Philip Martiny

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Abingdon Square Memorial, feito por Martiny.

Philip H. Martiny (Alsácia, 19 maio de 1858[1] - 1927) foi um escultor franco-americano que trabalhou no atelier Eugene Doca de Paris, onde se tornou chefe antes mudar-se para Nova Iorque em 1878 - para evitar ir para o exército da França.[2] Nos Estados Unidos ele trabalhou com Augustus Saint-Gaudens, durante cinco anos.

Martiny pertenceu a equipe de escultores do World's Columbian Exposition, em Chicago, no ano 1893, onde morou por um ano para trabalhar como escultor. Karl Bitter técnica de Martiny o caracterizou de:

Ele trabalha com uma rapidez incrível e, aparentemente, com pouca reflexão, mas sempre com o instinto para a coisa certa, decorativamente falando, que ele raramente falha em seus resultados" [3]

As esculturas em gesso, que fez com sua equipe, foram destruídas junto com o edifício da exposição, mas com o sucesso da exposição, levou Martiny a participar da Pan-American Exposition em Buffalo, Nova Iorque (1901) e para a Louisiana Purchase Exposition em St Louis (1904). Sua crescente reputação o levou receber o prêmio Cotton States and International Exposition em 1895, em Atlanta, na Geórgia.[4]

Embora ele fosse um membro da Sociedade Nacional de Escultura, Martiny não foi considerado um escultor da primeira ordem, mesmo após ele ter completado os trabalhos para o New York City Hall of Records, após a morte do arquiteto John R. Thomas. Daniel Chester French foi chamado para oferecer sugestões para a exposição[5] que Martiny terminou em 1907.[6]

Martiny foi entrevistado pelo New York Times. Segundo o NY Times, a entrevista deu a impressão que ele operava uma fábrica de escultura comercial, onde a arte convive alegremente, indiscriminadamente, com a vida de trabalho menos romântica. No final da estrevista, Martiny declarou sua admiração com o presidente McKinley.[7]

Em 1921, Martiny criou o Abingdon Square Memorial, que foi dedicado aos soldados de Greenwich Village que estiveram na Primeira Guerra Mundial, que foi inaugurado diante de uma multidão de 20 mil pessoas.[8] E também fez uma escultura no Chelsea Park Memorial.[9]

Martiny foi casado duas vezes e teve oito filhos. Um golpe debilitante encerrou sua carreira, e um segundo deu um fim a sua vida.[10]

Principais trabalhos[editar | editar código-fonte]

A escultura feita por Martiny na Biblioteca do Congresso.

Uma extensa lista dos trabalhos feitos por Martiny está escrita no National Museum of American Art e no Smithsonian Information Research.[11] Entre elas, destacam-se:

  • New York City Hall of Records. Figuras alegóricas, com ajuda dos arquitetos Horgan e Slattery. Feito entre 1901 a 1907.[12]
  • Louisiana Purchase Exposition em 1904.
  • William McKinley Memorial, em Springfield, Massachusetts.
  • Life Publishing Company Building.
  • St. Bartholomew's Episcopal Church, em Nova Iorque.
  • Biblioteca do Congresso, no Edifício Jefferson. Escultura, em bronze e mármore, nas duas grandes escadarias do Salão Principal.

Referências

  1. According to the New York Times interview noted below, in which Martiny claimed descent from Simone Martini
  2. New York Times interview, 1904
  3. Bitter, in The Book of the Fair (1904), quoted in Michele H. Bogart, Public Sculpture and the Civic Ideal in New York City 1890-1930(University of Chicago Press) 1989:141.
  4. Peter van Alfen, "Monuments, Medals, and Metropolis, part II: Beaux-Arts sculpture", American Numismatic Magazine (illustrated obverse and reverse0
  5. Michele H. Bogart, Public Sculpture and the Civic Ideal in New York City 1890-1930(University of Chicago Press) 1989:140ff; the Hall of Records project is discussed pp 135-54.
  6. A full list of the figural sculpture associated with the building from the Art Commission and Municipal Art Society Guide to Manhattan's Outdoor Sculpture (Gayle and Cohen) is a Forgotten Delights; there are brief comments in the Encyclopedia of New York City.
  7. New York Times, "A Sculptor Who Is Also a Captain of Industry", March 27, 1904,
  8. "Abingdon Square Doughboy Statue". Página visitada em 20 de dezembro de 2011. “The dramatic bronze statue on a granite pedestal, dedicated in 1921, is by Philip Martiny (1858–1927), and depicts a foot soldier (known commonly in World War I as a “doughboy”) holding a swirling American flag in battle.”
  9. Peter van Alfen, "Monuments, Medals, and Metropolis, part II: Beaux-Arts sculpture", American Numismatic Magazine
  10. - 8k Philip Martiny papers
  11. "Philip Martiny Notes A Web Portrait of Philip Martiny for his great-grandson.". Página visitada em 20 de dezembro de 2011. “Inscriptions and Quotations in the Buildings of the Library of Congress -- The Jefferson Building, Part 1 - The Staircases - The two great staircases flanking the Great personal injury lawyer New York Hall are embellished by elaborate and varied sculptural work by Philip Martiny.”
  12. Bogart 1989:135-54.