompimento foi feito sob a interferência da viúva Lady Russell, que não via vantagens no casamento com um homem sem tradições e sem conexões familiares importantes, temendo um futuro incerto para Anne.

A irmã mais velha de Anne, Elizabeth, após a morte da mãe, passara a tomar conta da casa. Inicialmente, tinha pretensões de casar com o herdeiro presuntivo da propriedade e do baronato, William Elliot, pois Sir Walter não tinha filhos homens para herdar; seus planos fracassaram mediante a notícia que William casara com uma mulher rica e adquirira independência.

A irmã mais jovem de Anne, a nervosa Mary, é casada com Charles Musgrove de Uppercross Hall, um bucólico vilarejo, onde Anne passa uns tempos, ajudando a irmã, após o aluguel de sua casa.

O pai de Anne, Sir Walter Elliot, acaba alugando sua propriedade ao cunhado de Wentworth, o Almirante Croft. Os Musgroves, incluindo Mary, Charles e suas irmãs Henrietta e Louisa, são convidadas a conhecer os Crofts, e as duas moças se sentem atraídas por Wentworth, porém Henrietta é informalmente compromissada com Charles Hayter.

Aos vinte e sete anos, Anne reencontra o ex-noivo, agora um oficial da marinha, interessado em sua vizinha, Louisa Musgrove, que é também concunhada de Anne, pois é irmã de Charles, casado com Mary.

Anne percebe que ainda ama Wentworth e tem de lidar com a convivência num ambiente em que ele se torna frequente e com a possibilidade de ser deixada de lado em favor de Louisa. É apenas quando Anne reconhece seus sentimentos íntimos como verdadeiros, que a persuasão se completa.

Vista aérea de Bath, cenário de várias passagens de "Persuasão"

Em visita a um amigo de Wentworth, o Capitão Harville, em Lyme Regis, Louisa Musgrove sofre uma queda e é socorrida adequadamente pela sensível Anne, fazendo com que Wentworth a admire ainda mais.

Louisa se recupera, mas desperta a atenção do amigo de Wentworth, Capitão Benwick, que recentemente ficou viúvo, e começa a ficar interessada por ele.

Enquanto isso, Sir Walter, Elizabeth, irmã mais velha de Anne, e a amiga Mrs. Clay, voltam para Bath. Anne começa a ser cortejada por William Elliot, mas não corresponde, pois não o admira muito.

Finalmente, os Musgroves visitam Bath para comprar roupas para Louisa e Henrietta, e o Capitão Wentworth e seu amigo Capitão Harville os acompanham. Anne e Harville discutem o relacionamento dos homens e mulheres apaixonados, enquanto Wentworth escreve umas notas, durante a conversa. O propósito da carta é falar de seus sentimentos por Anne. Em uma cena suave, Anne e Wentworth se reconciliam e renovam seu compromisso.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Sir Walter Elliot, Bt. — um extravagante baronete, que desde a morte da esposa, 13 anos antes, colocou a família em dificuldades financeiras, de forma a precisar alugar sua propriedade, Kellynch Hall, para o Almirante Croft, e fazer uma residência mais modesta em Bath.

Elizabeth Elliot — a mais velha das filhas de Sir Walter, que acompanha o pai nas imprudências e extravagâncias. Ela e o pai frequentemente colocam seus interesses acima dos de Anne, culpando-a de inconseqüências.

Anne Elliot — A segunda filha de Sir Walter, com 27 anos e solteira. Ela é inteligente, mas perdeu sua alegria ao romper seu compromisso anterior com Wentworth, persuadida pela mentora Lady Russel. Oito anos depois, ao reencontrá-lo, volta a se apaixonar por ele.

Mary Musgrove — a filha mais jovem de Sir Walter, casada com Charles Musgrove. Ela é carente de atenção, e é teatral e manipuladora, usando o fato de “estar sempre doente” na tentativa de chamar a atenção para si.

Charles Musgrove — marido de Mary e dono da propriedade dos Musgrove. Ele tentara casar com Anne, mas acabou casando com Mary, quando Anne o recusou por ainda continuar amando Wentworth.

Lady Russell — uma amiga dos Elliots, particularmente de Anne. Ela é crucial na decisão de Sir Walter em deixar Kellynch Hall para sair da crise financeira. Anos antes, ela persuadira Anne a recusar a proposta de casamento do Capitão Wentworth, pelo fato de ele ser pobre e com poucos recursos futuros.

Mrs. Clay — uma pobre viúva, filha do advogado de Sir Walter, e amiga íntima de Elizabeth Elliot.

Capitão Frederick Wentworth — um official naval que tivera um envolvimento com Anne há alguns anos, e fôra recusado por ela. Na época, não tinha fortuna, mas nas guerras napoleônicas sua situação financeira se modificou. É um dos irmãos de Sophia Croft.

Admiral Croft — de boa natureza, aluga Kellynch Hall e é cunhado do Capitão Wentworth.

Sophia Croft — irmã do Capitão Wentworth e esposa do Almirante Croft. Ela oferece a Anne um exemplo de mulher que casou por amor, e não por dinheiro.

Louisa Musgrove — segunda irmã de Charles Musgrove, tem 19 anos. Capitão Wentworth a admira pela determinação, em contraste com a prudência de Anne. Ela pretende um compromisso com o Capitão Benwick.

Henrietta Musgrove — irmã mais velha de Charles Musgrove, tem 20 anos, e está informalmente compromissada com o primo Charles Hayter.

Capitão Harville — um amigo do Capitão Wentworth, mora em Lyme.

Capitão James Benwick — um amigo do Capitão Harville. Benwick fôra compromissado com a irmã do Capitão Harville, Fanny, mas ela morreu enquanto Benwick estava no mar. A perda o deixou melancólico e amante de poesia. Benwick acaba se compromissando com Louisa Musgrove.

Mr. William Elliot — um paente, herdeiro presuntivo de Sir Walter, que se tonrou um estranho para família quando se envovleu com uma mulher rica da sociedade, deixando de casar com Elizabeth Elliot. Agora viúvo, quer herdar o título de Sir Walter, e quando encontra Anne acidentalmente, pensa em casar com ela para assegurar sua herança.

Mrs. Smith — uma amiga de Anne Elliot que mora em Bath e passa por dificuldades financeiras.

Lady Dalrymple — uma viscondessa, prima de Sir Walter, de elevada posição social.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Significado literário e crítico[editar | editar código-fonte]

Austen escreveu Persuasion durante o período em que esteve enferma, enfermidade esta que resultou em sua morte, dando margem a um romance mais curto e menos elaborado do que Mansfield Park e '”Emma”.

Apesar do impacto da doença de Austen, o romance é bastante original, e é o primeiro em que a personagem feminina principal já não é tão jovem; a biógrafa Claire Tomalin caracteriza o livro como um “presente para ela mesma, para Miss Sharp, para Cassandra, para Martha Lloyd... para todas as mulheres que tinham perdido suas chances na vida e que nunca desistiram de uma segunda primavera"[5] .

Ao mesmo tempo, o romance é uma marcha triunfal para a construção do homem. Capitão Wentworth é um dos muitos oficiais navais da história, que ascenderam socialmente por mérito ou sorte, e não por herança. Ele marca um tempo em que muitas raízes sociais foram mudadas, tais como as do antigo rico, Sir Walter, que dá lugar ao novo rico, como Wentworth. O sucesso dos dois personagens irmãos de Austen na Marinha Real é particularmente significativo para a época.

Austen arremata seu romance da mesma forma que em Pride and Prejudice, quando a heroína ultrapassa os outros através do casamento.

Referências em outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • Persuasion é retratado no filme “The Lake House” (“Casa do Lago”), de Alejandro Agresti, em 2006, como tema de fundo[6] .
  • Muitos temas e incidents de Persuasion são mapresentados no romance Bridget Jones: The Edge of Reason.
  • Persuading Annie, um romance de Melissa Nathan, é uma versão moderna de Persuasion.
  • Connivance, (ASIN B002ACZU1A), um romance de Helen Baker, é uma continuação de Persuasion, em que Mrs Clay continua fazendo charma para Sir Walter Elliot e Mr Elliot, seu herdeiro.
  • Jane Austen in Scarsdale, um romance de Paula Marantz Cohen, é baseado no roteiro de Persuasion.
  • Persuasion é referenciado em The French Lieutenant's Woman (“A Mulher do tenente Francês”), de John Fowles.
  • O romance é referenciado no romance de 2004, The Jane Austen Book Club, de Karen Joy Fowler, que posteriormente foi transformado no filme homônimo, em 2007.
  • Persuasion é citado no filme The Book Of Ruth, feito para TV em 2004. (The Book Of Ruth foi originalmente um romance de Jane Hamilton.)
  • The Family Fortune, um romance de Laurie Horowitz, é uma versão moderna de "Persuasion," ambientada em Boston, Massachusetts.

Cinema, TV e teatro[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Catálogo da Biblioteca Nacional de Portugal
  2. Nos anos 1950, foi traduzido em Portugal por Maria Fernanda Cidrais como "Persuasão", pela Livraria Civilização, na Série Popular, nº 48. In: Catálogo da Biblioteca Nacional de Portugal.
  3. Curriculum de Luiza Lobo
  4. AUSTEN, Jane. Persuasão. Rio de Janeiro: Bruguera, 1971, Coleção Clássicos do Mundo Todo. P. 4
  5. Claire Tomalin, Jane Austen: A Life (New York: Vintage, 1997), p. 256
  6. AUSTEN, Jane. Persuasão, trad. por Fabio Cyrino. São Paulo: Editora Landmark, 2007.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • AUSTEN, Jane (1971), Persuasão, Rio de Janeiro: Bruguera. ISBN Trad. Luiza Lobo, Clássicos do Mundo, Coleção Livro Amigo, 280 p.
  • AUSTEN, Jane (2007), Persuasão, São Paulo: Editora Landmark. ISBN Trad. Fabio Cyrino

Ligações externas[editar | editar código-fonte]