Petróglifo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Petróglifos no Canyon Lands National Park, Utah, EUA.
Petróglifos conhecidos como "Meercatze" (assim chamados pelo arqueólogo Leo Frobenius), no Wadi Methkandoush, na região líbia de Mesak Settafet.

Petróglifos (do prefixo latino petra,ae, "rochedo, pedra", este do grego pétra,as, "rochedo, rocha", com o sufixo grego glúphó, "esculpir, gravar") são imagens geometrizadas e representações simbólicas, geralmente associadas, que registram fatos e mitos e eram gravadas nas rochas das paredes internas e externas de cavernas por populações neolíticas ou calcolíticas. São encontrados em todo o mundo.

Não se deve confundir o termo petróglifo com pictograma, que é uma imagem desenhada ou pintada. Os petróglifos e os pictogramas pré-históricos formam um conjunto conhecido como arte rupestre.

História[editar | editar código-fonte]

Os petróglifos mais antigos datam do Paleolítico Superior ou do Neolítico, aproximadamente há 10.000 ou 12.000 anos. Mais adiante, faz ao redor de 7.000 ou 9.000 anos começaram a aparecer outros sistemas de escrita como a pictografia e os ideogramas. Os petróglifos seguiram sendo muito comuns e algumas sociedades menos avançadas continuaram utilizando-os durante milênios, até o momento de entrar em contato com a cultura ocidental no século XX. Foram encontrados em todos os continentes, excetuando a Antártida, embora se concentrem especialmente em partes da África, Escandinávia, Sibéria, o Sudoeste de América do Norte e Austrália.

Interpretação[editar | editar código-fonte]

Petróglifos perto de Qobustam, (Azerbaidjão)

Estas imagens talhadas na rocha provavelmente tinham um sentido cultural e religioso muito profundo para as sociedades que as criaram, sentido que em muitas ocasiões se perdeu. Acredita-se que muitos petróglifos representavam algum tipo de linguagem ritual ou simbólica ainda não desvelada. Os glifos mais tardios da Idade do Bronze Nórdica em Escandinávia parece fazerem referência a algum tipo de fronteira territorial entre tribos, além dos significados religiosos que tiverem. Também semelha que existiam dialetos locais ou regionais entre povos da mesma família ou entre vizinhos. As inscrições em Sibéria têm formas que poderiam ser o antecedente das runas, embora não tenha sido encontrada nenhuma relação entre ambos e nem sequer se chegou a compreender seu significado.

Alguns investigadores deram-se conta da similaridade existente entre diferentes estilos de petróglifos encontrados em todos os continentes. Contudo, não deve ser difícil explicar estilos semelhantes já que todos os seres humanos se inspiraram no que os rodeava. Pode dever-se quer a uma simples coincidência quer às migrações que levaram a cabo os diferentes grupos a partir de uma localização comum quer a uma origem igual para todos eles. Em 1853, George Tate leu um trabalho no Berwick Naturalist's Club, com o que John Collingwood Bruce coincidia, e no qual se assinalava que os glifos tinham "...uma origem comum, e indicam um significado simbólico com o qual se representa um pensamento popular". Ao catalogar a arte rupestre escocesa, Ronald Morris chegou a contabilizar até 104 teorias diferentes sobre sua interpretação.

Petróglifo em Mesquite Springs (Death Valley, Arizona)

Outras teorias, mais controversas, são baseadas na sua maioria na psicologia de Carl Jung e nos estudos do historiador Mirceia Eliade, segundo as quais é possível que a similaridade dos petróglifos e de outros símbolos arquetípicos ou atávicos de diferentes culturas e continentes sejam o resultado de uma estrutura herdada geneticamente no cérebro humano.

Existem outras teorias que sustêm que os petróglifos foram realizados pelos xamãs num estado alterado de consciência, talvez induzido pelo uso de alucinogênios naturais. Demonstrou-se que muitos dos modelos geométricos (conhecidos como constantes de forma) que aparecem nos petróglifos e pinturas rupestres estão "enroscados" no cérebro humano, até aparecem com muita freqüência em problemas de visão e alucinações produzidas pelas drogas, a enxaqueca e outros estímulos.

Os vínculos atuais entre o xamanismo e a arte rupestre, entre o povo San do deserto do Kalahari, foram objeto de estudo pelo Rock Art Research Institute (RARI) da Universidade de Witwatersrand. Embora a arte do povo San se centre na pintura, os motivos que se escondem atrás desta podem lançar um pouco de luz e serem a base para a compreensão de outros tipos de arte, incluindo os petróglifos. Como aparece no sítio web do RARI:

Cquote1.svg Ao utilizarem o conhecimento das crenças do povo San, os investigadores demonstraram que a arte realiza um papel fundamental nas vidas religiosas dos seus pintores. A arte captou coisas que o mundo San viu depois dos rostos de pedra: o outro mundo habitado por criaturas e espíritos, até o que os dançarinos poderiam viajar sob formas animais e donde as pessoas em êxtase poderiam tomar poder e levá-lo ao seu mundo para curar, fazer chover, etc. Cquote2.svg

Relação de petróglifos no mundo[editar | editar código-fonte]

África[editar | editar código-fonte]

Ásia-Pacífico[editar | editar código-fonte]

América do Sul[editar | editar código-fonte]

Norte-América[editar | editar código-fonte]

  • Petrified Forest National Park, (Parque Nacional do Bosque Petrificado), Arizona, EUA
  • Sedona, Arizona, EUA
  • Petit Jean State Park, (Parque Estatal Petit Jean) Arkansas, EUA
  • Death Valley National Park, Parque Nacional de Death Valley) Califórnia, EUA
  • Lava Beds National Monument, (Monumento Nacional de Lava Beds) Lago Tule, Califórnia, EUA
  • Petroglyph National Monument (Monumento Nacional do Petróglifo), Novo México, EUA
  • Three Rivers Petroglyphs, (Petróglifos de Three Rivers), Novo México, EUA
  • Arches National Park (Parque Nacional de Arches), Utah, EUA

Europa[editar | editar código-fonte]

  • Inscrições na roca em Alta e Møllerstufossen, Noruega

Galiza[editar | editar código-fonte]

As gravuras existentes na Galiza formam o chamado Grupo Galaico de Arte Rupestre. Todas elas realizadas sobre granito, embora seja desconhecido se foi uma escolha intencional ou simplesmente que apenas chegaram à atualidade aquelas realizadas em materiais mais duradouros.

Na Galiza, é a Sul, na província de Pontevedra, nomeadamente no vale do rio Lérez, onde se conservam a maior parte das gravuras. Quanto mais nos afastamos deste lugar para o norte ou para o interior encontramos um número muito inferior, e quase sempre relacionados aos vales dos rios.

Oriente Médio[editar | editar código-fonte]

Tipos[editar | editar código-fonte]

  1. Abstratos: São desenhos sem uma geometria clara. Podem estar sozinhos ou formando conjuntos.
  2. Geométricos: Desenhos que se têm uma geometria clara. Covinhas, cruzes, suásticas, círculos, quadros xadrezados, sóis, etc.
  3. Figurativos ou representativos: Simbolizam figuras, quer humanas (pegadas de pés) quer animais (leões, girafas, etc.).
  4. Objetos: Representam objetos. Flechas, carros, barcos.

Ao não ser uma ciência exata, as conjeturas feitas sobre o significado dos petróglifos são muito extensas. Mas em geral segundo o tipo de petróglifo há uma explicação aproximada.

  1. Abstratos: Representam deuses ou constelações.
  2. Geométricos: Marcar territórios, uso em cerimônias religiosas.
  3. Figurativos ou representativos: Boa sorte para a caça, procura da fertilidade feminina.
  4. Objetos: plegárias aos deuses para uma boa caça ou colheita.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beckensall, Stan e Laurie, Tim. Prehistoric Rock Art of County Durham, Swaledale and Wensleydale. [S.l.: s.n.], 1998. ISBN 1-897585-45-4.
  • Beckensall, Stan. Prehistoric Rock Art in Northumberland. [S.l.: s.n.], 2001. ISBN 0-7524-1945-5.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Petróglifo

*(em português)-As Gravuras por António José Marques da Silva. Acessado em 27 de outubro de 2008.